Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

Contra Info: Rede tradutora de contra-informação

Contra Info é uma rede internacional de contra-informação e tradução, uma infraestrutura mantida por anarquistas, anti-autoritárixs e libertárixs ativxs em diferentes partes do mundo. Ler mais »

$ão Paulo, Brasil: Ação direta contra o Porto Seco em Paranapiacaba

Comunicado recibido a 19/10/2018:

Na madrugada do dia 5 de Outubro, um explosivo foi abandonado na porta do prédio da Secretaria do Verde e Meio Ambiente de São Paulo. Às vésperas das eleições, aparentemente nenhum veículo da mídia corporativa ou órgão do governo noticiou este caso. Isto porque o medo imposto pela democracia ao longo de seu regime autoritário é seletivo, mas não o suficiente para atingir os núcleos da guerrilha urbana. Portanto, este comunicado procura esclarecer a finalidade deste ataque.

O processo civilizatório avança nos territórios dominados pelo estado brasileiro. Dessa vez, em Paranapiacaba, a empresa Fazenda Campo Grande pretende construir o Porto Seco, devastando a natureza selvagem e a vida animal naquele território originário. O responsável pelo projeto que irá desmatar 910 mil m2 de Mata Atlântica Nativa, o bastardo Jael Rawet, conta com o aparato do Estado para “integrar” os modais viário e ferroviário e assim aumentar seus lucros estimulando o transporte de cargas.

O território denominado como Vila de Paranapiacaba começou a ser devastado desde muito cedo. Ali se assentou violentamente toda uma importante infraestrutura econômica que ainda na metade do século XIX era fundamental para a indústria do café. A construção da antiga ferrovia ainda ativa foi banhada de sangue indígena e mais tarde apagada com histórias heróicas de europeus que pretensamente ocuparam essas regiões. A modernidade é assassina!

Hoje, para este tipo de edificação, os mesmos exploradores ocidentais de ontem, que invadiram as terras indígenas seguem destruindo-nas. Para certificá-los, o Estado favorece mecanismos que viabilizam seus negócios. A “Secretaria do Verde” é uma dessas estruturas responsáveis por concessões do tipo. Através delas, vermes como Rawet conseguem, através do sistema de licenciamentos ambientas, expandir suas indústrias em terras que não os pertence para finalmente continuar a colapsar o meio ambiente de forma ética e gestionada.

Se o colapso é iminente, então a ofensiva é permanente. Enquanto nós vivermos, seremos os caóticos desastres naturais em carne e osso. A única reivindicação deste comunicado para além do atentado é pela hostilidade contra a dominação; eis o antagonismo que o Estado pretende esconder.

Este foi apenas o primeiro ato entre outros a seguir. Não haverá paz para os inimigos da natureza selvagem sejam lá quais forem. Serão sempre responsáveis pela manutenção da ordem predatória juntamente à horda de obedientes que compõem a sociedade. Chega de passividade! O genocídio de populações indígenas e ribeirinhas não mais se esconderá confortavelmente na sombra do “progresso” e “desenvolvimento”, ideais defendidos em prol do funcionamento das máquinas por todos os políticos e secretários municipais sejam de esquerda, sejam de direita!

CONTRA O PORTO SECO EM PARANAPIACABA!
VIVA A GUERRILHA URBANA!

Anarquistas.

Brasil: Manifesto do NOS – Núcleo de Oposição ao Sistema sobre a ameaça do fascismo

Recibido em português a 19/10/2018, e em espanhol a 18/11/2018:

A todxs

O Estado Burguês chamado República Federativa do Brasil sempre foi um espaço estratégico para os interesses dos imperialismos, desde quando era colônia de Portugal. A declaração da “independência” em 1822 pelo filho do imperador português, a subsequente monarquia e o advento da República em 1889 em nada mudaram a situação. O fim da brutal ditadura militar de 1964-1985 legou os governos liberais de Collor e FHC de 1990 a 2002 e de frente popular do PT a partir de 2003. Estes últimos, governos de conciliação de classes com distribuição de algumas benesses e alguma renda à maioria da população com objetivo de inserir pobres no mercado de consumo, e concessões absurdas às classes dominantes, sobretudo ao setor financeiro. Nos 2 governos Lula, os bancos batiam recordes de lucratividade, e a burguesia ganhou fortunas. Vários grupos empresariais brasileiros viraram megacorporações, alguns transacionais. Ler mais »

Porto Alegre, Brasil: Faixas de memória e contra as prisões

Recibido a 19/11/2018:
Na segunda-feira, dia 12 de novembro de 2018, amanheceu no viaduto Tiradentes, na avenida Protásio Alves, uma faixa em memória dxs compannheirxs Kévin Garrido e Mikhail Zhlobitsky.

Na mesma manhã, na passarela que dá acesso à Rodoviária, uma faixa que mostra todo nosso repudio às grades surgiu também, mesmo tendo um objetivo mais simbólico. Sei que muitxs ficaram incomodadxs, chocadxs e quem sabe até alguns surpresxs e outrxs curiosxs.

