Arquivo de etiquetas: Dimitris Politis

[Grécia] Sejamos todxs insurgentes, assaltantes e sabotadorxs

Solidariedade com todxs xs que estão submetidxs a julgamento pelos assaltos de Velventos

Em 2013, seis anarquistas foram detidos por duplo assalto na cidade de kozani, Velventos. Um ano mais tarde viram-se condenados a penas de prisão que variavam de 11 a 16 anos. No princípio de Março deu-se início ao seu julgamento de recurso, na prisão de Korydallos – onde têm sido mantidos reféns do Estado desde a sua detenção. A razão para certas pessoas serem perseguidas, espancadas e presas não se prende com o dinheiro que o banco irá perder, no caso ter sido bem sucedido o processamento do roubo. A verdadeira razão é o perigo que representaria para a autoridade se essa prática se espalhasse na sociedade – a de escolher sair e fazer por aí o que for possível para combater a opressão diária, a de encontrar os meios necessários para criar projetos de luta, a de ir contra o mundo dos ricos e poderosos, por via direta e autónoma. Não estamos a falar de assalto a bancos enquanto tal – que poderia também ser uma maneira alternativa de obter riqueza na mesma lógica capitalista, que está sempre a hipnotizar-nos, em todo o lado. Estamos a falar da escolha de agir – para aprofundar a aventura da revolta sempre em evolução – armados com ideias de liberdade e coragem.

Ou seja, é uma questão de vida. Queremos viver com a cabeça curvada, vendo sempre os nossos pés no chão desta tão amputada sociedade, pensando que esse é o horizonte? Ou queremos olhar à nossa volta, juntarmos-nos com muitxs ou poucxs para organizar o ataque contra o existente e tudo o que lhe dá ar para respirar? Nesse caso, é a nossa criatividade e imaginação que irá determinar o horizonte.

Solidariedade é luta.

Sejamos todxs insurgentes, assaltantes e sabotadorxs…

Próximas datas de julgamento: 23/3, 30/3, 11/4 & 27/4

inglês l grego

Atenas: Dimitris Politis, em greve de fome desde 16/3, presentemente hospitalizado

A 14 de Abril, o prisioneiro anarquista Dimitris Politis, participante na Rede de Lutadores Presos (DAK), foi transferido da prisão de Koridallos para o hospital de Evangelismos, em Atenas.

O companheiro perdeu até agora 13% do seu peso corporal inicial. Recordamos que há 4 meses Dimitris Politis levou a cabo outra greve de fome, em solidariedade com a luta de Nikos Romanos não tendo recuperado ainda os quilos que perdeu durante esta mobilização.

FORÇA AO ANARQUISTA DIMITRIS POLITIS
PARTICIPANTE DA REDE DE LUTADORES PRESOS

Prisões Gregas: Dimitris Politis e Andreas-Dimitris Bourzoukos juntam-se à greve de fome da DAK

[…]

A partir de hoje, 16 de Março de 2015, iniciámos nós também uma greve de fome, pondo os nossos corpos como barricada frente à política repressiva do estado, posicionando-nos ao lado dos nossos compas que estão em luta há 2 semanas.

Exigimos o cumprimento das exigências que pusemos como Rede de Lutadores Presos (DAK), ou seja:

– o artigo 187

– o artigo 187A

– a agravante de acção realizada com as características faciais cobertas (“lei da capucha”)

– o marco legal que define o funcionamento das prisões tipo C.

E delimitando o processamento e uso de material genético. Exigimos, concretamente:

– a abolição da ordem do ministério público com que se impõe a colheita violenta de amostras de ADN.

– que xs peritos biólogxs de confiança dx acusadx tenham acesso e possam analisar as amostras de ADN, se x acusadx o desejar.

– a abolição da análise de amostras que contêm mistura de material genético de mais de duas pessoas.

Também exigimos a libertação imediata de Savvas Xiros para que possa receber o tratamento médico que necessita.

FORÇA A TODXS XS GREVISTAS DE FOME
CUMPRIMENTO IMEDIATO DE TODAS AS EXIGÊNCIAS

Dimitris Politis
Andreas-Dimitris Bourzoukos

Atenas: Comunicado de fim da ocupação do centro cultural “Melina”

-

Hoje, 12 de Dezembro de 2014, damos fim à ocupação do Centro Cultural “Melina”, em Thisio. A ocupação teve como objectivo apoiar a greve de fome de Nikos Romanos [finalizada a 10/12] e funcionar como ponto de encontro de pessoas solidárias pela agudização da guerra social.

Com as forças que tínhamos, tomámos nós também posição junto ao compa, e apesar da diferente valorização que temos sobre o resultado desta batalha, continuamos a defendê-lo como preso anarquista e continuamos a lutar pela destruição total do sistema de encerramento.

Deixamos o espaço, prometendo que nos encontraremos de novo nas ruas da luta e da insurreição. Nenhum Dezembro foi terminado alguma vez.

Força a Nikos Romanos e aos presos em greve de fome solidária. Nenhum processo contra xs detidxs do 6 de Dezembro.

Solidariedade com xs refugiadxs da Síria.

Libertação imediata do compa G.S. em greve de fome desde 3 de Dezembro.

