Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

Contra Info: Rede tradutora de contra-informação

Contra Info é uma rede internacional de contra-informação e tradução, uma infraestrutura mantida por anarquistas, anti-autoritárixs e libertárixs ativxs em diferentes partes do mundo. Ler mais »

México: Atualização da situação do preso anarquista Fernando Bárcenas

“SOLIDARIEDADE COM FERNANDO BÁRCENAS – NÃO ESTÁS  SÓZINHO” Faixa de solidariedade com o compa Fernando Bárcenas – Bloomington, Indiana (EUA) – Fev/2016.

Em Julho foi feita uma Chamada à solidariedade com o compa Fernando Bárcenas.

Desde sexta-feira, 14 de Julho, Fernando Bárcenas foi colocado em isolamento total na sua cela por ordem da instituição. Entretanto o assédio e a violência exercida contra ele por outros presos a soldo da administração penitenciária tem vindo a aumentar.

O compa enviou uma carta pública a 16 de Julho de 2017 sobre as condições de isolamento em que se encontrava, das agressões de que tem sido alvo por parte de reclusos a soldo da administração e do perigo que isso representa para a sua integridade física e emocional.

A mãe de Fernando Bárcenas Castillo enviou a 17 de Julho as seguintes informações:

“Até hoje, as autoridades prisionais mantêm Fernando na mesma área do seu agressor, apesar dos pedidos para mudança, solicitados repetidamente. Ele ainda apresenta traços de contusões e de mordedura na mão, sem ter recebido atenção médica e está em total isolamento,por ordem da instituição, Isto representa um risco para a sua integridade física.”

Hoje, 19 de Julho, a CNA México emitiu um comunicado no qual se refere ao papel dos grupos de máfia que operam no interior da prisão e que exercem um forte controlo para que nada perturbe a tranquilidade da prisão – sem protestos que serão maus para o seu negócio – e por outro lado esclarece os esforços do Fernando e de outros compas para estabelecer com outros presos um processo de construção de comunidade onde se compartilha problemas e necessidades e em que juntos, cooperando, os conseguem resolver, sem necessidade da autoridade.

Para lhe escrever – o compa encontra-se atualmente na zona 7 do CDUDT – Centro de diagnóstico, classificação e determinação de tratamento:

Fernando Bárcenas
Reclusorio Preventivo Varonil Norte
Calle Jaime Nuno no. 155, Colonia Guadalupe Chalma,
Cuautepec Barrio Bajo, C.P. 07210, Gustavo A. Madero,
Ciudad de México.

Chamamos para se estar atentx à situação do Fernando. Exigimos à Prisão Norte a sua imediata transferência à zona da população prisional em geral.

Se tocam a um/a tocam a todxs!

Liberdade para todxs!

[Prisões mexicanas] Carta pública do compa Fernando Bárcenas (16/7/2017)


CARTA PÚBLICA DO COMPANHEIRO FERNANDO BÁRCENAS

16 de Julho de 2017, a partir do Reclusorio Norte (Prisão Norte da Cidade do México)

Primeiro quero começar por sublinhar que a minha situação nos últimos meses tem vindo a tornar-se cada vez mais complicada – mais concretamente desde que fui condenado à zona 7 do C.O.C. da prisão (Centro de Observação e Classificação) – como castigo e repressão das ações de protesto e organização que tenho vindo a levar a cabo na prisão, juntamente com outros companheiros.

Desde esse momento, 28 de Setembro de 2016, tenho-me encontrado imerso numa dinâmica de vida asfixiante numa zona de castigo onde crescem os conflitos – após 9 meses de segregação por motivos de segurança institucional, devido às minhas ideias e à minha forma de ser e actuar – identificando isso como uma forma de violência da instituição contra mim, pois ao não ser possível me agredirem frontalmente através do seu pessoal, agora utilizam os presos para me intimidar e me agredir, uma táctica muito comum na prisão; esta situação já provocou vários confrontos na área onde me encontro, pelo que faço responsável a instituição e os encarregados de a administrar por qualquer coisa que suceda à minha integridade física e psicológica visto serem os responsáveis de me manterem nesta situação.

Fernando Bárcenas

Desde sexta-feira, 14 de Julho que Fernando Bárcenas se encontra em encerramento total na sua cela, por ordem da instituição, enquanto o assédio e a violência contra ele por parte de alguns reclusos afins à administração tem vindo a aumentar, pelo que é feita uma chamada urgente para se exigir que seja retirado da zona de castigo – pelo risco iminente que representa para a sua vida, bem como para que o companheiro sinta a nossa solidariedade de várias maneiras. Por favor difundir esta informação.

Aqui estão os dados da prisão (morada, telefones e nome do director) para quem deseje ligar, mandar faxes ou visitar o centro:

Reclusorio Preventivo Varonil Norte: Calle Jaime Nuno no. 155, Colonia Guadalupe Chalma, Cuautepec  Barrio Bajo, C.P. 07210, Gustavo A. Madero, Ciudad de México, Teléfonos: 5306 4540 / 5306 2540. Director: Enrique Serrano Flores

Nota dxs tradutorxs:
Fernando Bárcenas Castillo é um jovem anarquista [estudante e músico, trabalhador de uma fábrica de móveis] de 21 anos – com 18 anos de idade quando foi detido a 13 de Dezembro de 2013, na sequência dos protestos contra o aumento do preço dos bilhetes de metro na Cidade do México. Desde então em prisão preventiva, acusado de queimar a árvore de Natal da empresa Coca-Cola. Encontra-se novamente numa zona de segregação, desde Setembro de 2016, como resposta da instituição prisional à sua última greve de fome. Foi condenado a 5 anos e nove meses de prisão e ao pagamento de uma multa de cerca de 35,550 pesos (€ 1755) em Junho de 2017.

em espanhol l francês

Prisões mexicanas: Solidariedade com o compa anarquista Fernando Bárcenas!


ALERTA. DENÚNCIA PÚBLICA PELO ISOLAMENTO IMPOSTO A FERNANDO BÁRCENAS

Fernando é um companheiro anarquista, preso no reclusório norte da cidade do México desde 2013 e que se tem mantido ativo dentro da prisão em diversos projetos. Grande parte da sua vida dentro dos muros tem sido mantida em regime de isolamento. A partir da sua última greve de fome, juntamente com três companheiros mais, Miguel Peralta, Abraham Cortés e Luis Fernando Sotelo – como parte de uma jornada de luta empreendida a partir de diversos centros de reclusão, em Setembro de 2016 – foi transferido a uma área de isolamento no reclusório e nesta condição foi mantido mais nove meses como forma de castigo por ser rebelde e ser um companheiro que continua a contribuir com propostas e açõesa na luta pela liberdade total.

A zona onde Fernando se encontra está permeada de conflitos e tensão constantes – próprias do isolamento mas que se agravam no seu caso, pois o assédio sobre ele é constante – tudo isso gerou danos na saúde do nosso companheiro, pondo em risco crescente a sua integridade física e emocional; a situação terá piorado nas últimas semanas, pelo que esta chamada urgente é tanto para exigir o fim imediato do isolamento de Fernando Bárcenas como para exteriorizar a nossa solidariedade até ele; pedimos também para estarem atentxs e dar difusão a esta informação e o se vá gerar nos próximos dias.

