Arquivo de etiquetas: caso de Kozani

[Grécia] Sejamos todxs insurgentes, assaltantes e sabotadorxs

Solidariedade com todxs xs que estão submetidxs a julgamento pelos assaltos de Velventos

Em 2013, seis anarquistas foram detidos por duplo assalto na cidade de kozani, Velventos. Um ano mais tarde viram-se condenados a penas de prisão que variavam de 11 a 16 anos. No princípio de Março deu-se início ao seu julgamento de recurso, na prisão de Korydallos – onde têm sido mantidos reféns do Estado desde a sua detenção. A razão para certas pessoas serem perseguidas, espancadas e presas não se prende com o dinheiro que o banco irá perder, no caso ter sido bem sucedido o processamento do roubo. A verdadeira razão é o perigo que representaria para a autoridade se essa prática se espalhasse na sociedade – a de escolher sair e fazer por aí o que for possível para combater a opressão diária, a de encontrar os meios necessários para criar projetos de luta, a de ir contra o mundo dos ricos e poderosos, por via direta e autónoma. Não estamos a falar de assalto a bancos enquanto tal – que poderia também ser uma maneira alternativa de obter riqueza na mesma lógica capitalista, que está sempre a hipnotizar-nos, em todo o lado. Estamos a falar da escolha de agir – para aprofundar a aventura da revolta sempre em evolução – armados com ideias de liberdade e coragem.

Ou seja, é uma questão de vida. Queremos viver com a cabeça curvada, vendo sempre os nossos pés no chão desta tão amputada sociedade, pensando que esse é o horizonte? Ou queremos olhar à nossa volta, juntarmos-nos com muitxs ou poucxs para organizar o ataque contra o existente e tudo o que lhe dá ar para respirar? Nesse caso, é a nossa criatividade e imaginação que irá determinar o horizonte.

Solidariedade é luta.

Sejamos todxs insurgentes, assaltantes e sabotadorxs…

Próximas datas de julgamento: 23/3, 30/3, 11/4 & 27/4

inglês l grego

Prisões gregas: Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis entram em greve de fome solidária com Nikos Romanos

patAndreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis foram detidos, junto com Yannis Michailidis e Nikos Romanos, após o duplo assalto em Velventos de Kozani (ação pela qual foram condenados). Segue-se a tradução do comunicado dos dois compas, a partir das prisões de Koridallos:

Desde 10 de Novembro de 2014 que o amigo e companheiro Nikos Romanos está em greve de fome exigindo que lhe concedam as saídas educativas da prisão, às quais tem direito segundo as suas próprias leis. No entanto, a sua luta não pode de nenhum modo ser vista como algo separado das características políticas que o mesmo possui, nem entender-se como algo que não seja a necessidade da destruição total do sistema de repressão e de miséria total que, há séculos, domina as nossas vidas,  tal como nós o sentimos.

Não poderíamos ignorar o clima político mais amplo que predomina hoje em dia, a feroz repressão que o Estado e o Capital puseram em marcha contra qualquer tentativa de oposição à barbárie capitalista e ao ataque sem escrúpulos aos “parasitas” deste sistema económico. Agora, que o Estado prepara as prisões do tipo C para transferir para ali xs lutadorxs anarquistas e comunistas, assim como xs presxs insubmissxs, Nikos escolheu uma vez mais o caminho da resistência – procurando levantar uma barricada que sirva tanto para ele como para todxs nós também – para lutar contra a contenção que experimenta, a cada dia mais dura.

A 24 de Novembro foi transferido, por ordem de juíz, ao hospital Gennimatas. A sua transferência foi acompanhada de um documento do juíz das prisões de Koridallos que dizia, sem vergonha, que a responsabilidade pela saúde de Nikos está nas mãos dos médicos, incitando assim, de maneira indireta, para que o pessoal do hospital exerça a alimentação forçada. Apesar disto, e indiferentemente do que queiram as autoridades, a responsabilidade pelo que se possa passar em relação à saúde de Nikos  é do ministério de justiça, do juíz Eftichis Nikopoulos e do conselho da prisão.