NEM BRACELETES, NEM VÍDEO-CONFERÊNCIAS
AS PRISÕES DESTROEM-SE COM LUTAS VIOLENTAS

Anarquistas

De Hamburgo a Atenas: Ação em solidariedade com Nikos e Alexis

parc-fiction-2
Solidariedade com NIKOS ROMANOS em greve da fome desde 10/11 – Que a terra te seja leve ALEXIS 06/12/2008

parc-fiction-1Em 06.12.2014 colocámos no Park Fiction (Hamburgo / St. Pauli) uma faixa solidária por Alexis e Nikos. Saudamos Nikos e enviamos-lhe muita força e amor. Nikos encontra-se desde  10/11 em greve de fome, para que lhe sejam concedidas saídas educativas a uma universidade a partir da prisão. O seu pedido foi rejeitado a 02/12 pela segunda vez e Nikos encontra-se irredutível na sua luta. As nossas saudações e carinho vão também para os compas presos, Yannis Michailidis, Dimitris Politis e Andreas-Dimitris Bourzoukos, em greve de fome solidária com a sua luta. Esperamos que os nossos amigos não tenham de sufocar por um sopro de liberdade…

Alexis, não te esqueceremos! Estarás connosco sempre que tomarmos as ruas em rebelião, essas noites arderão por ti!

Nikos, aguenta, apesar de estamos separadxs por milhares de quilómetros estamos conectadxs. A tua luta inspirou, e roubou o sono dos protetores dessa ordem.

Mostremos-lhes solidariedade, organizemos protestos e ações em cada cidade!

“Nada está acabado, tudo começa agora”

Atenas: Comunicado da ocupação do Centro Cultural Melina, no bairro de Thissio

melina0
“O estado de direito assassina. Solidariedade com Nikos Romanos e os demais compas em greve de fome”

Hoje, 6 de Dezembro de 2014, ocupámos o Centro Cultural Melina, no cruzamento das ruas Irakleidon 66 e Thesalonikis, no bairro de Thissio, em Atenas.

A ocupação foi feita em solidariedade com a luta em curso de Nikos Romanos, 6 anos após a morte de Alexandros Grigoropoulos.

O nosso objetivo é a continuação da escalada da ação anarquista multiforme. Apoiamos todas as iniciativas que contribuam para a agudização da guerra social.

Vitória para a luta dos grevistas de fome Nikos Romanos, Yannis Michailidis, Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis.

Força ao compa G.S. que [na prisão] de Mesolongi, está em greve de fome solidária desde 3 de Dezembro de 2014.

Apoiamos a luta dxs refugiadxs da Syria.

Um punho levantado para xs presxs nas prisões gregas que se negam a entrar nas suas celas, ou que se abstêm da comida da prisão ou que estão em greve de fome simbólica, em solidariedade com o anarquista Nikos Romanos.

FOGO ÀS FRONTEIRAS – FOGO ÀS PRISÕES

NEM ESQUECIMENTO – NEM PERDÃO

Ps: Encontrar-nos-emos nas ruas, nas barricadas, nas ocupações.

Atenas: 2° comunicado da assembleia de ocupação da GSEE

22:18 de 4/12/2014

SOLIDARIEDADE COM NIKOS ROMANOS, ANARQUISTA EM GREVE DE FOME

O edifício da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos (GSEE) está ocupado, desde as 19:00 de hoje, por anarquistas solidárixs con Nikos Romanos, anarquista em greve de fome desde 10 de Novembro. Ao fim de uma hora, forças repressivas rodearam o edifício que neste momento se encontra bloqueado.

É óbvio que as forças repressivas aplicam as ordens do governo, procurando prevenir a criação de outro centro aberto de luta que se aplique a uma mais ampla planificação de ações solidárias com o anarquista em greve de fome Nikos Romanos e com os anarquistas em greve de fome solidária Yannis Michailidis, Antreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis.

No pasarán!

A assembleia de ocupação da GSEE decidiu que permanecerá dentro do edifício, qualquer que seja o bloqueio e unir a sua voz à do companheiro Nikos Romanos.

FORÇA AOS ANARQUISTAS EM GREVE DE FOME
VITÓRIA PARA A LUTA DE NIKOS ROMANOS

Grécia: Ocupada a direção do Instituto Tecnológico de Atenas

powerA 4 de Dezembro de 2014, às 8 horas da manhã, ocupámos o edifício da direção do Instituto Tecnológico de Atenas, como demonstração de solidariedade com o anarquista em greve de fome Nikos Romanos bem como com os anarquistas Yannis Michailidis, Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis, que se encontram em greve de fome solidária com a sua luta.

Enquanto nos reprimirem, lutaremos!
Solidárixs

Grécia: Resumo da manif solidária com Nikos Romanos em Mytilini

rageNa quarta-feira, 3 de Dezembro foi realizada na cidade de Mytilini, na ilha de Lesbos, uma manifestação espontânea, em solidariedade com os grevistas de fome Nikos Romanos, Yannis Michailidis, Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis, envolvendo perto de 100 pessoas. Após o fim da manifestação foi estilhaçada a fachada do Banco do Pireu, na rua Kavetsou, bem como a fachada do edifício onde fica a sede dos nazis do Amanhecer Dourado. Para além disso foram levantadas barricadas a arder nas proximidades da universidade.

De Mytilini a Velventos, liberdade a Nikos Romanos!

Atenas: Carta do grevista de fome Yannis Michailidis, no hospital (4/12)

venceremosO companheiro Yannis Michailidis encontra-se em greve de fome desde  17 de Novembro, como forma de solidariedade com o seu companheiro e irmão Nikos Romanos. Atualmente Yannis encontra-se internado sob forte escolta policial no hospital Tzaneio, no Pireu. Segue-se a tradução da sua carta mais recente (4 de Dezembro):

Escrevo estas linhas para expressar a emoção que me provocou a ampla e multiforme mobilização solidária realizada pelxs companheirxs, fora dos muros. Essa mobilização está a superar todas as minhas expectativas, tanto a nível de tamanho, de criatividade, de organização – coordenação como em persistência e agressividade, com ocupações de edifícios estatais e capitalistas de importância crucial, de canais de televisão e rádios, com concentrações e marchas organizadas em quase todas as grandes cidades do território, com ataques às forças repressivas e ataques guerrilheiros de todo o tipo. Porque é o que vence a saudade na minha cela e me faz sorrir, porque na noite de terça-feira não estava preso, encontrava-me entre vocês e sentia o calor das barricadas a arder.Porque seja qual for o resultado, a mera existência desta frente de luta é uma vitória em si mesma, tanto pela sua perspectiva imediata como pelo legado que deixa.