Queremos Fernando Bárcenas em liberdade!

Até que todxs sejamos livres
Julho, 2017

Reclusório Preventivo Varonil Norte: Calle Jaime Nuno no. 155, Colonia Guadalupe Chalma,  Cuautepec Barrio Bajo, C.P. 07210, Gustavo A. Madero, Ciudad de México, Teléfonos: 5306 4540 / 5306 2540

em espanhol 

[20 a 27 de julho] Semana internacional de solidariedade com xs arguidxs de 20 de Janeiro (EUA)

A semana está a ser realizada para que se aumente a consciência sobre o caso de 215 companheirxs nos Estados Unidos que foram detidxs durante manifestações na inauguração de Donald Trump. Todxs elxs enfrentam acusações muito graves e várias décadas na prisão.

O 20 de julho marca seis meses após as ações iniciais e prisões durante a inauguração de Donald Trump e, em 27 de julho, uma moção para rejeitar penalizações será discutida em tribunal. Com a data do tribunal a aproximar-se e os casos em curso, este é um momento crucial para uma segunda Semana de Solidariedade.

Envie relatos, fotografias e perguntas aos/às detidxs para:
J20solidarity@protonmail.com

Chamada em inglês  l alemão

[Após o G20 em Hamburgo] Chamada de solidariedade

Na altura de caça aberta da bófia aos/às manifestantes anti-G20, os media e o “público” (incluíndo as demandas de um linchamento que circula na internet), é essencial lembrar quem ficou feridx durante os protestos contra a Cimeira do G20 em Hamburgo e as dezenas que ainda estão sob investigação, enjauladxs pelo Estado alemão.

Nenhuma consideração no entanto para uma grande parte da sociedade – juntamente com as autoridades públicas e os media – não só aceita o estado policial que testemunhamos em Hamburgo como também o deseja ver reforçado.

Agora é hora de grupos e/ou indivíduxs organizarem eventos de solidariedade, reforçarem as doações e expressarem todo o tipo de apoio com xs presxs, p. ex. escrita de cartas, assim que os endereços de contato sejam conhecidos.

Vamos agir em solidariedade com todxs os afetadxs pela repressão durante o G20 e atualizar sobre a sua situação através de redes de informação. Certifique-se de que elxs não ficam sózinhxs.

Quanto mais ações, mais pressão sobre as autoridades, os media e o seu mundo. Pela anarquia!

em alemão l inglês l italiano

Oaxaca, México: Reivindicação de ataque explosivo contra caixa de Banorte

Comunicado recebido a 13/07/2017 juntamente com as fotos:
Negamos-nos a deixar que a tranquilidade domine, optaremos por subverter a paz social, decidimos-nos pela confrontação.
Não esperaremos por conjunturas, provocaremos conflitos e devolveremos os agressões, assumimos a guerra no dia a dia, nunca mais seremos escravxs. Continuarão a ressoar explosões, cada vez mais contundentes e diretas.
O que se passou esta noite foi apenas um teste, afiaremos melhor as facas.
Reivindicamos a colocação do dispositivo explosivo num caixa automático do Banorte, situado no centro da podre capital oaxaquenha..

Connosco não se negocia.
Nunca pediremos justiça, procuraremos vinganças!!
Complicidade com xs clandestinxs que uivam e mostram as presas.
Saudações a todxs xs compas que combatem dentro das jaulas!!

Viva a Anarquia!!!

em grego

Atenas: Faixas de solidariedade internacionalista, em Exarchia

Na manhã desta terça-feira, 11 Julho de 2017, membros da Okupa Themistokleous 58, juntamente com compas afins, levantaram algumas faixas em solidariedade com três casos diferentes.

TEMOS AS CHAVES DE TODAS AS PORTAS, SOLIDARIEDADE COM A OKUPA KIKE MUR EM SARAGOÇA, ESPANHA..

A partir da varanda da 58 pendurou-se uma faixa em apoio à C.S.O Kike Mur, em Saragoça, Estado espanhol, que está ameaçada de despejo pelas autoridades locais. No edifício (uma antiga prisão), ocupado há 7 anos, há espaço para atividades e expressões de solidariedade anarquista, como foi o caso da faixa gigante no âmbito da campanha internacional do Fevereiro Negro, em Fevereiro de 2013.


SOLIDARIEDADE COM XS INSURRECTXS DO NO-G20.

Nas grades da antiga faculdade de Química foi colocada uma faixa para apoiar todxs aquelxs que enfrentaram as forças repressivas nas ruas de Hamburgo nos últimos dias, contra a Cimeira dos 20 Estados mais poderosos do planeta. Agora é o momento de difundir a necessidade de apoiar xs reféns da G20.

ASS(A)LTA OS BANCOS ! LIBERDADE PARA LISA, ANARQUISTA PRESA NA AL€MANHA.

Das janelas do edifício Gini, na Politécnica, pendurou-se uma faixa em solidariedade com Lisa, anarquista condenada a 7,5 anos de prisão por assalto a banco em 2014, em Aachen, na Alemanha.Que não se deixe nenhum/a presx nas mãos do Poder: ATAQUE AO ESTADO/CAPITAL E À DOMINAÇÃO!

Okupa Themistokleous 58
e compas afins

em grego l inglês l alemão l espanhol

Besançon, França: Ação de solidariedade com xs insurretxs em Hamburgo no âmbito da Cimeira do G20

Alguns/mas em Besançon, durante a Cimeira do G20, em Hamburgo, grafitaram vários slogans. Já outros slogans que foram graffitados a spray, tais como: “Welcome to Hell G20” [Bem-vindo ao Inferno, G20], “Contre le G20 et son monde” [Contra a Cimeira do G20 e o seu mundo] ou “Sauvez la nature, détruisez la civilisation” [Perseva a natureza, destrói a civilização] (A) infelizmente já não poderiam ser fotografados, porque rapidamente foram removidos pelos Serviços de limpeza municipais.

ESMAGA G20

HAMBURGO ESTÁ A QUEIMAR (A)

ABAIXO O CAPITAL! NO G20 (A)

SOLIDARIEDADE COM A REVOLTA EM HAMBURGO – NO G20

“Hamburgo incontrolável! Nog20” (graffiti deixado na fachada dos escritórios da SDF – a companhia de segurança que instala entre outros, o sistema de alarme e vigilância em supermercados).