Como mostra mínima de solidariedade, e tal como o companheiro Yannis Michailidis, entramos nós também em greve de fome, a partir de 1 de Dezembro de 2014, até que se cumpra a exigência de Nikos.

“Afinal de contas, a força com que o ser humano consegue tudo é apenas uma, uma só a firmeza e orientação clara do coração. Quem possua esta força não deveria permitir que o medo o possa dominar.” [Rainer Maria Rilke]

JUNTOS ATÉ AO FINAL, JUNTOS ATÉ À VITÓRIA

Andreas-Dimitris Bourzoukos
Dimitris Politis

[Prisões gregas] Greve de fome rotativa em solidariedade com Nikos Romanos

O companheiro Yannis Michailidis anunciou ontem que os anarquistas que foram presos após o duplo assalto em Velventos, Kozani (em Fevereiro de 2013) iniciaram uma greve de fome rotativa a partir de segunda-feira, 17 de Novembro de 2014, nas prisões de Koridallos, para mostrar o seu apoio a Nikos Romanos, que está em greve de fome desde 10 de Novembro exigindo que as saídas educativas a que tem direito lhe sejam concedidas.

No seu comunicado, Michailidis – que é o primeiro companheiro a entrar na greve de fome de solidariedade – mencionou entre outras coisas:

“No caso presente, em que o meu companheiro e irmão Nikos Romanos usa o seu corpo como barricada para exigir saídas da asfixiante condição de confinamento em que se encontra, eu quis mostrar a minha solidariedade factual. A partir da situação em que eu também me encontro na presente conjuntura, decidi participar numa greve de fome rotativa entre nós, os companheiros que fomos presos juntos após o roubo em Velventos, A partir de 17 de Novembro, começo uma greve de fome até que a reivindicação de Nikos Romanos seja atendida.

A nossa escolha visa contribuir para uma maior motivação dxs companheirxs fora dos muros da prisão, a fim de multiplicar e agudizar ações de solidariedade multiformes, abrindo assim uma nova frente na guerra contra o Estado e, consequentemente, um outro campo de conscientização entre xs novxs companheirxs.”

Para além disso o prisioneiro anarquista Yannis Michailidis expressou a sua solidariedade com Iraklis Kostaris, membro preso da organização revolucionária 17 de Novembro (17N), o qual realiza uma greve de fome desde 29 de Outubro de 2014, reivindicando a reconstituição das saídas educacionais a que tem também direito.

Prisão de Koridallos, Atenas: Sentenças no caso do duplo assalto de Velventos

Na quarta-feira, 1 de Outubro de 2014, no tribunal especial dentro da prisão de Koridallos em Atenas, o aparelho judicial considerou os prisioneiros anarquistas Yannis Michailidis, Nikos Romanos, Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis (que tinham assumido a responsabilidade política pelo duplo assalto à mão armada em Velventos, Kozani, a 1 de Fevereiro de 2013), bem como Fivos Harisis e Argyris Ntalios (que haviam negado todas as acusações) culpados de:

– Cometerem assalto com a cara tapada ou disfarçados (excepto Dimitris Politis, que foi condenado como cúmplice),

– Posse agravada de armas de fogo (para as pistolas utilizadas na dupla expropriação),

– Roubo de veículo agravado (para o carro do dentista-refém usado como veículo de fuga).

As penas de prisão impostas aos seis companheiros são:

Yannis Michailidis: 16 anos, 4 meses e 10 dias.

Nikos Romanos: 15 anos e 10 meses.

Andreas-Dimitris Bourzoukos, Fivos Harisis, Argyris Ntalios: 15 anos e 11 meses.

Dimitris Politis: 11 anos e 5 meses.

Por último, como proposto anteriormente pelo Ministério Público, o tribunal absolveu todos os acusados do suposto envolvimento com o grupo de guerrilha urbana Conspiração de Células de Fogo, CCF. No entanto, existe outro julgamento em curso com processos judiciais que incluem exactamente a mesma acusação contra os companheiros anarquistas.