Sei muito bem que xs milhares de companheirxs que se implicaram nesta batalha – iniciada por Nikos – com muitas preocupações mas também com muita determinação, possuem enormes diferenças nas suas percepções e práticas de luta, tanto entre elxs, como também connosco. Mas através da diversidade floresce o crescimento. É este, exactamente, o significado da solidariedade anarquista, conecta sem identificar, une sem homogeneizar. E quando está orientada à ação funciona.

Quando os meios de engano massivo exclamam já que existe um problema de segurança nacional enquanto durar a greve de fome, dou-me conta de que não há luta perdida – o vazio deixado pelos pensamentos destroçados do desespero, provocado pela inércia prolongada da condição asfixiante da prisão, cobre-se de significado outra vez –   a insurreição está sempre a tempo.

Os nossos sonhos serão os seus pesadelos.

A anarquia combativa despertou e ruge.

Nada acabou, tudo começa agora.

SOLIDARIEDADE COM XS DETIDXS DO 2 DE DEZEMBRO

Para Nikos: Aguenta irmão, Fodestes-lhes muito bem a festa, até ao momento. Tu não te rendas, assim serão elxs os que não aguentarão mais . Ficarei a teu lado até à vitória final.

Para Athanasiou, ministro da justiça: Tenho muita fome. Se assassinares Nikos, a única coisa que poderá satisfazer a minha fome é o teu pescoço.

Yannis Michailidis

Grécia: Ocupada a prefeitura de Rethimno, em solidariedade com Nikos Romanos

rethimno
Foto da manif solidária de 2/12/2014

Desde as 7 da manhã do dia de hoje, 4/12/2014, a prefeitura da cidade de Rethimno, na ilha de Creta, foi ocupada por solidárixs com a luta do anarquista preso Nikos Romanos. À volta da prefeitura havia muita polícia secreta e registaram-se algumas escaramuças. Segue-se a tradução do primeiro comunicado dxs ocupantes (falta o poema de Nazim Hikmet que citam no princípio):

[…]

Pela minha parte continuo, ultrapassando qualquer possibilidade de dar um passo atrás e responderei com LUTA ATÉ À VITÓRIA, OU LUTA ATÉ À MORTE.

Em todo o caso, se o Estado me assassinar com a sua atitude, o senhor Athanasiou e os seus amigos ficarão para sempre na história como um gang de assassinos, instigadores morais da tortura e assassinato de um preso politico. Esperemos apenas que existam aqueles espíritos livres que ajusticem à sua maneira o justo da sua justiça.

Concluindo, quero enviar a minha cumplicidade e amizade a todxs aquelxs que se têm posto do meu lado, de todas as formas e com todos os meios possíveis.

Por fim, algumas palavras para os meus irmãos: Yannis, que também está hospitalizado, Andreas, Dimitris e muitos outros. A luta também tem perdas, já que, no caminho de uma vida digna, temos de ir de mão dada com a morte, pondo tudo em xeque para tudo ganhar. A luta continua, com o punho contra a faca, uma e outra vez.

Tudo por tudo!

Nikos Romanos (3/12/2014)

Na quinta-feira, 4 de Dezembro de 2014, ocupamos o edifício da prefeitura de Rethimno, como mostra de solidariedade com o compa Nikos Romanos, que desde 10 de Novembro está em greve de fome, colocando a sua vida como barricada para exigir assaídas educativas da prisão a que tem direito. A sua saúde encontra-se em perigo imediato.

A vingança do Estado contra Nikos Romanos não é por acaso. Tem a ver com a irredutível defesa  dos seus valores e decisões políticas contra o sistema da barbárie capitalista.

Em greve de fome solidária com a sua luta estão também os seus compas do caso de Kozani, Yannis Michailidis, Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis.

Apelamos a todas as pessoas em luta para que tomem todas as iniciativas necessárias para a vitória do grevista de fome Nikos Romanos.

Apoiemos a ocupação da cidade de Rethimno.

Satisfação imediata da exigência de Nikos Romanos!

Atenas: Comunicado do compa Nikos Romanos a partir do hospital (3/12)

thessaloniki
Solidariedade com o anarquista N.Romanos, em greve de fome desde 10/11

A dançar com a morte há 24 dias.

Tento capturar num bocado de papel os últimos resquícios de pensamento estruturado, após os recentes desenvolvimentos e a nova rejeição das saídas educativas da prisão.

Desde os primeiros dias de greve que disse, na minha intervenção na assembleia solidária que teve lugar na Escola Politécnica, que a resposta negativa de Nikopoulos, que há muito afirmava não ser competente para decidir sobre tal, nada mais é do que uma estratégia do Estado cujo objectivo último é a minha exterminação. Esta análise politica foi absolutamente confirmada.

Primeiro, com o mandato para a minha alimentação forçada, da procuradora da prisão de Koridallos, Evangelia Marsioni – um acto que constitui uma verdadeira violação e que levou à morte de Holger Meins, na Alemanha, e de membros do GRAPO, em Espanha. Os médicos do hospital tiveram a dignidade de atirar ao lixo essa ordem do tribunal, negando-se a executar tal crime de Estado.