NEM LEI NEM PATRÃO

NEM LEI NEM MACRON SOLIDARIEDADE COM XS IMIGRANTES

ABAIXO A DITADURA DO CAPITAL

HABITAÇÃO PARA TODXS, PROPRIEDADE DE NINGUÉM (A)

em alemão

Hamburgo: Bem vindo ao infernal inferno dum estado policial

Até 7 de Julho de 2017
A polícia atacou como se tornava previsível já – nos dias anteriores à manif do Welcome to Hell da noite de quinta-feira – de forma brutal e quase sem aviso. Pessoas subiram os muros laterais, em pânico, canhões de água extremamente perto e virados até para as pessoas que se encontravam nos telhados circundantes a observar a paisagem. O ataque foi executado simultaneamente em vários locais, um ataque frontal, lateral e pela retaguarda de extrema violência. A assembleia com mais de 10 000 manifestantes, no mercado de peixe de Hamburgo, foi dissolvida cerca das 20 horas. A raiva reprimida irrompeu; após a derrota da manif, cerca de 4000 pessoas participaram noutra manif espontânea e foram feitas várias ações diretas nas ruas de Hamburgo durante o resto da noite e que se prolongaram até ao dia seguinte.

7 de Julho de 2017 e madrugada de 8 de Julho
Num bloqueio, na sexta-feira de manhã, na Schnackenburgallee  cruzamento com a Rondenbarg, foram relatadas dezenas de pessoas presas, muitxs delxs feridxs. Para escapar da violência da polícia, os manifestantes tentaram ultrapassar uma cerca de quatro metros de altura, o qual entrou em colapso sob o peso de pessoas. A polícia provocou nesse momento uma situação de pânico sem ter em conta as consequências. O resultado: 14 feridxs foram hospitalizadxs, dos quais 11 gravemente feridxs.

Após o dia da abertura da cimeira do G20, na noite de 6ª feira para sábado, a polícia perdeu completamente o controlo de zonas de Hamburgo. Nem os 15.000 polícias – além dos solicitados a outros estados e que já foram aprovados – nem os mais de 20 canhões de água ainda a ser utilizados, nem a massa pulverizada de gás lacrimogéneo nem a cassete nem os punhos conseguiram colocar a situação sob controlo. Por último, na cidade hanseática, assistiu-se à utilização de unidades especiais fortemente armadas anti-motim a serem utilizadas contra a sua própria população.
Depois da meia-noite, uma força especial armada com metralhadoras invadiu uma casa dos Demónios Verdes, onde xs paramédicxs da manif tratavam xs feridxs. Uma pessoa ficou ferida e tão mal que xs Demónixs queriam levá-la a um hospital. Demónixs foram interpeladxs e chamadxs com uma metralhadora em riste: “Mãos ao alto!” E isso significa claramente que de outra forma isso seria feito pelos tiroteios. Em seguida, xs paramédicxs da manif foram levadxs individualmente para dentro de casa, entretanto estão todxs livres, novamente. A pessoa ferida foi colocada nos serviços de emergência, após negociações com a polícia.

Mas não é só nas ruas, a polícia vai usar a força contra todxs xs que se opõem a eles. No centro de detenção na Schlachthofstrasse, em Hamburg-Harburg, um advogado foi maltratado por três policias durante a madrugada de 8 de Julho. O advogado insistiu que o seu cliente não iria partir, o que levou a bófia a agarrar-lo e a agredi-lo no rosto, torcerem-lhe o braço e a arrastarem-no depois para fora do centro de detenção.

Dias 8 e 9 de Julho
Após o dia da ação contra a cimeira do G20 a 7 de Julho e da evacuação da polícia do bairro Schanzenviertel, a LKA (autoridade policial do estado federal) invadiu o centro internacional B5 na Brigittenstrasse em St.Pauli. Às 10:45 da manhã, uma unidade de captura de provas invadiu a casa do clube e agrediu as pessoas presentes, assim como dois apartamentos particulares no mesmo edifício foram pesquisados. Durante as incursões, duas pessoas ficaram feridas e foi lhes negado atendimento médico.

Em 8 de Julho, ocorreu uma manifestação massiva com o lema “Solidariedade sem fronteiras em vez de G20. Durante a manif houve várias operações policiais contra os manifestantes. Os manifestantes de Hamburgo foram particularmente alvo de uma unidade de captura de provas.

Em toda a cidade, a polícia de Hamburgo procurava ativistas internacionais em albergues e em estações de trem. Alegadamente, as autoridades estavam especialmente à procura de manifestantes italianos e franceses enquanto procuravam bandeiras curdas. Já durante a grande manifestação, cerca de 15 italianos foram presos. Ordens de prisão foram emitidas contra 15 pessoas, 28 permanecem em prisão preventiva. Alguns dos detidos foram transferidos para prisões em Billwerder e Hanöversand. As celas do centro de detenção em Harburg foram lotadas sem necessidade. Certas células foram ocupadas por oito em vez de cinco reclusos. A temperatura nas celas chegou aos 35 °C, não lhes tendo sido fornecidas celas com climatização. Alguns dos presos relataram que só receberam duas fatias de pão, no decorrer de 24 horas.

Para domingo, foi anunciada uma manifestação no centro de detenção de Harburg para exigir a libertação de todxs xs presxs. Segundo o comunicado emitido “Vamos continuar a demonstrar a nossa solidariedade com xs detidxs e a raiva contra os órgãos de repressão nas ruas, exigindo a sua libertação e contra a repressão e prisões“.
A manif começa na Praça Harburg Town Hall (S-Bahn-Harburg Rathaus), passando pelo centro de detenção e terminando no centro de Harburg.

Por uma vida sem prisões e repressão 

Mais informação: g20ea.blackblogs.org/

[Brasil] Conheça seus inimigxs: Contra a Monsanto e tudo o que a faz possível

Rio Grande do Sul, 8 de Julho de 2017

O agro-negócio implica todos os processos que englobam a produção, processamento e comercialização de bens de origem agrícola e pecuário. É uma indústria que vai da produção de matéria prima até aos produtos manufacturados na gôndola do supermercado, englobando também os diferentes processos de transporte e distribuição assim como o referente ao pessoal associado à produção e às instituições públicas e privadas encarregadas de fomentar este processo.

Em nosso território (Rio Grande do Sul) é talvez o negócio mais importante e empresas como AGROESTE e AGROCERES estão na lista das principais empresas exportadoras. E neste entorno é onde capitaneiam empresas e holdings transnacionais como MONSANTO ¹, NIDERA², SYNGENTA³, CARGILL4  e  BAYER 5 . Entretanto sua presença aqui não seria possível sem o serviço de fatores locais como AGROESTE 6 , AGROCERES 7 , MONSOY 8 , DEKALB 9 ,   ROUNDUP 10  e  SEMINIS 11 entre outros que importam armazenam e distribuem seus produtos em todo o território. Empresas de maquinaria industrial como JOHN DEERE 12 , MARISPAN 13 e LS TRACTOR14 também se encarregam de importar maquinaria  – pulverizadores ou fertilizadores  – fundamentais para estes processos. Estes burgueses do campo – latifundiários donos de milhares de hectares, que plantam com monocultivos contaminantes – se reúnem em instituições para defender seus interesses como a FARSUL15 e FEPAGRO 16.