Preparemos uma recepção à altura de um governo fascista, assim como faríamos com qualquer governo pois busquemos o fim das correntes e não uma corrente maior.

Enquanto não esquecermos de nossos compxs mortos e sequestradxs, nossa busca pela liberdade continuará.

Que viva a Anarquia!

Brasil: Faixa em um viaduto de Porto Alegre

Foto recibida junto com o texto e as notas em português e espanhol a 16/11/2018:

Na guerra social nenhum guerreirx está só. Faixa em um viaduto de Porto Alegre em cumplicidade com:
Anahí * Hugo * Nicolas * Kevin * Misha. Ke viva a anarkia.

– Segue em curso a guerra …
– Mas que guerra? Rapaz!
– Ora essa guerra latente e cotidiana, velada e explícita dos estados, suas leis, empresas, seus tribunais e forças repressivas, telejornais, mineradoras, agronegócios, proprietários, seu modo de vida imposto, toda sua rede de dominação.

Sempre houveram, sempre haverão aqueles que não baixam a cabeça e respondem frente a guerra que é imposta com toda energia, amor pela liberdade e inflamado ódio contra quem a toma de nós.

Mikhail Vasilievich Zhlobitsky, Misha, respondeu aos ataques das forças repressivas russas, a FSB (Serviço Federal de Segurança), inimiga por natureza dos anarquistas. Que ataques? Com a celebração da copa do mundo o estado russo botou em marcha uma tormenta repressiva contra anarquistas e antifascistas, prendendo, torturando inúmeros anarquistas de distintas regiões da Rússia. A FSB forjou a existência de uma organização terrorista anarquista fantasma obrigando anarquistas a assumir participação através de espancamentos e simulações de execução. Diante de uma tormenta que não passou com a copa do mundo e sua farra, Misha, foi visitar a sede da FSB em Arkhangelsk, norte da Rússia, no dia 31 de outubro, acompanhado de um artefato explosivo com acionamento imediato. No saguão de entrada se despediu da vida ferindo junto três agentes da FSB.

Kevin Garrido foi assassinado dentro da penitenciária Santiago 1, no dia 2 de novembro. Segundo a Gendarmeria (policia militar chilena) foi esfaqueado por outros presos. Kevin foi um sujeito indômito, hostil a dominação, foi perseguido pela polícia, acusado de responder a guerra imposta com guerra, foi preso, fugiu, foi recapturado, julgado, condenado, e em cativeiro, novamente, é assassinado sob custódia do estado chileno, ainda no seu funeral a policia apareceu para tentar agredir quem lhe dava uma última despedida.

Anahí Esperanza Salcedo não esqueceu que há 119 anos Ramón Falcón, chefe da policia argentina, organizou uma chacina contra um protesto do 1° de maio em 1909 em Buenos Aires, fato pelo qual foi morto por Simón Radowitzky, com 17 anos, jogou uma bomba na carruagem onde o tirano estava. Antes de ontem, 14 de novembro de 2018, perto das 17 horas, Anahí levou um explosivo até a monumental tumba desse tirano, para que a memória do assassino não fique na paz do sistema. Mas, o artefato detonou antes do tempo, e ela está ferida, hospitalizada e detida.

Hugo Alberto Rodriguez estava junto com Anahí na tumba de Falcón, naquela tarde. Com a coragem e o afeto daqueles que arriscam a vida e a liberdade agredindo o que agride, permaneceu com ela depois da detonação, ainda com as previsíveis conseqüências de ser detido.

Marcos Nicolás Viola foi detido, também no 14 de novembro de 2018, já pela noite, após ter jogado uma mochila com um artefato explosivo na casa do Juiz Claudio Bonadio. Esta “autoridade” é a encarregada do processo contra os 33 detidos pelos protestos no Congresso contra as reformas da previdência, em dezembro de 2017. Entre os detidos, estavam Pablo Giusto [1] e Diego Parodi [2], os quais receberam companhia e comida de Marcos Nicolás, quando estiveram seqüestrados. Marcos Nicolás, indignou-se contra aquele que, assinando um papel, engaiola a vida das pessoas que não se calam diante das agressões democráticas e reformistas.

– Segue em curso a guerra …
E existem aqueles que respondem à guerra com guerra!

No território controlado pelo estado argentino, os presidentes e líderes econômicos vão se reunir para tomar decisões sobre o mundo. Há quem diga que os dois ataques explosivos tem relação com o G20, reunião macabra que orientará as linhas da dominação, que ostenta segurança e consumismo, mas que saberá, também,  que pelo menos existem uns loucos que não permaneceram indiferentes à dominação e atacaram.

Que a fera não consiga quebrar a gaiola, que não consiga deter o carro, que morra no combate, ou que não ataque conforme às idéias dos “especialistas”, não pode desvalorizar o instinto fundamental de rosnar – não! e bater contra tudo o que oprime. A apatia frente esta guerra em curso é um caminho quase seguro à submissão. Quando a morte, a tortura, os abusos, não provoquem nada nos corações, saberemos que esses corações estão mortos. Quando os ataques contra a grande máquina da dominação não provoquem pelo menos um sorriso em nossos próximos, saberemos que estão perdendo a cumplicidade da rebeldia. Não manter-se conformado é um sinal saudável de disposição de defender a vida contra a dominação, seus tentáculos, valores, conceitos e imposições… E estamos tão vivos!!!!