Em seguida quando o meu apelo foi rejeitado – tendo como fundamento o facto de terem de respeitar a decisão de Nikopoulos que é exatamente a mesma decisão contra a qual eu apresentei o apelo – num conselho judicial fora da prisão (um movimento legal que muitxs prisioneirxs escolhem, quando o conselho da prisão rejeita os seus pedidos).

Para todos aqueles com um mínimo de percepção politica, a intervenção do Ministério da Justiça. um dia antes da realização do conselho, foi uma ordem clara para a rejeição do apelo, tal como passarei a explicar:

O anúncio publicado pelo Ministério da Justiça menciona, ainda que de forma indirecta, que Athanasiou, Ministro da Justiça, não é competente para decidir a respeito, podendo ainda ler-se depois, no mesmo documento, que: “As saídas educativas são providenciadas exclusivamente pelo conselho da prisão, presidido pelo procurador, enquanto que para os imputados é necessária a aprovação do órgão judicial que ordenou a sua detenção temporária”.

Ou seja, a validade do meu apelo, nesse tribunal, foi anulada pelo Ministro, é tão simples quanto isto. Tudo isso mascarado com a proposta vazia de cursos de ensino à distância, por vídeo-conferência, em vez de saídas educativas, coisa que não é razoável, já que a presença física em certas aulas é obrigatória. Também levará à abolição total das saídas educativas, já que a solução da videoconferência será imposta a todos os presos.

Seguindo a mesma lógica, em breve, por motivos de segurança, só poderemos ver os nossos familiares através de ecrãs, nas horas de visita, o mesmo se passará nos tribunais. A tecnologia ao serviço da “correcção” e da justiça. Progresso humano ou processo de fascistização da sociedade… a História julgará.

Aqui, convém também mencionar o papel do juiz especial Eftichis Nikopoulos, que desde o meu primeiro dia em greve de fome assumiu claramente as ordens dos seus superiores políticos no Ministério da Justiça, o que explica o porquê de todos lhe atirarem as culpas. Como compensação por essa tarefa ele irá, mais cedo ou mais tarde, ser promovido ao tribunal supremo de Areios Pagos, exactamente o que aconteceu com Dimitris Mokas, que tinha liderado dezenas de campanhas repressivas anti-anarquistas. Ele goza agora o salário volumoso das élites judiciais de Areios Pagos. Casualidade? Não acredito.

Pela minha parte continuo, ultrapassando qualquer possibilidade de dar um passo atrás e responderei com LUTA ATÉ À VITÓRIA, OU LUTA ATÉ À MORTE.

Em todo o caso, se o Estado me assassinar com a sua atitude, o senhor Athanasiou e os seus amigos ficarão para sempre na história como um gang de assassinos, instigadores morais da tortura e assassinato de um preso politico. Esperemos apenas que existam aqueles espíritos livres que ajusticem à sua maneira o justo da sua justiça.

Concluindo, quero enviar a minha cumplicidade e amizade a todxs aquelxs que se têm posto do meu lado, de todas as formas e com todos os meios possíveis.

Por fim, algumas palavras para os meus irmãos: Yannis, que também está hospitalizado, Andreas, Dimitris e muitos outros. A luta também tem perdas, já que, no caminho de uma vida digna, temos de ir de mão dada com a morte, pondo tudo em xeque para tudo ganhar. A luta continua, com o punho contra a faca, uma e outra vez.

Tudo por tudo!

Enquanto vivamos e respiremos que viva a anarquia!

A 6 de Dezembro o nosso encontro é nas ruas da raiva!

Os meus pensamentos vaguearão pelas ruas de sempre.

Porque vale a pena viver por um sonho, mesmo que o seu fogo te queime.

E como nós costumamos dizer, força!

Nikos Romanos

Ps. Obviamente, não posso controlar os automatismos sociais que se produzirão. No entanto, aos membros do Syriza e aos demais comerciantes da esperança que aqui vieram, pu-los fora, SEM DIÁLOGO, e sublinho que já afirmei oficialmente a minha negação de receber qualquer tipo de soro.

tradução recolhida do pt.indymedia e revisada a partir do grego

Londres: Solidariedade incendiária com os grevistas de fome na Grécia

(A)Anarquistas em ação incendiamos hoje, 3 de Dezembro de 2014, um veículo de segurança em Londres, em solidariedade com xs nossxs irmãos Nikos Romanos, Yannis Michailidis, Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis, em greve de fome, em Atenas.

“Naquela noite, com o olhar cravado no horizonte, vimos muitas estrelas a cair, traçando os seus caóticos caminhos. E nós contávamos e voltávamos a contar, pedíamos desejos, calculávamos as possibilidades. Sabíamos que a nossa determinação por uma vida livre tinha de passar por cima de tudo o que nos oprime, nos mata, nos destrói, por isso nos atirámos ao vazio, tal como as estrelas que víamos cair. Desde então, infinitas estrelas caíram já, talvez tenha chegado a hora da nossa também cair, quem sabe. Se tivéssemos prontas as respostas não seriamos o que somos mas uns cabrões interesseiros que ensinam às pessoas formas de serem roedores e que se comem entre si, como já fazem. Pelo menos continuamos a ser acutilantes e teimosos, como todxs xs outrxs da mesma massa que nós. E aquelxs de nós que cerraram os olhos com dor e foram para longe, permanecem com o olhar pregado aquele céu noturmo que nós olhávamos também. E vêm-nos a cair, estrelas belas e brilhantes. Agora chegou a nossa vez, agora caíremos sem vacilar.”

Saudamos xs nossxs companheirxs da F.A.I  Tochas na noite – Frente de Libertação da Terra

SOLIDARIEDADE SIGNIFICA ATAQUE!