Uma vez mais, toda a devastação e extração realizada não seria possível se não fosse pela já habitual cumplicidade do estado através da FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA 17 e do MINISTÉRIO do DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO 18:

1- Rua Padre Chagas, 415, sala 302,304, Porto Alegre – RS; 
2- Rua Dona Laura, 320, Rio Branco, Porto Alegre –RS;
3- Rua Ernesto da Fontoura,1479,São Geraldo, Porto Alegre-RS; 
4- Rua dos Andradas,1121, Edifício Rua da Praia, Centro, Porto Alegre-RS;
5- Avenida São Pedro,1605, São Geraldo, Porto Alegre-RS; 
6- Rua Jorge Malchow , 421, Piratini, Panambi-RS;
7- Tritec (Lajeado), Rodovia BR386, km 344, 3500, Lajeado-RS;
8- Avenida das Nações Unidas, 1291, Torre Norte,  7° andar, São Paulo-SP;
9- Rua Paulo J. Schlabitz, 130, Montanha, Lajeado-RS;
10- Rua Marquês de Olinda, 89, Três Vendas, Pelotas-RS;
11-  Agropiá, Rua Frederico Michaelsen, 129, Centro, Nova Petróplis-RS;
12- Plantare, Est Mauricio Cardoso, 3425, Bairro Olaria, Montenegro-RS;
13- Reis Tratores, Est Mauricio Cardoso, 2303, Bairro Olaria, Montenegro-RS;
14- Rua Vereador Klaus Lennertz, 2130, Palmital, Garuva-SC;
15- Praça Prof. Saint Pastous, 125, Cidade Baixa, Porto Alegre-RS;
16- Rua Gonçalves Dias, 570, Bairro Menino Deus, Porto Alegre-RS;
17- SHIS QL10 Conjunto 8, Casa 6, Lago Azul, Brasilia-DF; 18- Avenida Loureiro da Silva, 515, sala 312, Centro Porto Alegre-RS;
“PRATICAR A DISSIDÊNCIA E A RAIVA ATRAVÉS DA AÇÃO DIRETA INSURRECIONAL. É FÁCIL, DIVERTIDO, PERTINENTE E NECESSÁRIO.“

Em pdf,  clica aqui

em alemão

Grécia: Tasos Theofilou absolvido pelo tribunal de Atenas

“Liberdade para o anarquista comunista Tasos Theofilou” – manifestação de solidariedade, em Tessalónica ( 29 de Junho de 2017).

7 de Julho de 2017:

Após cinco anos de prisão, Tasos Theofilou foi considerado não culpado, em todas as acusações, por um tribunal de apelações em Atenas. A decisão foi tomada por uma maioria de 3 a 2.

   em inglês l italiano l alemão l francês l espanhol         

[Prisões alemãs] Envie uma carta a Lisa!

[2013 caso do assalto de banco em Aachen]
Em Dezembro de 2016 uma anarquista oriunda de Amsterdão foi absolvida da acusação de uma expropriação bancária ocorrida em Aachen em 2013.

[2014 caso do assalto de banco em Aachen]
Desde o início de 2017, dois companheirxs de Barcelona foram julgadxs por uma expropriação ao Pax-Bank que ocorreu em Aachen, em 2014:
Em 7 de junho de 2017, a companheira anarquista L
isa foi condenada a 7 anos e 6 meses de prisão, enquanto o outro companheiro (que recentemente escreveu uma nota de agradecimento) foi absolvido pelo tribunal de Aachen.

Depois de ser sentenciada e enviada à prisão de Colónia, a companheira decidiu publicar o seu endereço de contato:

Lisa
Buchnummer: 2893/16/7
Justizvollzuganstanlt (JVA) Köln
Rochusstrasse 350
50827 Köln – Deutschland (Alemanha)

Lisa fala espanhol, alemão, inglês e italiano e ficará feliz ao receber as tuas cartas.

Que outras formas de solidariedade continuem a ser expressas com ela e todxs xs outros prisioneirxs. Que xs prisioneirxs contineam sempre a ser parte das lutas sociais e se encaixem em todas as ações da guerra social. Para a Anarquia.

Mais informações:

solidaritatrebel

em inglês l alemão  l italiano

Hamburgo: Atentado incendiário à frota de veículos da “Deutsche See”

A respeito do atentado incendiário realizado – a 28 de Abril de 2017 – no parque de estacionamento da frota da “Deutsche See”, em Hamburgo.

– Atacar o G20 significa atacar também quem beneficia da destruição da fauna marítima a nível mundial

– Em Hamburgo diz-se “Tschüß zur Deutschen See” [Tchau ao Mar Alemão]

“O nosso peixe é incluído no welcome to Europe, mas nós…tchh, é preferível ficarmos ao largo”
(declaração de um pescador senegalês)

Já nos anos 80 a Europa apostava na pescaria dos fundos marítimos dos mares do Sul, as fábricas flutuantes de pescado pouco ou nada deixavam aos pescadores locais. Nas costas da África Oriental, por exemplo na Somália, muitos dos pescadores deixados sem peixe pelas frotas europeias mudaram de trabalho e tornaram-se piratas.

Em 2012, um quarto da pesca europeia foi capturada em águas internacionais mas nos territórios de países da África Ocidental – como a Guiné, Mauritânia e Senegal – após o governo senegalês retirar temporariamente as licenças aos arrastões da UE mudaram o seu pavilhão ou criaram joint ventures [empreendimentos conjuntos]. Um grande número de refugiadxs do Senegal trabalham agora nas plantações em Almería (Espanha), na colheita tomates – para supermercados nos quais está disponível, nos seus congeladores, peixe vindo do seu mar.

Várias centenas de milhões de pessoas dependem do peixe como alimento. O estudo do WWF “Sobrepesca e desnutrição” é o prognóstico de que num futuro próximo cerca de um milhão de pessoas – no Senegal e Indonésia – não poderão contar com o peixe como alimento de base.
De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas, apenas 13% do montante global de peixe é grande o suficiente para ser capaz de até mesmo se regenerar. A causa da estagnação dos lucros da pesca marítima não se devem às restrições mais severas dos anos 90 mas sim ao esvaziamento dos oceanos.

A aquicultura convencional difere pouco da reprodução de animais intensiva, como por exemplo o praticado na produção de fábrica de aves. As colónias intensivas de produção de camarão – veja-se o caso da costas da Tailândia ou do Vietnam – destruíram os habitats em áreas ribeirinhas de florestas de mangue.

A Deutsche See, com sede central na Bremerhafen, é a líder nacional da indústria do processamento de pescado. Apenas 20% do peixe consumido na Alemanha provém do Mar do Norte ou do Báltico. Quanto ao restante peixe esse é levado pela empresa doutros mares do mundo; a Bremerhafen gere a “indústria de pescado mais moderna” da Europa. 60.000 toneladas de peixes são “processadas” anualmente, com um volume de negócios de 400 milhões de euros. O peixe custa caro. Os índices – como o do Oslo Sefood Index – apresentam um novo record. De 20 locais, os caminhões frigorífico Bremerhafen são enviados até à Baviera, de modo a satisfazer o desejo ilimitado dos alemães por peixe fresco.