É certo que “Na guerra social nenhum guerreirx está só”, nós inimigos de toda autoridade, amantes da liberdade, brotamos de toda terra, não obedecemos as fronteiras criadas pelas guerras dos estados, suas leis, empresas …  estamos tão vivos que não podemos fazer outra coisa que nos dispor a mandar um aceno para todos os que mostram uma genuína hostilidade contra a dominação.

[1] No protesto contra as reformas da previdência, que teve como característica principal a chuva de pedras contra os agentes da ordem, ele foi identificado, detido e acusado de ter jogado pedras contra os policiais, e de ter jogado uma bicicleta e mostrado uma faca quando o identificaram para detê-lo. Foi solto no 28 de março do 2018.

[2] No mesmo protestos, ele foi identificado, detido e acusado de ter jogado uma bomba molotov contra um policial e obstaculizado a sessão do Congresso, ficou seqüestrado até  setembro de 2018.

[Indonésia] Julgamento dos prisioneiros anarquistas em Yogyakarta (atualização)

Informações recebidas a 9/11/2018, acerca dos prisioneiros anarquistas em Yogyakarta dizem-nos que se encontram bem, na medida do possível – o companheiro BV tem sentido falta de ar, começa agora a melhorar.

O processo dp julgamento vai ser muito longo, especialmente para o companheiro BV, AM e W.
Em relação aqueles cujas audiências foram realizadas a 8.11.2018, procedeu-se já à apresentação da sua defesa, tendo recebido antes as demandas do Ministério Público – uma pena no máximo de 10 meses – na audiência de 1.11.2018 no Tribunal Distrital de Sleman.

Atualmente encontram-se confinados na Prisão Cebongan em Sleman, aguardando a seguinte sessão de julgamento, com o veredicto marcado para 22.11.18.

Continuaremos a atualizar a informação assim que surjam novos desenvolvimentos.

ATÉ QUE TODOS SE ENCONTREM EM LIBERDADE!

Mais informação em Palanghitam.noblogs.org

Email: civilrebellion@riseup.net

em inglês l alemão

Melbourne, Austrália: Mural em memória de Mikhail Zhlobitsky

Recebido a 10/11/2018; sobre o caso de Mikhail Zhlobitsky clique aqui e ali.Narrm / Melbourne, na chamada Austrália: Mural-graffiti em memória de Mikhail Zhlobitsky anarquista-comunista de 17 anos de idade, de origem russa – que morreu durante um ataque explosivo contra a sede regional do FSB (Serviço de Segurança Federal) em Arkhangelsk, Rússia, em 31 de Outubro deste ano.

“Nunca esqueça xs nossxs companheirxs caídxs”

em inglês

Cacilhas, Portugal: O CCL precisa do teu apoio!

Recebido a 8.11.2018:

O Centro de Cultura Libertária, associação anarquista com 44 anos de actividade em Cacilhas-Almada, encontra-se novamente ameaçado.  A contínua pressão do negócio imobiliário, a alteração da lei das rendas e a gentrificação que impõem a saída de moradores dos lugares centrais das cidades, a destruição de espaços sem fins lucrativos ou o encerramento das lojas de bairro, atingem agora também o CCL.

O QUE É QUE SE PASSA?

Não é a primeira vez que a permanência do CCL na sua sede histórica é posta em causa. Entre 2009 e 2011 o Centro de Cultura Libertária resistiu contra um processo de despejo movido pelo senhorio. Apenas a solidariedade de muitos colectivos e indivíduos aqui e além fronteiras nos permitiu fazer frente aos custos do processo judicial, que acarretou dois julgamentos e um recurso. No final, chegámos a um acordo de aumento de renda que nos permitiu continuar no espaço sem alterações na duração do contrato. No entanto, em 2014, fruto das mudanças na lei das rendas a favor dos interesses dos proprietários, a duração do contrato do CCL passou para um prazo de cinco anos. Chegamos agora, no final de 2018, à altura em que, tal como vem acontecendo a milhares de inquilinos, a
continuação do arrendamento do nosso espaço ficará à mercê da vontade do proprietário e das condições que este nos quiser impor.

PORQUÊ APOIAR O CCL?

O CCL é um ateneu cultural anarquista fundado em 1974 por velhos militantes libertários que resistiram à ditadura, ocupando desde então o espaço arrendado no número 121 da Rua Cândido dos Reis, em Cacilhas. O Centro possui uma biblioteca e um arquivo únicos em Portugal, com documentos produzidos ao longo dos últimos cem anos, assim como uma distribuidora de cultura libertária. Tem sido um espaço fundamental para o anarquismo em Portugal acolhendo sucessivas gerações de libertários. Durante a sua existência, o Centro acolheu inúmeras actividades, tais como debates, encontros, círculos de leitura, sessões de vídeo, oficinas, jantares ou diversas oficinas de aprendizagem, e serviu de casa a muitos grupos e colectivos libertários. Diferentes publicações aqui se editaram, como a Voz Anarquista nos anos 70, a Antítese nos anos 80, o Boletim de Informações Anarquista nos anos 90 e a revista Húmus na primeira década deste século.