FAI – Fogos no horizonte – Nikos Romanos

Atenas: Segundo comunicado da Assembleia de Ocupação da Politécnica – 2/12

2.12.2014-exarchia

Hoje, 2 de Dezembro de 2014, realizou-se uma marcha em solidariedade com o companheiro anarquista Nikos Romanos, em greve de fome desde 10 de Novembro, para que seja cumprida a sua exigência de concessão de saídas educativas da prisão. A marcha foi formada por milhares de pessoas e parte desta dirigiu-se à Escola Politécnica Ocupada.

Para nós, o terreno ocupado da Politécnica não tem qualquer valor em si mesmo, mas é uma peça mais no mosaico de dignidade e resistência contra todxs xs que querem uma sociedade-cemitério. É um ponto de resistência ao totalitarismo contemporâneo que se expande sobre as nossas vidas, desde os anarquistas em greve de fome e das prisões de alta segurança, até axs refugiadxs da Síria, em greve de fome na praça de Sintagma, e a todxs xs que lutam em todo o mundo pela dignidade e pela liberdade.

Convocamos todas as pessoas em luta a que tomem todas as iniciativas necessárias pela vitória do grevista de fome Nikos Romanos. Das ocupações de faculdades, até ao bloqueio da produção. Da rotura do silêncio mediático imposto, até aos ataques aos guardiões da ordem.

Posicionemo-nos à altura dos tempos em que vivemos contra a repressão estatal, contra as lógicas que nos querem espectadores e votantes passivos. Solidariedade inegociável com Nikos Romanos, em greve de fome desde 10/11 e com os compas presos em greve solidária, Yannis Michailidis (desde 17/11), e Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis (ambos, desde 1/12).

Libertação imediata dxs detidxs dos confrontos de 2 de Dezembro
Ocupação até à vitória da luta de Nikos Romanos

Assembleia de Ocupação da Politécnica
Atenas, 2/12/2014

Atenas: Crónica da manif solidária com Nikos Romanos e do que se seguiu

2nd-dec-2014-athens
Bairro de Exarchia
koletti
Noite de luta no bairro de Exarchia

stournari

Segue-se a tradução da crónica da manifestação de ontem, 2 de Dezembro de 2014, em solidariedade com Nikos Romanos e que desembocou em fortes distúrbios. Todas as atualizações provêm diretamente de compas nas ruas (não de mass merda nem das chamadas redes sociais). Publicaremos, depois, o segundo comunicado da Assembleia de Ocupação da Politécnica e daremos mais informações sobre as mobilizações de hoje, 3 de Dezembro, e também sobre o estado dxs detidxs e feridxs

/ 02:00
Da Politécnica ocupada surge a informação de que 4 dxs detidxs da jornada foram já postos em liberdade, mas muitos ainda se encontram nos calabouços, várixs delxs feridxs, (pelo menos dois com lesões graves)

/ 01:45 (madrugada de quarta-feira, 3 de Novembro)
a ocupação da Politécnica mantém-se, consegue-se chegar lá com cuidado. A polícia retirou-se do lugar há algum tempo (antes da meia-noite)

montou-se um centro de contra-informação na Politécnica ocupada e, em breve, sairá um comunicado

ao mesmo tempo, sensivelmente, notava-se a presença de esquadrões de anti-motim na Praça de Omonoia

/ 23:50
um esquadrão MAT retira para a sede do PASOK, a partir da rua Valtetsiou, e outro  toma a mesma direção a partir da rua Arachovis

/ 23:15
dentro da Politécnica ocupada  encontram-se (barricadas) cerca de 500 pessoas, entre elas muitxs jovens

agora há assembleia, durante a qual um companheiro de Rémi Fraisse, manifestante assassinado em França, transmite uma mensagem de força e de  solidariedade com a luta de Nikos Romanos e dos demais anarquistas em greve de fome.

presente está também o pai de Nikos Romanos, que antes confirmou que a solicitação do compa em greve de fome pela concessão de saídas educativas da prisão foi recusada pelas autoridades

fora da Politécnica concentram-se por todos os lados forças repressivas
/ 22:30
esquadrões de anti-motins tomaram o controle da praça de Exarchia

a rua Patission está cortada, a partir do cruzamento com a rua Ioulianou, completamente cheia de forças MAT. Esquadrões de anti-motins alinharam também na Stournari.

a Politécnica está bloqueada

/ 21:30
confrontos de manifestantes com anti-motins na rua Solomou

cerca de 15 bastardos dos DELTA estão à espreita no cruzamento da Spyrou Trikoupi com a Solomou

a esquina da Stournari com a Patission está bloqueada pela polícia e pelos bombeiros

/ 21:20
continuam os confrontos com a bófia, sobretudo na rua Stournari, diante da Politécnica ocupada

arremesso de pedras, molotovs, etc. a zona está cheia de gases

o autocarro na rua Stournari está quase completamente queimado (foi incendiado há pouco)

/ 21:10
as pessoas correm da praça de Exarchia até à rua Tsamadou

/ 21:00
um esquadrão MAT move-se da rua Valtetsiou para a praça de Exarchia

/ 20:50
xs manifestantes trazem um autocarro na rua Stournari, na direção da Patision

contentores voltados no cruzamento das ruas Arachovis e Benaki, o mesmo na esquina da Themistokleous com a Tzavela

no meio da rua Koletti há carros incendiados e ao lado posicionou-se um esquadrão MAT

/ 20:45
Muita gente a reunir-se na Politécnica, que desde ontem à tarde está ocupada

contentores voltados na rua Benaki, contentores incendiados na esquina da Stoyrnari com a Bouboulinas, barricada montada com madeira e contentores na esquina da Stournari com a Zaimi, fogos na rua Zoodochou Pigis (próximo da rua Solonos)