Em Hamburgo, a poucos metros do “Deutsche See”, situa-se o restaurante do porto de pesca onde os ministros das Relações Exteriores da Rússia e norte-americanos jantaram, durante a cimeira da OSCE – na cimeira do G20 servirão aqui os delegados.

– Escarrar na sopa de peixe do G20
– nenhum muro à volta da Europa, refugees welcome

Fonte: Linksunten

em italiano

Alemanha: Mensagem do companheiro preso Thomas Meyer- Falk aos/às manifestantes contra o G20 em Hamburgo

Por uma sociedade sem prisões!

Solidariedade e saudações afectuosas a partir da prisão! Quando os representantes das nações do G20 se encontrarem em Hamburgo, a élite das empresas carcerárias, representadas por Merkel, Trump, Putin e Erdogan, também se encontrarão.

Agora, neste momento, muitas dezenas de milhares de prisioneirxs na Alemanha, França, Reino Unido e Turquia estão atrás das grades, bem como milhões outrxs nos EUA, China, Rússia, Arábia Saudita, etc!

E também em Hamburgo é certo que agora são milhares as pessoas nas prisões do suposta “livre” cidade hanseática [o nome completo de Hamburgo é cidade livre e hanseática de Hamburgo]. Para abrir espaço para ainda mais, foi construído um centro de detenção extra (até 400 prisioneirxs). 100 juízes ofereceram-se para legalizar as prisões efetuadas pela polícia durante a cimeira.

Quem ataca o G20 também ataca o complexo prisional-industrial. Um sistema baseado na exploração e opressão. Um sistema no qual a polícia, o judiciário e a economia trabalham de mãos dadas. Um sistema que intimida e remove permanentemente as pessoas do processo político, mas ainda assim os “recicla” economicamente.

Para todxs vocês em Hamburgo, por horas e dias ativos e combativos!

Do coração, sentidas saudações oriundas da prisão de Freiburg.

Thomas Meyer-Falk
(prisioneiro com pena de longa duração desde 1996)

em alemão l italiano l inglês

[lembrete] Dias de ação internacional contra o G20, Hamburgo 2017

Dias de ação internacional contra o G20, Hamburgo 2017

Bem-vindxs ao inferno
Resistência ao vivo – Junte-se ao bloco negro
06 de Julho * manif anticapitalista
07 de Julho * bloqueios § ação de ancoragem –
08 de Julho * manif massiva
https: // g20tohell.blackblogs.org

Manifestação anti-capitalista internacional contra a Cimeira dos G20

G20: Bem vindos ao inferno

Quinta-feira, 6 de Julho de 2017, às 16:00,
Mercado do Peixe do bairro St. Pauli, Hamburgo

Quando os chefes de governo dos 20 países mais poderosos do mundo chegarem no dia 6 de Julho – com os meios de comunicação mundiais reunidos à espera de notícias da zona de crise, à volta dos salões de exposições de Hamburgo – já estaremos nas ruas.

Estamos a mobilizar-nos internacionalmente para que se transforme Hamburgo num local e ponto de exclamação da resistência contra as antigas e novas autoridades do capitalismo.

Uma manifestação na véspera da Cimeira do G20 expressará protesto e resistência, crítica radical e prática contra o patriarcal e capitalista estado das coisas. Estamos a resistir à prioridade discursiva das recepções e das conversas informais durante os dias a seguir.

O G20 está a criar um estado de emergência temporário e reverso político disso apoia cada uma das coisas contra as quais estamos a lutar. A polícia e os militares estão presentes nos telhados de Hamburgo durante a Cimeira e encontram-se a perpetuar regimes capitalistas, em todo o mundo. Tanto os modelos capitalistas neoliberais como os ditos proteccionistas fazem parte, similarmente, da exploração global, da compartimentação e empobrecimento.

Se essa violência cínica vai ser óbvia ou, pelo contrário, superada por grandes recepções e belas fotos também isso estará em jogo durante os dias quentes de Hamburgo.

Estamos a opor-nos à Cimeira, bem como a qualquer esforço para incluir a crítica política e resistência como uma parte da instrumentalização da Cimeira enquanto instituição democrática. Cimeiras como o G20 e instituições como o FMI, a OMC ou o Banco Mundial serem instrumentos de paz, direitos humanos ou de políticas climáticas é uma das grandes mentiras e ilusões dos poderes, sejam quais forem.

Quando as peças da política global estiverem selecionadas, após a Cimeira de 9 de Julho, o capitalismo e a exploração ainda existirão. No fim do dia serão as declarações finais e resumos voltados para o sucesso dos corpos políticos reunidos e público. Crises e guerras fazem parte do sistema capitalista, da mesma forma o protesto e escândalos são parte da orquestração da Cimeira. Cabe-nos abrir uma nova página e novas perspectivas de resistência.

O triunfo aparentemente incontestável do capitalismo deixou um rastro de devastação. A guerra é predominante não só como conflito militar mas também nas mentes de mais e mais pessoas. Uma multidão racista está a se mobilizar na Alemanha, em toda a Europa e em todo o mundo. Ideias raciais e nacionalistas estão a ser aceitáveis novamente. Entre outros, populistas de direita e os fascistas conseguiram uma viragem do discurso da sociedade para a direita.

Estão a ser feitos apelos a Estados fortes e fronteiras fechadas, com mais e mais força. Guerras por procuração para esferas de interesses – instrumentos de ordem mundial criados no século anterior e naquele antes disso – aparecem mais do que nunca com vista a serem meios legítimos para atingir fins políticos. Estamos num momento de crescente nacionalismo e ódio voltado para as minorias. Pogroms contra refugiados e outros grupos populacionais além da maioria. Ataques contra homossexuais e pessoas trans * ou inter * assim como a significância do fanatismo, tal como a da persuasão, estão a aumentar dramaticamente.

Migração e deslocações serão pontos focais da Cimeira e dos protestos também. Não se trata da liberdade de movimento para todos, nem mesmo corredores de deslocações seguros para evitar a morte em massa no Mediterrâneo a serem estabelecidos. Em vez disso, são as fronteiras e o fluxo de bens que estão a ser salvaguardados. Cinismo e promoções duvidosas prevalecem, enquanto a Cimeira está a tomar o seu curso.

A lógica do valor capitalista deverá expandir-se para os últimos recursos nas metrópoles, bem como na periferia das regiões rurais. No entanto, a penetração capitalista mundial também está a conectar o terreno da resistência. Por exemplo, a resistência contra projetos de mineração na Columbia está ligada a lutas político-urbanas contra a estação de moagem de carvão Moorburg, no porto de Hamburgo, que utiliza o carvão columbiano como recurso.

A devastação e a migração devido ao aquecimento global estão diretamente relacionadas à luta pelo direito de permanecer. As conexões de interesses de exploração capitalistas podem ser demonstradas, criticadas e confrontadas politicamente. A resistência ao G20 deve focar-se nessas interdependências à escala local e global e desenvolver relações mútuas e práticas de resistência.