Enquanto associação anarquista, o funcionamento do CCL é horizontal e tem por base a assembleia de sócios, onde são tomadas as decisões e distribuídas as tarefas inerentes à vida da associação. A participação no CCL é sempre feita de forma voluntária, não-remunerada e sem fins lucrativos. As únicas fontes de financiamento são as quotas dos associados, as receitas da livraria e dos jantares e os donativos solidários.

QUE FUTURO PARA O CCL?

Não queremos que o Centro de Cultura Libertária acabe! Queremos que continue a existir enquanto associação libertária activa por muitos anos!

Mas neste momento o futuro do CCL está em aberto: pode passar pela permanência no mesmo local, pagando uma renda bem mais elevada, ou pela mudança para um novo espaço, onde procuraríamos ter melhores condições para as nossas actividades, mas onde as despesas serão também mais elevadas.

Em ambos os casos, e face às condições impostas pela actual bolha do mercado imobiliário, sabemos que vamos precisar de meios financeiros de que não dispomos. Por este motivo, vamos iniciar uma campanha de angariação de fundos, que incluirá um crowfunding, concertos, jantares e outras iniciativas.

Contamos com o teu apoio solidário para que juntos possamos garantir um futuro para o CCL.

Participa no crowdfunding: https://ppl.com.pt/causas/ccl

Dados da conta bancária do C.C.L. para donativos

Titular: CENTRO DE CULTURA LIBERTÁRIA
IBAN: PT50003501790000215493029
Banco: Caixa Geral de Depósitos

E-mail: ateneu2000@gmail.com
Correio postal: Apartado 40 / 2800-801 Almada – Portugal
Blog: http://culturalibertaria.blogspot.com

CENTRO DE CULTURA LIBERTÁRIA

em alemão

[Brasil] Lançado o fanzine “Quem morre lutando vive em cada companheiro: Pela memória do companheiro anarquista Santiago Maldonado”

recebido a 4.11.2018

Uma publicação lançada durante a realização da 4ta edição do Solidariedade a Flor da Pele.

em pdf aqui

[Brasil] Sai o zine “Solidariedade com Mauricio Norambuena: Um piscar de olho desde a anarquia”

recebido a 04.11.2018

Uma publicação saída durante a realização da 4ta edição do Solidariedade a Flor da Pele.

Para contatar xs editorxs (novo e-mail): aflordepele4[A]riseup.net

em pdf aqui

[Santiago do Chile] Assassinam na prisão o companheiro Kevin Garrido – semana de agitação em sua memória de 5 a 12/11

SEMANA DE AGITAÇÃO E PROPAGANDA EM MEMÓRIA DE KEVIN GARRIDO

Na manhã de 2 de novembro de 2018 foi assassinado, no interior da prisão concessionada Santiago 1, o companheiro Kevin Garrido. A primeira informação fala de uma possível luta, no entanto qualquer morte no interior das prisões constitui um assassinato cúmplice com as engrenagens carcerárias e as estatais.

DE 5 A 12 DE NOVEMBRO

PELA DESTRUIÇÃO DE TODAS AS PRISÕES

KEVIN GARRIDO PRESENTE!!!

N.T. O companheiro Kevin Garrido Fernández tinha sido acusado do ataque `à bomba frustrado contra as 12° comissariado da polícia (29/10/2015) e do atentado explosivo contra a Escola da Gendarmeria (19/11/2015) em Santiago. Além de posse de pólvora negra e arma branca.  Após 3 anos em prisão preventiva, a 5 de setembro (2018) foi condenado a um total de 17 anos de prisão. Encontra-se na Prisão Santiago 1 em Santiago, no momento do seu assassinato, no dia 1 de novembro.

FOGO E EXPLOSÕES EM TODAS AS PRISÕES!

Brasil: Das ruas de Porto Alegre


Um dia após as eleições, no novo regime, apareceram em Porto Alegre duas faixas que diziam:”Bolsonaro é fascista. Fascismo é morte. Insurreição já!” e “Há algo maior que a liberdade. É o ódio de quem a rouba de nós“.
Na nossa posição de rechaço à dominação, nada muda! a luta contra o autoritarismo só se acentua!
Pela expansão da revolta contra o novo tirano!!!

[Brasil] 9ª edição da Feira Anarquista de São Paulo com nova data (18/11)

Os organizadores da 9ª edição da Feira Anarquista de São Paulo anunciaram nova data do evento, que agora ocorrerá em 18 de novembro, domingo.

Os coletivos Ativismo ABC, Biblioteca Terra Livre, CCS e Nelca organizam a IX Feira Anarquista de São Paulo, dando continuidade ao já tradicional encontro anual de anarquistas e simpatizantes do mundo inteiro.