/ 20:40
a marcha terminou há pouco nos Propileos

muita gente a dirigir-se para o bairro de Exarchia

voltaram-se carros no cruzamento das ruas Charilaou Trikoupi e Solonos, já se arrastaram contentores para fazer barricadas na rua Navarinou

a bófia  na rua Charilaou Trikoupi parece que estão prontos para intervir (alguns foram vistos com máscaras antigás)

a noite ainda não acabou

/ 20:00
xs solidárixs não se cansam de gritar

a parte dianteira da manifestação está na praça Syntagma, na esquina com Erou (a parte traseira, na rua Stadio, não se pode ver, devido ao tamanho da manifestação)

esquadrões MAT, visíveis na rua Vasileos Georgiou

/ 19:30
forças de MAT na praça Kotzia (onde esteve a concentração) ocupando ambos os lados da rua

a rua Athinas está repleta de gente

fizeram-se umas paragens no caminho, é costume a manif avançar mais depressa ao virar na praça Omonoia

se grita con fuerza: “la pasión por la libertad es más fuerte que todas las celdas”

/ 19:05
começa a marcha, com palavras de ordem gritadas fortemente

há pelo menos 4.000 pessoas (juntamente com blocos esquerdistas)

no momento não se descortinam esquadrõess anti-motim MAT

Numa das faixas anarquistas pode ler-se: “Respirar fundo, até à morte do Estado e do Capital”

/ 18:30
cerca de 1.500 manifestantes até ao momento, segundo a primeira estimativa

unidades de policía motorizada DELTA a los alrededores

/ 18:20 (2 de Novembro)
muitxs manifestantes na rua de Monastiraki e continua a reunir-se mais pessoas

na rua Eolou (uma das principais vias de acesso à manifestação) não havia polícia, embora se tivessem posicionado forças repressivas na rua Sofokleous

espanhol  mais (inglês)

Atenas: Primeiro comunicado da Assembleia de Ocupação da Politécnica – 1/12/2014

Ocupa-se a Escola Politécnica em Exarchia, a partir de 1 de Dezembro de 2014, para que esta constitua um ponto mais da solidariedade e militância na luta, ao lado do anarquista Nikos Romanos – em greve de fome desde 10 de Novembro de 2014 – e também dos compas em greve de fome solidária com ele, Yannis Michailidis (desde 17/11) e Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis (estes dois desde 1/12).

Nas mãos do Estado desde 1 de Fevereiro de 2013, Nikos Romanos encontra-se cativo por uma  dupla expropriação: a de um banco e a dos Correios na localidade de Velventos, em Kozani. A sua ação faz parte da luta anarquista polimorfa contra todos os responsáveis pelo saqueio que o Estado e o Capital impõem à sociedade em geral.

As opções políticas de Nikos Romanos e a sua militância na luta são uma continuação da revolta de Dezembro de 2008. Está a lutar por um mundo sem autoridade, exploração ou patrões. A luta dos grevistas de fome encarcerados, por um sopro de liberdade, contra a barbárie do confinamento e a agudização da repressão penitenciária – interrupção e negação de saídas da prisão, generalização do regime de isolamento, prisões de tipo C – encontra-se lado a lado com a luta de cada explorado contra a repressão e a pilhagem da sua vida.

A ocupação busca dar ao terreno libertado da Politécnica as características de um centro de luta aberto, massivo e combativo, em paralelo com todos os outros lugares onde se desenrola a luta pelo cumprimento da exigência de Nikos Romanos (concessão das saídas educativas da prisão) assim como na direção da libertação social.

ÀS RUAS DA REVOLTA

SOLIDARIEDADE COM OS LUTADORES – GREVISTAS DE FOME

VITÓRIA PARA A LUTA DE NIKOS ROMANOS

Assembleia de Ocupação da Politécnica
1/12/2014

Atenas: Ataques incendiários a caixas automáticos em solidariedade com Nikos Romanos

Na noite de domingo, 30 de Novembro de 2014, incendiamos 5 caixas automáticos, como gesto mínimo de solidariedade com o anarquista Nikos Romanos, em greve de fome desde 10 de Novembro:

– Um do Banco Nacional na rua Aghias Sofias, no bairro de Vyronas

– Um do Alphabank  no cruzamento das ruas Karaoli e Dimitriou, no bairro de Vyronas

– Um do Banco Nacional na praça Varnava, no bairro de Pagrati

– Um do Banco Nacional na rua Formionos, no bairro de Pagrati

– Um do Alphabank no bairro de Kaisariani

Isto foi só um aviso. Em caso de não cumprimento da exigência do nosso compa todos vós entrareis no ponto de mira.
A luta continua.

Força aos grevistas de fome Nikos Romanos, Yannis Michailids, Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis.

Anarquistas

Atenas: Resumo das concentrações solidárias com Nikos Romanos e Yannis Michailidis

gennimatas

Éramos mais de 200 as pessoas que nos reunimos na tarde de 30 de Novembro nos Propileos, no centro de Atenas, para nos dirigirmos a seguir em motos, na terceira concentração consecutiva pelo grevista de fome Nikos Romanos, junto ao hospital Gennimatas, onde se encontra internado. A manif motorizada passou da praça Syntagma, onde estão acampadas famílias de refugiadxs da Síria, exigindo um estatuto de asilo real, que lhes permita trabalhar na Grécia, além de puderem viajar livremente fora do território controlado pelo Estado grego. A acolhida dxs refugiadxs foi um momento emotivo da manif.