Resistência em massa variável e imprevisível vai interromper os procedimentos tranquilos do desenrolar da Cimeira. Muitas pessoas vão se levantar contra esta encenação do poder – politicamente e na prática. Ao contrário da oposição civil, não vamos sugerir alternativas para manter o sistema capitalista vivo. Opor-nos-emos à opressão, exploração e exclusão de forma coletiva e com solidariedade.

Auto-organize-se, seja criativo e contribua vociferantemente, com raiva e poderosamente para a manifestação internacional anti-capitalista de 6 de Julho. Deixe essa manifestação ser uma primeira expressão de nossa resistência e do nosso antagonismo inconciliável às condições prevalecentes e ao espetáculo da Cimeira.

Em frente com a revolução social!

Começaremos no dia 6 de Julho, às 16:00, com uma ótima reunião de abertura. Contribuições culturais, musicais e políticas serão realizadas. A partir das 19:00 a manifestação aproximar-se-á da zona vermelha e a concentração final será levada a um lançamento de pedras da localização da Cimeira, nas salas de exposições.

Não deixe o capitalismo deitá-lo abaixo – Resistência ao vivo!

Aliança autónoma e anticapitalista “G20 – bem vindo ao inferno!”

Quinta-feira, 6 de Julho de 2017, 16:00,  Mercado do peixe do bairro de St. Pauli, Hamburgo

em inglês

Alemanha: Ação solidária da CNA Dresden com todxs aquelxs que estão a enfrentar a repressão policial em Hamburgo

Não deixes que o sistema te faça ir abaixo!

O G20 mais uma vez atingiu em pleno rosto todxs aquelxs para xs quais a justiça social e a liberdade não são uma utopia. Para compensar a nossa raiva realizamos uma ação de colagem de cartazes. Queremos não só mostrar a nossa solidariedade como também confrontar as pessoas do nosso bairro com os incidentes em Hamburgo e a repressão que lá está a ter lugar.

Por um mundo de solidariedade e justiça sem hierarquias e exploração. G20 bloqueado!

ABC Dresden via linksunten.indymedia

em alemão l espanhol

[Cartaz] Caso Aachen: Obrigado!

Desde o coração, muito obrigado a todos e todas pelo apoio que recebi, assim como todo o calor e amor que senti, que muito contribuíram para reforçar a minha resiliência contra a opressão a que estava submetido.

Não estamos todxs faltam as pessoas presas!
Liberdade presxs!
Força a todxs xs que afrontam a opressão!
Prisão, demolição e reflorestação!

O sequestrado desde 21/06/2016 a 07/06/2017 do caso Aachen

barcelona.indymedia

em italiano

cartaz em pdf para impressão

Madrid: Dispositivo explosivo-incendiário em solidariedade com companheira condenada na Alemanha

Na noite de 7 de Junho colocou-se um dispositivo explosivo-incendiário numa sucursal do Bankia, situada na colónia Mirasierra de Madrid, perturbando a tranquilidade da classe média-alta que ali reside. Esta urbanização está povoada de chalés e equipada com vídeo-vigilância e patrulha de segurança privada, longe da miséria que cimenta o nível de vida dos seus habitantes.

Esta ação foi realizada depois de ser conhecida a sentença da nossa companheira, condenada por expropriações na Alemanha e à qual queremos enviar todo o calor do nosso incêndio. Enquadramos também a nossa ação na chamada contra a Cimeira do G20, em Hamburgo.

Também nesta noite explodiu a nossa raiva e revolta perante a impotência do quotidiano, como tentativa de sair da passividade e devolver alguma da violência em que vivemos. Fartxs da vida programada e da atividade política, também programada. Queremos abraçar, através deste acto, todxs xs que caíram na ação e lutar contra a morte, na qual a passividade nos mantém.

Que a solidariedade entre ácratas não seja só uma palavra escrita! Pela anarquia!

Hamburgo: Semana de ação anárquica antes do G20 entre 28.06 e 04.07.2017

Livros * Educação * Barricadas /Semana de ação anárquica antes do G20 entre 28.06 e 04.07.2017
Para mais informações (alemão e inglês) http://anarchistischeinitiative.blogsport.eu/

PROGRAMA

O cronograma não está concluído e as alterações não podem ser excluídas. Todos os painéis serão realizados em idioma alemão e inglês. Caso as pessoas possam traduzir noutras línguas, são bem-vindas!

(Todas as palestras serão realizadas em Hamburgo)

Quarta, 28.06:

Abertura:

Filme „Black Block“

18:00

Cinema 3001

Schanzenstrasse 75 / Rua Schanzens, 75

redes de transporte público S11, S21, S31 e U3, paragem em “Sternschanze”.

Quinta, 29.06

Jens Störfried: Pós-anarquismo

Palestra e Debate

19:00

Barco Liberado

Meiendorfer Straße 47 / Rua Meiendorfer, 47

Vindo da Estação Central, saída Rahlstedt, depois autocarro 24 para Schneehuhnkamp.

Sexta, 30.06

A Cruz Negra Anarquista

Anti-repressão anárquica: a Cruz Negra Anarquista

Palestra e Debate

17:30

Cafe Knallhart

Von-Melle-Park 9 (no campus universitário de Hamburgo)

redes de transporte público S11, S21, S31 e R70. Paragem em “Dammtor”

Sábado, 01.07

Andreas Blechschmidt: Repressão conjuntamente com a Cimeira

Palestra e Debate

15:00

Kölibri

Hein-Köllisch-Platz 11 / Praça Hein-Köllisch, 11

redes de transporte público S S1, S2, S3, paragem em “Reeperbahn”

Domingo, 02.07

Chrimethink: Resistência na Era Trump

Palestra e Debate

15:00

Centro Sociale

Interface Sternschanze 2

U3, paragem “Feldstraße“, ou rede de transportes públicos S11, S21, S31, e U3, paragem em “Sternschanze“

Segunda, 03.07

Rob Evans: Como lidar com bufos

Palestra e Debate

19:00

Centro Sociale

Interface Sternschanze 2

U3, paragem “Feldstraße“, ou rede de transportes públicos S11, S21, S31, e U3, paragem em “Sternschanze“

Terça, 04.07

Iniciativa Anarquista Liubliana

O papel dos espaços autónomos nas lutas sociais

Palestra e Debate

em local a anunciar em breve

A PROPÓSITO…

Durante a Cimeira existirão diferentes zonas na cidade onde só possamos nos mover limitados ou mesmo nulamente. Onde será a linha exata das bordas, especialmente a denominada zona azul, não é conhecido até agora. Pode até ser possível que alguns dos nossos locais se encontrem nessas zonas.
Não sabemos por agora quando é que estas zonas entrarão em vigor mas é possível que alguns painéis não ocorram nos locais anunciados se alguns rapazes de azul chegarem a empurrar as pessoas à volta.
Para este caso, temos locais alternativos que serão anunciados assim que saibamos mais sobre as diferentes zonas de segurança.