A solidariedade é multiforme!

París: A solidariedade é o ataque!

Na noite de 12 para 13 de Dezembro de 2013, destruiu-se a montra e saboteou-se a entrada para a filial da empresa Bouygues (construtora de prisões, entre outras atividades nocivas), localizada na rua Lepic, no XVIII distrito de París.

A 13 de Novembro passado, 5 compas foram detidxs em Barcelona, acusadxs por ataques anarquistas contra igrejas. Através desta ação expressamos a nossa solidariedade com xs 5 compas, 2 dxs quais estão em prisão preventiva. Enviamos-lhes força e coragem!

Aproveitamos a oportunidade para enviar um sinal cúmplice aos compas acusados pelo duplo assalto em Velventos-Kozani, na Grécia.

A solidariedade é o ataque!

fonte

Atenas: Seis anarquistas iniciam greve de fome e sede nas prisões de Koridallos

Na 5ª feira, 12 de Dezembro enquanto estávamos encerrados nas nossas celas, o carcereiro Giannis Mylonas dirigiu-nos a palavra de maneira insultuosa. No dia seguinte, quando lhe pedimos explicações pela sua atitude,continuou arrogante, pelo que se lhe devolveu uma pequena parte da violência que exerce diariamente com a sua chave.

A administração penitenciária, testando os nossos limites e forças, decidiu quebrar a nossa comunidade.

Neste momento, cinco de nós estamos em isolamento, na secção disciplinar do módulo C, enquanto os nossos compas Yannis Naxakis e Babis Tsilianidis foram transferidos ao módulo D e o companheiro Grigoris Sarafoudis ao módulo E (os três últimos não estão nas secções disciplinares destes setores).

Estamos decididos a defender a qualquer preço a nossa comunidade já que, para nós, é elemento vital básico dentro do podre mundo da prisão. Não negociamos a nossa dignidade perante nenhum cobarde servo da ordem legal.

A 13 de Dezembro, iniciámos greve de fome e sede, exigindo regressar ao módulo A, para junto dos nossos compas.

A partir de agora, xs responsáveis do que possa ocorrer são os altos mandos Vasilis Lamprakis, Giannis Kontopoulos e Nikos Petropoulos, a diretora da prisão, Maria Stefi, a delegada do ministério público Troupi e a cabeçilha dos serviços sociais, Vaso Fragathoula, ou seja dos que formam o conselho da prisão.

Nem um passo atrás.

PS: Os nossos pensamentos estão com os lutadores prisioneiros em greve da fome Spyros Stratoulis, Rami Syrianos, Ergün Mustafa e Michalis Ramadanoglou.

Força, loucos, até à vitória

Fivos Harisis
Argyris Ntalios
Yannis Michailidis
Dimitris Politis
Giorgos Karagiannidis

Atualização:

O compa Babis Tsilianidis entra também em greve de fome e sede, a 14 de Dezembro, em solidariedade com os cinco compas grevistas. Em seguida uma declaração sua a esse respeito:

Os factos acontecidos esta sexta-feira na prisão de Koridallos são já conhecidos. Estou decidido a lutar para defender a comunidade que tem sido formada por vários anarquistas no módulo A, pelo que me uno à mobilização que començaram ontem Dimitris Politis, Yannis Michailidis, Argyris Ntalios, Fivos Harisis e Giorgos Karagiannidis.

Desde 14 de Dezembro de 2013, ao meio dia, estou em greve de fome e sede, exigindo o regresso dos 5 compas, antes mencionados, da secção disciplinar do módulo C ao módulo A. Igualmente, exigo o regresso ao módulo A de Giannis Naxakis, Grigoris Sarafoudis e o meu, pois fomos transferidos para o módulo D.

Abraços de companheirismo e força aos grevistas de fome Spyros Stratoulis, Rami Syrianos, Ergün Mustafa e Michalis Ramadanoglou.