Na edição deste ano, assim como nas anteriores, acontecerá mostra editorial e venda de livros, jornais, revistas, fanzines e outros materiais libertários. A Feira de São Paulo pretende reunir editoras libertárias do país e do exterior.

Paralelamente à mostra editorial haverá palestras e debates, assim como diversas atividades culturais, como exposições, poesias, apresentações teatrais, musicais e outras atividades.

Todas e todos estão convidados!

Organização: Ativismo ABC | Biblioteca Terra Livre | Centro de Cultura Social | Núcleo de Estudos Libertários Carlo Aldegheri

Data: Domingo – 18 de novembro de 2018

Horário: das 10h às 20h

Local: Espaço Cultural Tendal da Lapa | Rua Constança, 72 – Lapa, São Paulo (SP) | Próximo à estação de trem e terminal de ônibus Lapa

Entrada Gratuita

Blog: feiranarquistasp.wordpress.com

S. Paulo, Brasil: Semanas de agitação anti eleitoral

recebido a 24/10/18

SEMANAS DE AGITAÇÃO ANTI ELEITORAL

Dias antes das eleições se aproximarem, deu-se informalmente em São Paulo algumas iniciativas de difusão de ideias ácratas a respeito do não-voto. São três afiches espalhados pela cidade: “CUSPA AQUI”, contra o representante do fascismo Jair Bolsonaro, “NEM ESQUERDA, NEM DIREITA”(1), contra as instituições e “A DEMOCRACIA É APENAS UMA CONTINUAÇÃO DA DITADURA”, contra as formas de governo vigentes. A partir deste breve relato sobre as colagens e pixações, faz-se uma exposição mais além das palavras de ordem referidas.

O segundo turno se aproxima. No entanto, não há dúvidas de que o resultado não será determinado pela votação. Isto é, o fascismo vêm se expandindo desde muito tempo(2). O verdadeiro campo de batalha não está delimitado nas urnas, mas sim no campo delimitado por linhas imaginárias chamadas de fronteiras nacionais. O nacionalismo e o patriotismo sempre estiveram por aí. A bandeira do Estado de São Paulo, por exemplo, é ostentada em cada prédio público, ao lado da bandeira do Brasil, enquanto algumas datas marcadas no calendário rememoram episódios fundamentais para a ploriferação do autoritarismo.

A construção dessa fantasia não deveria incomodar igual? Existe liberdade dentro de um território controlado por um Estado? Não se trata exatamente do genocídio de pessoas marginalizadas e da produção de dissidências, a edificação das instituições?

A narrativa dos governos quaisquer que sejam sempre aponta um inimigo interno. Está pressuposto. Não haveria sequer possibilidade de nomear diretores para os presídios se não houvesse gente para ser presa. É disso que se trata tanto a democracia quanto a ditadura: uma necessidade constante de eliminar a vida. Desde que nascemos, uma realidade nos é imposta e devemos aceitá-la ou senão enfrentar as consequências mais cruéis para xs que recusamos ou subvertemos as regras do jogo(4).

A ditadura militar transformou-se numa democracia ao final dos anos oitenta, sem deixar de lado a guerra contínua instalada nos cantos deste território específico. Ao contrário, este conflito se revigora a cada ciclo desde a colonização. Isso se dá fundamentalmente através da generalização do medo. Não é muito curioso que a mídia corporativa estampe as manchetes das agressões antes ignoradas e, consequentemente, normalizadas, inclusive, pela própria população e demais que se calavam diante dos fatos? Qual a finalidade disto, senão espalhar medo entre as pessoas para enfim mante-las disciplinadas nos seus empregos, escolas etc?

Para quê outra coisa servem os regimes desde aquele período, senão para controlar de maneira violenta – e nunca suficiente, pois a repressão é a resposta principal de qualquer governo, invariavelmente, para aquilo que lhe é estranho – todos esses conflitos pela vida livre? Mais uma vez se apresenta, em forma de “crise”, uma fase para renovar as formas de poder, na medida em que o atrito sempre presente das difusas resistências deteriora a dominação. Porém…

A GUERRA PELA LIBERDADE NÃO CESSARÁ!

NEM DITADURA, NEM DEMOCRACIA!

NEM ESQUERDA, NEM DIREITA!

PELO CAOS E ANARQUIA!

Anarquistas.

1 Em 2011 antifascistas e anarquistas ocupamos o vão do MASP para barrar uma primeira manifestação de apoio a Jair Bolsonaro animada por nazistas da região de São Paulo. Na época, muitas pessoas se isentaram de tomar sua posição porque julgavam ser “apenas um confronto entre subculturas”:

2 Este é um afiche replicado aqui em São Paulo. Originalmente, o mesmo apareceu pela primeira vez nas ruas de Porto Alegre. Um salve para xs cumplices da luta informal!

CCL na Feira Anarquista do Livro 2018: 26, 27 e 28 de Outubro em Lisboa

recebido a 25/10/18

Nos dias 26, 27 e 28 de Outubro, o CCL vai estar presente na Feira Anarquista do Livro em Lisboa. Vão ser três dias dedicados às edições, ideias e movimentos libertários com bancas, debates, concertos e oficinas.