Parámos em Syntagma durante uns minutos gritando palavras de ordem solidárias para logo continuamos no nosso itenerário, chegando pouco depois das 17:00 à estação de metro Ethniki Amyna, muito próximo do hospital Gennimatas. Esperavam-nos várias centenas de pessoas solidárias, para que fossemos todxs juntxs (éramos mais ou menos mil pessoas) até à parte traseira do hospital, onde podíamos ter contacto visual com o compa. Nikos, que está em greve de fome desde 10 de Novembro, manteve-se um pouco atrás das grades da janela, pedindo informações sobre o que se estava a passar fora do hospital, reafirmou a sua postura irredutível, aclarou que expulsou a delegação parlamentar do Syriza – que há uns dias apareceram no hospital para fazer o seu espectáculo – e perguntou pela saúde do seu irmão Yannis Michailidis, em greve de fome solidária desde 17 de Novembro.

Durante a concentração tivemos a oportunidade de comunicar a Nikos as ações de solidariedade incendiária que foram realizadas em Bristol, Reino Unido (veículos incendiados pel FAI – Tochas na noite – Frente de Libertação da Terra) e em Santiago do Chile (ação junto do campus Juan Gomes Millas a 26/11, e o autocarro incendiado a 28/11).

Desta vez a concentração durou menos tempo, para deixar descansar o compa e para os que quisessem irem ao hospital Tzaneio, no Pireu, onde está hospitalizado debaixo de custódia policial Yannis Michailidis. No final, junto ao hospital Tzaneio concentramo-nos cerca de 80 solidárixs. O compa encontra-se no 4º piso de um dos edifícios que é visível da parte baixa do hospital. Estava forte e de bom ânimo, respondendo às palavras de ordem com humor (“agora sinto-me como se tivesse comido” disse).

Entretanto, unidades de bófia motorizados DELTA começaram a provocar-nos, a uma distância de 10-15 metros da concentração, praticamente bloqueando-nos o acesso às motos com as quais a maioria de nós tinha chegado ao hospital (a merda das suas bravatas já a havíamos sofrido também antes, quando realizamos uma breve parada na Avenida Alexandras, no centro, na ida a Tzaneio). No final, saímos todxs juntxs, com os DELTA atrás de nós, até que entramos na auto-estrada e os cabrões deixaram de nos perseguir.
Outra coisa, para lá das concentrações de 30 de Novembro, a 1 de Dezembro companheirxs ocuparam a Escola Politécnica em Exarchia. Hoje, 2 de Dezembro, há marcha convocada a partir da Praça de Monastiraki, às 18:00 horas. A ver o que sai de tudo isto, se conseguimos transbordar os limites e ampliar a luta nas ruas, para que se generalizem os distúrbios.

FORÇA A NIKOS ROMANOS, YANNIS MICHAILIDIS, ANDREAS-DIMITRIS BOURZOUKOS E DIMITRIS POLITIS.

POR UM DEZEMBRO NEGRO

Prisões gregas: Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis entram em greve de fome solidária com Nikos Romanos

patAndreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis foram detidos, junto com Yannis Michailidis e Nikos Romanos, após o duplo assalto em Velventos de Kozani (ação pela qual foram condenados). Segue-se a tradução do comunicado dos dois compas, a partir das prisões de Koridallos:

Desde 10 de Novembro de 2014 que o amigo e companheiro Nikos Romanos está em greve de fome exigindo que lhe concedam as saídas educativas da prisão, às quais tem direito segundo as suas próprias leis. No entanto, a sua luta não pode de nenhum modo ser vista como algo separado das características políticas que o mesmo possui, nem entender-se como algo que não seja a necessidade da destruição total do sistema de repressão e de miséria total que, há séculos, domina as nossas vidas,  tal como nós o sentimos.

Não poderíamos ignorar o clima político mais amplo que predomina hoje em dia, a feroz repressão que o Estado e o Capital puseram em marcha contra qualquer tentativa de oposição à barbárie capitalista e ao ataque sem escrúpulos aos “parasitas” deste sistema económico. Agora, que o Estado prepara as prisões do tipo C para transferir para ali xs lutadorxs anarquistas e comunistas, assim como xs presxs insubmissxs, Nikos escolheu uma vez mais o caminho da resistência – procurando levantar uma barricada que sirva tanto para ele como para todxs nós também – para lutar contra a contenção que experimenta, a cada dia mais dura.

A 24 de Novembro foi transferido, por ordem de juíz, ao hospital Gennimatas. A sua transferência foi acompanhada de um documento do juíz das prisões de Koridallos que dizia, sem vergonha, que a responsabilidade pela saúde de Nikos está nas mãos dos médicos, incitando assim, de maneira indireta, para que o pessoal do hospital exerça a alimentação forçada. Apesar disto, e indiferentemente do que queiram as autoridades, a responsabilidade pelo que se possa passar em relação à saúde de Nikos  é do ministério de justiça, do juíz Eftichis Nikopoulos e do conselho da prisão.

Como mostra mínima de solidariedade, e tal como o companheiro Yannis Michailidis, entramos nós também em greve de fome, a partir de 1 de Dezembro de 2014, até que se cumpra a exigência de Nikos.

“Afinal de contas, a força com que o ser humano consegue tudo é apenas uma, uma só a firmeza e orientação clara do coração. Quem possua esta força não deveria permitir que o medo o possa dominar.” [Rainer Maria Rilke]

JUNTOS ATÉ AO FINAL, JUNTOS ATÉ À VITÓRIA

Andreas-Dimitris Bourzoukos
Dimitris Politis

Grécia: Solidariedade com os grevistas de fome a partir de Tebas

SOLIDARIEDADE COM OS PRESOS POLÍTICOS EM GREVE DE FOME
O AR CHEIRA JÁ A GASOLINA, MÂOS FORA DE NIKOS ROMANOS
SOLIDARIEDADE COM NIKOS ROMANOS, EM GREVE DE FOME DESDE 10/11

O mínimo que podemos fazer como mostra de solidariedade com os companheiros em greve de fome. Força, até à liberdade!