Babis Tsilianidis
Módulo D da prisão de Koridallos

Atenas: Fixada a data do julgamento pelo duplo assalto em Velventos–Kozani

O julgamento do duplo assalto em Velventos (próximo da cidade de Kozani) está previsto para o dia 29 de Novembro de 2013. Inicialmente, o processo teria lugar no Tribubal de Apelações de Atenas. No entanto, o local do julgamento foi mudado recentemente para a sala especial dentro da prisão de mulheres de Koridallos, pois os acusados Andreas-Dimitris Bourzoukos, Dimitris Politis, Nikos Romanos, Yannis Michailidis (conhecidos como os ‘4 de Kozani’), assim como Fivos Harisis e Argyris Ntalios (detidos em Nea Filadelfia) estão a ser processados segundo a lei antiterrorista, por “assalto no contexto de uma organização criminosa” (artigo 187A do código penal grego). Os seis compas são acusados de  participação no grupo de ação direta Conspiração de Células de Fogo e de perpetuar este assalto armado como parte integrante da mesma.

Grécia, Atenas: 5 compas presos em Nea Filadelfeia

flying-offA partir de Fevereiro — depois de se impôr a prisão preventiva a 4 anarquistas que assumiram a responsabilidade pelo duplo assalto em Velventos, próximo da cidade de Kozani (norte da Grécia)— emitiram-se ordens de prisão contra dois prófugos suspeitos, Fivos Harisis-Poulos e Argyris Ntalios.

No dia 30 de Abril de 2013, cinco pessoas foram detidas na zona de Nea Filadelfeia, Atenas. Entre eles, Fivos e Argyris, que estão encarcerados nas prisões de Koridallos.

Segundo informações de solidários/as, a 3 de Maio, cerca das 9 da manhã, Fivos Harisis-Poulos e Argyris Ntalios teriam uma audiência preliminar como membros de organização criminosa, com o objetivo de cometer assalto, falsificação e resistência à prisão.

Mais tarde, solidários/as informariam que entre os detidos se encontrava Dimistris Hadjivasiliadis, anarquista preso a meados de Fevereiro de 2011, num controlo aleatório da polícia, em Atenas. Permaneceu em prisão preventiva durante 10 meses por “posse de armas com intenção de se abastecer”,  segundo a lei anti-terrorista grega, apesar de não existir algum tipo de prova sustancial. Após esses 10 meses, foi libertado sob fiança em Dezembro de 2011.

Durante a sua custódia na esquadra de polícia de Atenas, Dimitris desafiou os guarda-humanos e estes forçaram-no a estar de pé, durante 12 horas e com as mãos atadas atrás das costas as 24 horas do dia, mesmo na cela. Só conseguiu pôr-se em contato com um/a advogado/a a 2 de Maio. A 3 de Maio o compa também teria a audiência preliminar, com acusações frívolas contra si. Entretanto, Dimitris declarou-se em greve da fome e sede – em resposta às condições da sua detenção, exigindo a sua libertação imediata – que finalizou após três dias, depois de ser libertado.

Os  outros dois compas presos nesse dia, Yannis Naxakis e Grigoris Sarafoudis, mantêm-se detidos, à espera de novos interrogatórios, em Larisa.

Mais tarde, solidários/as confirmaram que quatro anarquistas  se encontram presos na prisão de Koridallos após as detenções no bairro de Nea Filadelfeia em 30 de abril de 2013: Argyris Ntalios e Fivos Harisis (procurado após o duplo assalto de Velventos, próximo de Kozani), assim como Yannis Naxakis e Grigoris Sarafoudis. Os quatro estão acusados formalmente com acusações de “organização terrorista” baseadas em amostras de ADN de diferentes casos de assaltos a bancos.

A direção da prisão dos compas em preventiva, são:

Fivos Harisis-Poulos – Argyris Ntalios Yannis Naxakis  Grigoris Sarafoudis
Dikastiki Filaki Koridallou, à Pteryga, 18110 Koridallos, Atenas, Grécia