Logo no primeiro dia, pelas 21.30, terá lugar uma apresentação sobre o Centro de Cultura Libertária e a sua situação actual.

Consulta aqui o programa completo: https://feiraanarquistadolivro.net/programa.php

Porto Alegre, Brasil: Atividade “Fascismo e formas de combatê-lo”

recebido a 22/10/18

Atividade “Fascismo e formas de combatê-lo”

Quinta 25 de outubro 2018
Utopia e Luta, Escadaria da Borges de Medeiros
19. Hrs
Porto Alegre

[Portugal] “Ninguém que não deseje a tua libertação total pode ser considerado teu aliado”

NINGUÉM QUE NÃO DESEJE A TUA LIBERTAÇÃO TOTAL PODE SER CONSIDERADO TEU ALIADO

Se não se estender a crítica do fascismo à democracia, capitalismo, às prisões, às pátrias, ao patriarcado, à propriedade, ao especismo e a qualquer regime que envolva sermos governadxs: estamos a nos condenar a um emaranhado histórico único que só acabará para dar lugar a um planeta inabitável. Os social-democratas eleitoralistas estão confortáveis demais ao condenar as atrocidades da direita e ao esconder as suas próprias, querem é estar nas ruas e no governo ao mesmo tempo.

Os regimes autoritários ganham terreno, rápida e eficientemente, porque os objetivos que perseguem são medíocres: não há nenhuma complexidade em submeter os outros através das armas, impostos, mentiras e propaganda – 90% dos projetos políticos estão comprometidos é com isso (toda a infraestrutura necessária já está construída e a funcionar).

Na realidade, ninguém que te trate como massa doutrinável, ninguém que entenda a luta como um passatempo a fazer de vítima e alheio à tua capacidade criativa e ofensiva, ninguém que não deseje a tua libertação total pode ser considerado teu aliado.

Anarquistas

em pdf aqui

em inglês l espanhol

[Brasil] Sai a Crónica Subversiva 2

Número 2 da Crônica Subversiva
(com separata sobre Santiago Maldonado e o número 5 da revista da CNA Kataklisma)

Depois de uma operação anti anarquista em Porto Alegre, a condenação dos 23 no Rio de Janeiro e antes da festa eleitoral daqueles que tentam governar e devastar tudo, aparece o segundo número da Crônica Subversiva.

Como cada publicação antiautoritária que surge em diferentes tempos e lugares, a Crônica Subversiva procura ser um canal de expansão de idéias que não estão, nem estarão nunca, contidas nos meios de comunicação.

Também é uma publicação com uma visão particular da vida, da autonomia, e da procura da anarquia e da revolta, que parte daquele instinto, inquebrantável e sincero, de sermos indômitos. Essa a sensação que faz as pessoas sair nas ruas, se arriscar, agir, e fazer algo na anarquia, a que procuramos espalhar com estas letras.

Primavera 2018

Clica aqui para baixar e imprimir (no link vem um arquivo com o corpo da Revista  e outro ainda com a separata)

[Vigo, Galiza] XORNADAS ANTIRREPRESIVAS: A HISTORIA DA “COPEL”


recebido a 16/10/18
Como cada outono, a CNT-Vigo organiza unhas xornadas antirrepresivas co obxeto de concienciar e visibilizar o aumento da criminalización das loitas sindicais e sociais, a represión do estado e o continuo empeoramento do trato e situación das persoas presas nos cárceres.

Esta situación non é un problema excepcional ou puntual, senon que se trata dunha circunstancia que ven para quedarse grazas a creación por parte do sistema da sensación de medo como instrumento para a dominación, “chivos espiatorios” como o suposto aumento e a desprotección da xente fronte a criminalidade ou o medo a inmigración, entre outras razóns. Todo esta situación vese reflectida polo avance desmesurado da extrema dereita e o fascismo en Europa, o incremento das sancións e o troco destas a tipos penais, que antes como moito so chegaban a meras sancións económicas.

Este ano centramos estas xornadas na Coordinadora de Presos En Lucha (COPEL), un histórico movemento de presas e presos que loitaron pola liberdade e uns dereitos básicos nas cadeas na transición a democracia. Este evento desenvolverase nas seguintes datas:

VENRES día 19 de Outubro ás 19:00 h., proxección e debate do documental “COPEL: Unha historia de rebeldía e dignidade”, no local da CNT de Vigo, na R/Príncipe nº 22, 1º andar, local 34.

VENRES día 26 de Outubro ás 19:00h., palestra-debate a cargo de José Manuel Botana, membro da COPEL, no local da CNT de Vigo, na R/ Príncipe nº 22, 1º andar, local 34.

A CNT-Vigo está na obriga de analizar a realidade e explicar as causas deste sistema. Por esta razón, facemos un chamamento co obxeto de que difundades a organización deste evento que consideramos de gran interese e vixencia.

CNT-Vigo

em castelhano

Chile: Faixa e barricadas de fogo, 20 anos depois do assassinato de Claudia López

20 anos depois da morte de Claudia López: Memória e Combate.