Anarquistas de Tebas

[Prisões gregas] Comunicado de 5 anarquistas presos, em solidariedade com a greve de fome de Nikos Romanos

horse“E aí está a necessidade de que sigamos em frente, derrubando todos os Vazios, inclusive se nos auto-destruirmos retirando força do que aconteça… Cada época tem a sua inquisição sagrada. O ‘vazio’ só existe enquanto não caíres lá dentr

Uma lufada de liberdade longe do betão da prisão

Algumas horas para que o olhar possa viajar sem chocar contra as grades.
Céu sem arame farpado. Passos que não necessitas contar. Movimentos harmonizados de maneira um pouco diferente.

A 10 de Novembro, o amigo e companheiro Nikos Romanos iniciou uma greve de fome exigindo um sopro de liberdade. Depois de ter entrado numa faculdade do Instituto de Educação Tecnológica de Atenas, apresentando-se a exames dentro da prisão, está a lutar para obter algo a que tem direito, segundo as suas próprias leis: as permissões educativas.

Pela nossa parte, posicionamos junto a Nikos e à sua luta, junto a cada acto que queira e que deva acompanhar o seu combate, junto a cada expressão da solidariedade ofensiva… Porque as estrellas que olhas saltando o vazio são as que transportam os nossos sonhos, os nossos desejos raivosos, os nossos sorrisos carregados de significado… Porque não mudamos por nada deste mundo uma vida ao limite…

Cumprimento imediato da exigência do compa Nikos Romanos pela concessão das permissões educativas.

Fivos Harisis
Argyris Ntalios
Andreas-Dimitris Bourzoukos
Yannis Michailidis
Dimitris Politis

Módulo D das prisões de Koridallos
13 de Novembro de 2014

Prisão de Koridallos, Atenas: Sentenças no caso do duplo assalto de Velventos

Na quarta-feira, 1 de Outubro de 2014, no tribunal especial dentro da prisão de Koridallos em Atenas, o aparelho judicial considerou os prisioneiros anarquistas Yannis Michailidis, Nikos Romanos, Andreas-Dimitris Bourzoukos e Dimitris Politis (que tinham assumido a responsabilidade política pelo duplo assalto à mão armada em Velventos, Kozani, a 1 de Fevereiro de 2013), bem como Fivos Harisis e Argyris Ntalios (que haviam negado todas as acusações) culpados de:

– Cometerem assalto com a cara tapada ou disfarçados (excepto Dimitris Politis, que foi condenado como cúmplice),

– Posse agravada de armas de fogo (para as pistolas utilizadas na dupla expropriação),

– Roubo de veículo agravado (para o carro do dentista-refém usado como veículo de fuga).

As penas de prisão impostas aos seis companheiros são:

Yannis Michailidis: 16 anos, 4 meses e 10 dias.

Nikos Romanos: 15 anos e 10 meses.

Andreas-Dimitris Bourzoukos, Fivos Harisis, Argyris Ntalios: 15 anos e 11 meses.

Dimitris Politis: 11 anos e 5 meses.

Por último, como proposto anteriormente pelo Ministério Público, o tribunal absolveu todos os acusados do suposto envolvimento com o grupo de guerrilha urbana Conspiração de Células de Fogo, CCF. No entanto, existe outro julgamento em curso com processos judiciais que incluem exactamente a mesma acusação contra os companheiros anarquistas.

A solidariedade é multiforme!

Tessalónica, Grécia: Ataque com tinta a agência bancária

Na manhã do dia 3 de Fevereiro, um grupo de compas realizou uma intervenção simbólica, jogando tinta nos dois caixas eletrónicos e na fachada do Banco Nacional, situado na rua Egnatia, no centro da cidade de Tessalónica. Esta foi uma mostra mínima de solidariedade para com os anarquistas Dimitris Politis, Grigoris Sarafoudis, Argyris Ntalios, Fivos Harisis, e Yannis Michailidis, que estão a ser julgados, neste mesmo dia, pelo caso do assalto em Filotas.

Força compas!

Atenas: Atualização sobre os membros da CCF da prisão de homens de Koridallos

wHoje, 20 de Janeiro de 2014, 6 compas da Conspiração foram chamados a comparecer perante a promotora da prisão que lhes impôs uma sanção disciplinar depois de presos do módulo D terem publicado um texto que os** apontava como responsáveis do espancamento a outro preso, como lhes disse, e após os funcionários da prisão relatarem o incidente. A pena inclui um ano de sanção disciplinar por obstruir e imobilizar um guarda da prisão, e 30 pontos da prisão por agredir outro preso. É possível que haja uma continuação criminal do caso. Para qualquer coisa mais, informaremos.

Solidárixs com a Conspiração de Células de Fogo

Nota dos Tradutores:
* O titulo deste post, assim como os links, são nossxs.
** Tanto quanto sabemos, os 10 presos não nomearam explícitamente os 6 compas, como se pode ver aqui.

Prisões gregas (Koridallos): O prisioneiro anarquista Yannis Naxakis espancado e hospitalizado

Hoje, domingo 5/1 pelas 18.30, no exterior da asa A, o nosso companheiro anarquista Yannis Naxakis foi emboscado e espancado por, pelo menos, cinco membros da CCF que seguravam estacas. O companheiro foi transferido para um hospital fora da prisão.

Babis Tsilianidis
Yannis Michailidis
Tasos Theofilou
Dimitris Politis
Fivos Harisis
Argyris Ntalios
Giorgos Karagiannidis
Andreas-Dimitris Bourzoukos
Alexandros Mitroussias
Grigoris Sarafoudis