CIRCULAR POR LÁ

A melhor coisa é alugar (gravar) uma bicicleta ou usar o sistema de transporte público. As estações para S e U-Bahn não possuem tiquetes de segurança. No Ticketholder será abordado para verificação aleatória pela segurança do S-Bahn ou por inspetores de ingressos em roupas simples. Em ocasiões muito raras, há bloqueios nas entradas das estações de metro. Se eles intensificam esses controles ou não realmente não sabemos. A certeza é que haverá polícia em interfaces importantes. Durante a última Cimeira da OSZE, em 2016, a presença policial foi espalhada até alguns subúrbios distantes. E tenha-se em mente que todas as estações de autocarros, comboios e outras estações ferroviárias obtiveram sistemas CCTV, para que se seja monitorizado.

em alemão l inglês l espanhol

[11J] Tessalónica, Grécia: Reivindicação de colocação de dispositivo incendiário

Tudo do que necessitamos é da liberdade total.

Concebemos os espaços anarquistas e anti-autoritários como estruturas em que organizamos lutas e vivemos momentos coletivos fora das relações autoritárias que o Estado e o capitalismo nos desejam impor diariamente.

Ultimamente, o Estado realizou vários ataques contra Okupas e lugares anarquistas em Atenas, Salónica, Agrinio e Larissa. Em resposta a esses ataques, durante a noite de 11 para 12 de Junho de 2017 colocamos um dispositivo incendiário numa carrinha pertencente à empresa AKTOR na rua Makedonikis Amynis, em Tessalónica.

Sabemos que esta empresa constrói as estruturas do inimigo – como a mina Skouries na península de Halkidiki, destruindo a terra em benefício dos capitalistas ou o metro de Salónica, destinado a apoiar e fortalecer o fluxo de capital.

Escolhemos o 11 de Junho, dia internacional de solidariedade com prisioneirxs anarquistas que enfrentam sentenças longas, para expressar a nossa solidariedade para com todxs xs companheirxs em cativeiro por todo o mundo.

Fogo a todas as celas das prisões.
Morte ao Estado e ao Capital.
Ação direta para a Anarquia.

grego l inglês l alemão

Portugal: Todes a Setúbal nos Dias de Atividades em Solidariedade com a C.O.S.A

Recebido a 25 de Junho

Continuaremos a resistir e a manifestar as nossas ideias, nenhum tribunal vai decidir as nossas vidas. Somos nós que decidimos, através de acções, solidariedade e intimidade, o percurso do nosso destino.

Quinta 29
15h Covil Aberto

Sexta 30
20h Conversa na Disgraça:
O que se passa com a
COSA?(Lisboa)

Sábado 1
17h Workshops de Resistência
Comida, Performance
e Música na Á da Maxada pela noite

Domingo 2
17h Concentração Solidária com a C.O.S.A.
20h Petiscada de Rua na
COSA
Seguida de Conversa e
convívio

Mais info em breve

C.O.S.A. Rua Latino Coelho nº2 Setúbal

em alemão

Brasil: Bombas de tinta no Tribunal de Justiça de Porto Alegre

Recebido a 15 de Junho de 2017

Bombas de tinta no Tribunal de Justiça de Porto Alegre pela sentença a 11 anos de prisão do Rafael Braga, único preso pelos protestos de 2013.Expandir o conflito é desbordar qualquer margem que ameace nos conter. Espalhar o conflito é enxergar o instinto anárquico de indocilidade e poder agir com ele, solidarizar por ele. No sábado de 6 de maio, poucos dias depois de que ficamos sabendo da absurda sentença, quando a noite caía, caminhamos em direção do Tribunal de Justiça de Porto Alegre e atiramos contra ele bombas de tinta.

No domingo pela manhã já tinham contratado alguém para fazer a faxina do lugar deixando ainda rastros do fato. Uma semana depois, no sábado de 13 de maio, fomos ate lá com a mesma vontade e decoramos a fachada de novo.

Pouco importa se é simbólico, se só uns quantos estavam trabalhando (de luzes ligadas) aquelas noites e tomaram um susto ao ouvir vidros se quebrando na porta. O que importa é que sua normalidade seja quebrada, que seus dias e suas noites não sejam calmas… que suas sentenças e trabalhos que roubam a vida do Rafael e outros como ele, não fiquem como a ordem normal da sociedade que faz séculos domina uns pelo progresso de outros poucos. Que a normalidade de uma sociedade baseada na opressão, racismo e o encerro seja quebrada. O que importa é que não se perda a decisão em ação de revidar e atacar o que nos ataca.

Porquê o Rafael?

Rafael Braga Vieira, catador de lixo e morador de rua, foi detido em 21 de junho de 2013 no contexto dos protestos históricos contra o aumento da passagem no Brasil. Acusação: porte de artefato incendiário ou explosivo. O que ele tinha nas mãos eram duas garrafas de plástico, uma de água sanitária e uma de pinho sol.

Várias pessoas foram detidas ao longo de 2013 por ter participado nesse mesmos protestos, e foram liberadas um tempo depois, alguns com uma vergonhosa atitude delatora (esperar o que num lugar onde a delação é premiada). Mas Rafael Braga não, ele não foi liberado. Ele foi sentenciado e condenado a 5 anos de seqüestro nas gaiolas do estado/capital-civilizador. A mensagem: A favela não pode protestar. Tudo bem com estudantes, ativistas, e militantes da esquerda, e sobretudo brancos, eles podem e até vão esperar em  casa seu “devido” processo, mas os negros, pobres e favelados atacar o sistema … não! E isso que Rafael apenas estava onde vivia, nas ruas.

Faz anos que existe uma agitação anárquica pelo Rafael. Desde reuniões, almoços, atividades, feiras, um chamado internacional pelo Rafael em novembro de 2016 e outro em junho de 2017, até ataques contra partes do sistema carcerário: Queimaram caixas eletrônicos do Banco Santander em dezembro de 2013 sinalizando a solidariedade com Rafael Braga, em maio de 2014, os vândalos selvagens antiautoritários solidarizam também com ele, queimando o tribunal militar da união e viaturas da PM, e em setembro do 2016 alguns amigxs da revolta deixaram um artefato incendiário embaixo de uma viatura mandando um abraço ao Rafael.

Esta agitação mostra que para alem das “ideologias”, uma pessoa que cai nas gaiolas do inimigo e se mantém digna, não será esquecida, não ficará só, porque os laços construídos na luta, são firmes ainda quando trata-se de alguém que recebe os castigos como efeito colateral de nossas ações por ser parte dos reprimidos de sempre: negros pobres e favelados. daqueles que não tem cidadania nem direitos.

Pequena alegria sentimos ao saber de sua liberdade vigiada em 2015, mas, pouco duraria. Em janeiro de 2016 ele foi detido novamente, esta vez por tráfico de entorpecentes, unicamente com inimigos como testemunhas: “Neste sentido são valiosas as declarações prestadas pelos policiais militares Pablo Vinicius Cabral e Victor Hugo Lago, em seus respectivos depoimentos às fls. 195 e 220, que diligenciaram a prisão do réu RAFAEL BRAGA, declarações estas que foram corroboradas pelos testemunhos de seus colegas de farda Farley Alves de Figueiredo (fl. 247) e Fernando de Souza Pimentel (fl. 248).” Estrato da sentença contra Rafael Braga.