11-09-2018. A duas décadas exatas da morte em combate da companheira anarquista Claudia López, na povoação La Pincoya em Santiago, durante os distúrbios comemorativos do início da ditadura militar no Chile  –  e ainda no âmbito de uma nova comemoração desta data, saímos à rua na nossa povoação a recordá-la; colocamos uma faixa, levantamos barricadas de fogo e desafiamos a polícía junto aos nossos/as companheiros/as e vizinhos/as.

Algures no território chileno,
Biblioteca Antiautoritária Libertad
Inverno, 2018

em espanhol

[prisões gregas] Pola Roupa, companheira da Luta Revolucionária, sentenciada a prisão perpétua mais 25 anos

[A sentença refere-se a um ataque explosivo ocorrido 10 de Abril de 2014 contra a sede do Banco da Grécia, em Atenas]

O Tribunal impôs uma sentença de prisão perpétua mais 25 anos à companheira Pola Roupa, adotando a proposta de sentença do acusador do ministério público Drako. A sentença de prisão perpétua a que o companheiro Nikos Maziotis foi condenado, em 2016, pelo mesmo ataque não é apenas uma vingança radical contra os dois rebeldes não arrependidos e coerentes que não foram entregues à prisão em 2013 no final do primeiro julgamento da Luta Revolucionária – entraram na clandestinidade a fim de continuar as ações da Organização. Isso prova, de acordo com os argumentos do acusador Drako, a periculosidade das ações da Luta Revolucionária como um meio de minar e derrubar a economia e o Estado.

Recordemos que o acusador Drako afirmou no seu discurso que o ataque ao Banco da Grécia poderia causar o colapso do prédio e que, se o prédio tivesse entrado em colapso, o sistema financeiro e a economia do país entrariam em colapso.

A sentença de prisão perpétua para Roupa, tal como para Maziotis, confirma do lado do inimigo, isto é, do Estado, a correção da estratégia da Luta Revolucionária, que considerava que os principais golpes em estruturas-chave de um sistema já enfraquecido em crise poderiam causar o seu colapso.

Solidariedade à Luta Revolucionária

em inglês via 325nostate l italiano

[Carolina do Norte, EUA] Reportagem de uma Ação

Acção direta contra Mountain Valley Pipeline em Brush Mountain (29.06.2018)

No meio da névoa do amanhecer no dia 22 de Junho, imobilizamos e sprayamos várias peças de equipamentos pesados de construção ao longo da US 220 na Carolina do Norte. Uma escavadoura, um trator e alguns de carregadores frontais todos provaram um excelente veneno, por meio de xarope de bordo e alvejante. Extintores de incêndio existentes no local também foram inutilizados.

Este pequeno ato de ataque foi realizado contra a proposta de construção da Mountain Valley Pipeline Southgate e a destruição de vários hectares de floresta, na clareira do novo corredor I-840.

Para a defesa da Natureza

Pelo ataque aos instrumentos de aniquilação ecológica

em inglês l alemão l francês

 

Treviso, Itália: Instalações da Liga do Norte atacadas pela célula Haris Hatzimihelakis

Cansadxs de ficar em silêncio, fartxs de ver violência sistemática e diária a ocorrer na sociedade – seja através do racismo, sexismo ou trabalho assalariado – cujos valores essenciais são autoridade e lucro. Enfastiadxs da exploração, a vermos todos os partidos políticos como o principal responsável disso – como elxs reprimem a liberdade com o aparelho estatal, reformista e repressivo (TV, media, associações, exército, proteção civil, etc.). O estado e o capital são os maiores criminosos, até violam as suas próprias leis – roubando através dos impostos, matando através das guerras e do trabalho assalariado, rejeição de botes de migrantes no mar, campos de concentração para imigrantes na Europa e África, contaminando irreversivelmente seres humanos, animais e todo o planeta – tudo pelo lucro e poder.

Não esqueçamos a cumplicidade hipócrita da sociedade composta por cidadãos/ãs que fingem não ver os horrores do racismo e nacionalismo, presentes e passados. Essa aceitação é o pilar do totalitarismo e da democracia: ao longo do tempo a autoridade baseada na indiferença, medo, apatia foi não só sócapaz de criar gulags e campos de concentração nazis e, presentemente, os campos de concentração na Líbia e fora das nossas casas. É uma história que se repete a si mesma.

12.08.2018

Na madrugada desse dia as instalações da Liga do Norte foram atacadas em Treviso, com um dispositivo explosivo. Reivindicamos a colocação do dispositivo contra políticos, polícias e seus lacaios. Não queremos ser cúmplices de tudo isso, nos oporemos à violência indiscriminada do Estado com violência indiscriminada contra os responsáveis, por tudo isso. A quase total pacificação da Itália, onde as massas estão ocupadas a fazer guerra entre os pobres, um dos nossos objetivos é o da oposição à renúncia, impotência e quietude. O Estado e o capital usam todas as formas de tecnologia e violência para desviar a atenção dos problemas reais dos explorados, sendo o principal deles o ódio entre xs mais vulneráveis e despossuídos, por meio de fronteiras, géneros, cores da pele.

Escusado será dizer que nenhuma facção insignificante de políticos autoritários será capaz de satisfazer os nossos desejos. Está-se a falar sobre o governo “verde-amarelo”, esquerda e direita, queremos que o estado seja destruído. Está a prometer-se aumentos salariais, redução de impostos, empregos, queremos a eliminação de dinheiro, bens e trabalho. Está a lutar por melhores condições do governo, mas só queremos nos divertir com as ruínas em chamas das suas cidades. Você faz política, nós fazemos guerra social.

As coisas estão difíceis, trata-se de um abismo existencial entre nós e elxs e não há espaço para diálogo.. como consequência disso sabemos onde atacar. Atacar o racismo e a exploração em particular. Atacar o Estado, o capital e todxs xs responsáveis. A ação direta torna claro o porque e o como, para nós.

Pela Anarquia!
Pela solidariedade internacional anarquista e rebelde!
Por um mundo sem fronteiras nem autoridade.

Com esta ação, saudamos a chamada lançada pelxs companheirxs da “célula Santiago Maldonado”, na qual se propunha aumentar os ataques à paz dos representantes da dominação e cúmplices.

Benvinda seja qualquer individualidade anarquista ou célula que continue a espalhar a chama, através da ação, no aqui e agora!

“Hoje tomamos a tocha da anarquia nas mãos, amanhã será outra pessoa. Para que não se apague!” [1]

Solidariedade com todxs xs prisioneirxs, Tamara Sol, Juan Aliste, Juan Flores, Freddy, Marcelo, J.Gan, Marius Mason, Meyer-falk, Dinos Yatzoglou, Lisa Dorfer, membrxs da CCF e da Luta Revolucionária.

Aos/ás anarquistas em Florença, Turim, Nápoles, Cagliari, Chile, Rússia, Alemanha, Polónia, da Operação Scripta Manent.

E para todxs xs rebeldes presxs nas cadeias de toda a parte do mundo!

Célula Haris Hatzimihelakis /International Negra (1881-2018)

[1] Célula Santiago Maldonado /FAI-FRI reivindica um ataque explosivo contra quartéis de carabineiros (07/12/2017)

original em italiano via a tradução em inglês

Floresta de Hambach: Foto Impressões de 06.10.2018

Setúbal, Portugal: 18º Aniversário da COSA!

18 anos de okupação, resistência, criatividade, luta, autonomia, solidariedade, confronto, apoio-mútuo, liberdade

Numa altura em que se avizinham grandes transformações em Setúbal, continuamos a resistir e a lutar. A lógica do sistema dominante é cada vez mais forte e querem domesticar tudo e todes. Nunca vamos esquecer os pilares que sustentam a COSA e as nossas vidas. Vem celebrar o prazer de confrontar o que nos oprime! Suspeitamos que em breve o processo contra a COSA vai voltar a andar e precisamos de toda a solidariedade e apoio possível.

Programa:

Sexta 12
14h – Kafeta
17h – Pinturas, pintadas, salpicos e afins
20h – Jantar Bela Vida  (cada um trás algo pa comer)
22h – Convívio  (som, conversas, jogos, canções, etc)

Sábado 13
16h – Mostra de faixas pela COSA
17h – Oficina de construção de marionetas e fantoches, seguida de uma pequena peça
20h – Jantarada Brava
21.30h – Quizz!!! Uma oportunidade de brilhar entre os teus amigues!!
23h – Concertos – Enmasse + Desmarques + Catapulta + Sharp Knives

Domingo 14
15h – Oficina de Fermentados – Vamos fazer chucrute!  (tragam frascos grandes, couve branca ou coração, raízes e sal marinho)
17h – Piknik ao sabor do vento  (trás algo para contribuir)
17.30h – Oficina de Shiatsu (tragam uma esteira ou pequeno colchão, toalha ou lenço e roupa confortável)
20.30h – Sessão de pankecas!
21.30h – Cinema

Aparece sem medos, trás companhia e mantém a chama acesa
Rua Latino Coelho Nº 2  –  Setúbal

COSA É VIDA  *  ESTADO É MORTE
          STOP DESPEJO DA COSA
                        1 DESPEJO = 1000 OKUPAÇÕES

[Bosque de Hambach] Jazzy e Winter libertadxs da prisão com restrições

fonte: CNA Rhineland

Na terça-feira, 2 de outubro de 2018, Jazzy e Winter foram libertadxs, após audiência em tribunal.

Ambxs estiveram duas semanas em prisão preventiva. Agora, o tribunal distrital de Düren decidiu não continuar a aplicar a ordem de restrição de liberdade.

Ambxs estão agora em liberdade e as suas identidades continuam desconhecidas das autoridades!

Mas ainda há três “Hambi” na Prisão: UPIII, Andrea (UP 20) e Eule. Todxs xs prisioneirxs precisam do nosso apoio! Pode-se escrever um e-mail para abc-rhineland@riseup.net o qual será imprimido e enviado para aquelxs.

em alemão l inglês  l espanhol