A mensagem de novo foi clara: ‘quanto mais vocês se mobilizarem para defender essas pessoas, mais dura será a nossa resposta’.

Com uma mão terna e a outra armada

Com uma mão terna, a solidariedade é um torrente de ações que procuram fazer a vida do seqüestrado menos dura na cadeia, são atos certeiros que quebram o isolamento mandando cartas, livros, comida, apoiando economicamente a ele e a sua família que se vê obrigada a ter que lidar com advogados, processos, as vezes até viagens para visitar alguém.

Mas, fazer menos pesada a cárcere não resolve nem questiona esta sociedade carcerária. Aqui não existe um só juiz, advogado ou agente penitenciário que não tenha sido parte do seqüestro de algum pobre, negro, favelado.  Não existe um só jornal que não nos ensine que isto é “normal” em todos eles a negritude e a pobreza são transmitidas como criminais. Então, aqui não existe negociação possível. Declaram-nos a guerra.  Policiais, leis e cárceres são parte da engrenagem da dominação. Desde o capitão do mato até o sistema judicial a opressão só tem mudado de nomes.

A civilização dominadora, berço do estado, o capitalismo e a moral dos que governam, chama a gritos um ataque, provoca, cuspe no rosto e esmaga no chão se caírmos, nos demandando reagir.

Por isso a nossa mão armada, a do confronto, do agito, do revide. Porque cada ataque contra eles está justificado por séculos de dominação, exploração e extermínio. Porque cada ato vandálico está justificado pela ostentação da mercadoria e da cultura dominante, aquela velha civilizada, bem penteada, ultra legalizada e moralista cultura do domínio que marginaliza a quem não é serviçal, que mata ou seqüestra a aqueles que não lambem a mão do patrão.

Porque a solidariedade é uma arma de combate que não só ajuda ao companheiro, mas responde a quem nele bate.

Para mandar a merda ao juiz seqüestrador: Ricardo Coronha Pinheiro

Mandando algo:

Ricardo Coronha Pinheiro
Tribunal de Justiça- Comarca da Capital
Cartório da 39ª Vara Criminal
Av. Erasmo Braga, 115 L II sala 812CEP: 20020- 903
Centro – Rio de Janeiro – RJ

Mandando um email:

cap39vcri@tjrj.jus.br
assessoriadeimprensa@tjrj.jus.br

Fazendo ligação ou mandando fax:
(0xx21) 3133-2000

Para doar qualquer valor à Família de Rafael Braga
-banco Caixa Econômica Federal
Agencia 4064
Conta Poupança 21304-9
Operação 013
Nome: Adiara de Oliveira Braga (mãe do Rafael)
CPF:  148 955  027  59

Pela Solidariedade combativa
Pelo Rafael
A cada ataque um contra-ataque!

Pontevedra, Galiza: Cartaz pela defesa da terra e em solidariedade com presxs anarquistas com pena de longa duração (11J)

Na Galiza (estado espanhol), em Pontevedra, nos últimos dias esteve a ser espalhado pela cidade um cartaz que pretende ser uma contribuição (tardia) à solidariedade a presxs anarquistas com pena de longa duração, após um novo 11 de Junho.

“ECOTERRORISTA É QUEM DEVASTA A NATUREZA E A VIDA SELVAGEM!

Eucaliptização dos montes causa da desaparição de espécies autóctones e dos incêndios florestais, provocados para se especular com os terrenos…

Minas a céu aberto e poços de Fractura Hidráulica matando o chão fértil e envenenando ou destroçando cada aquífero…

Autoestradas e Alta Velocidade para assegurar a mobilidade frenética de escravxs e mercadorias, à custa da segurança e bem-estar de todxs…

Exploração e mercantilização dos animais, gasto absurdo de recursos

Cemitérios nucleares debaixo da terra, patentes nos alimentos, aterros nos rios

NÃO QUEM LUTA PARA DEFENDÊ-LAS!

A cada dia que passa, sonhadorxs de todo o mundo conspiram contra este mundo de miséria e desolação. Ação direta, bloqueios, sabotagens… são as suas armas para esta guerra.

Algumas dessas pessoas acabaram por ser presas por se negarem a viver com resignação e desafiarem a dominação.

Estamos com elxs!

SOLIDARIEDADE COM MARIUS MASON E COM TODXS XS PRESXS ANARQUISTAS COM PENAS DE LONGA DURAÇÃO.”

Para imprimir (PDF em A3) em galego via Abordaxe

espanhol

Londres, Reino Unido: Evento solidário com Tasos Theofilou


Eu sou um comunista anarquista. Amo a vida e a liberdade.

Vamos lutar para derrubar as prisões que enterram dentro de si milhares de pessoas vivas.

Vamos lutar pela visão da libertação social.

Vamos lutar pela libertação da nossa classe da autoridade do capital

Tasos Theofilou

Junte-se a nós nesta sexta-feira, 23 de Junho, para um evento benefit em solidariedade com o comunista anarquista Tasos Theofilou que se encontra na prisão, após ter sido condenado com base em provas falsas e inexistentes. Foi condenado apenas porque é um anarquista. Foi condenado porque não perdeu o sorriso mesmo quando o tribunal anunciou a sua sentença.

Atualizações do caso, projeções e intervenções com chamadas telefónicas a Atenas.
Mais informações sobre o caso aqui.

A começar às 19:00 no L.A.R.C. (Rua Fieldgate, 62, E1 1ES Londres)
música ao vivo a seguir…
O bar funcionará toda a noite.

Espalhemos a notícia!!!!
Vemos-nos por lá!

P.S. A 24 de junho, haverá uma manifestação solidária com Tasos Theophilou, em Atenas. A manif começa às 12:00, em Monastiraki.

em inglês l alemão

Exarchia, Atenas: Faixa em solidariedade com Michael Kimble, anarquista preso nos EUA

11 Junho – Arrazar os muros – Liberdade para Michael Kimble.

No domingo, 11 de Junho de 2017 – no âmbito do dia internacional de apoio a anarquistas presxs a cumprir penas de longa duração – na okupa Themistokleous 58, colocamos uma faixa em solidariedade com o compa Michael Kimble, que se encontra nas prisões Holman, no Alabama.

Michael Kimble é um homosexual negro anarquista que foi condenado a prisão perpétua por ter feito justiça com as próprias mãos ao defender-se de um branco homofóbico racista. Apesar do facto de Michael se encontrar em cativeiro já há 30 anos, continua a resistir por todos os meios disponíveis contra o confinamento quotidiano, para além de propagar a ruptura violenta com todo o Poder.

Através desta faixa devolvemos-lhe alguma da força que nos dá, cada vez que lemos os seus textos incendiários. Aguenta, compa: as tuas ideias e determinação ressoam no outro lado do oceano.

NENHUMA PAZ À SOCIEDADE CARCERÁRIA!

Chaoten

em inglês l grego l alemão