Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

Bélgica: Ação&Cartaz de solidariedade com xs 12 compas acusadxs de terrorismo

Quatro veículos da empresa Fabricom foram queimados em Saint-Gilles, na segunda-feira de manhã, 26 de Junho, em solidariedade com xs anarquistas na mira do tribunal anti-terrorista na Bélgica.

Para enviar força e coragem a todxs aquelxs que levam no coração a raiva da rebelião.

É muito pouco, mas fazer barulho à volta deste caso, neutralizar o isolamento, não deixar que o medo nos amordaçasse, isso já é significativo.

Que estoire a Justiça!

A difundir largamente!

CARTAZ SOLIDÁRIO COM XS DOZE COMPAS PROCESSADXS POR PARTICIPAÇÃO EM DIVERSAS LUTAS CONTRA AS PRISÕES, AS FRONTEIRAS E O MUNDO DO PODER E DA EXPLORAÇÃO, LEVADAS A CABO DE 2008 a 2014.

No cartaz pode ser lido:

O ANTI-TERRORISMO BELGA ARREMETE CONTRA ANARQUISTAS E ANTI-AUTORITÁRIXS

Está a ser preparado um julgamento contra 12 insubmissxs – que a justiça belga se empenha em chamar “terroristas”.

O seu crime? Opor-se à ordem estabelecida de maneira autónoma e através da ação direta e cúmulo do cúmulo, assumir isso publicamente. O seu objetivo? A polícia, os bancos, as prisões, as fronteiras, os centros de detenção de imigrantes, os patrões, os cobradores, os eurocrátas, as câmaras de vigilância…em suma, tudo aquilo que nos explora e oprime neste mundo.

Vigilância, espionagem, rastreio, escutas telefónicas, instalação de câmaras nos domicílios, tentativas de infiltração, assaltos, detenções… E agora um julgamento por “terrorismo” e portanto a ameaça de passar largos anos atrás das grades, enfim pode-se dizer que o Estado está a utilizar todos os meios disponíveis!

Apesar de todas estas medidas, a documentação judicial é pouco sólida. E se as lutas são bem reais, a “associação terrorista” não existe senão na imaginação do Estado.

Durante estes últimos anos, xs que escrevemos estas linhas, também nós nos temos tentado opôr à realidade deprimente – que pretendem que se aceite como se fosse o melhor dos sistemas. Nós também – como tantas outras pessoas vindas de muitos horizontes, tomando múltiplas direções – temos feito parte dessas lutas. Nós não podemos tampouco ficar inativxs quando diminui, dia após dia, o pouco ar respirável já existente.

É inconcebível para nós que se deixe que o Estado arremeta contra uns tantos indivíduos, que os esteja a assinalar, manchar, a sujar tanto as suas formas de luta como as suas ideias.

Por isso pensámos que a mais bonita das solidariedades é fazer com que a revolta viva, aqui e agora.

Se lutar pela liberdade faz de nós terroristas, necessitarão então de mais do que uma dezena de lugares no banco dxs acusadxs!

Atualização sobre o caso aqui (francês)

em espanhol l francês

[Projeto Nemésis ato V] Ataque incendiário/explosivo contra a Confederação Nacional de Donos de Camiões (Santiago do Chile)

PROJECTO NEMÉSIS ATO V

Na madrugada de 25 de Julho atacamos com um dispositivo incendiário/explosivo o edifício pertencente à Confederação Nacional de Donos de Camiões do Chile, situado na Almirante Barroso, no centro da cidade de Santiago.

A Confederação Nacional de Donos de Camiões do Chile é uma ligação estrutural na cadeia de dominação e exploração, tomando parte ativa tanto no saqueio do meio ambiente como no transporte de mercadorias no território chileno e no Wallmapu.

São eles uns dos principais beneficiários do projeto IIRSA – um dos seus objetivos é o «melhoramento» da infra-estrutura de estradas para a circulação de mercadorias nos países do Sul Latino-americano.

São eles que também se encontram na primeira linha de empresários que trabalham em estreita colaboração com o Estado Chileno na intensificação da repressão e da investigação policial em território mapuche – tentando pôr freio, sem êxito, à guerra dos camiões que faz parte da sublevação autónoma mapuche na defesa do seu território ancestral.

O nosso dispositivo funcionou na perfeição, danificando a porta do recinto e embora não fosse assinalado pela imprensa, eles sabem que um atentado atingiu as portas da sua  guarida e nós sabemos que a perigosidade da ofensiva anárquica não se mede nem pela cobertura mediática nem pelos flashes dos jornais. Esperamos que tenham contado, com preocupação, à Presidenta Michelle Bachelet acerca do nosso ataque – na reunião que tiveram com ela, no dia seguinte, às 8.15 hrs.

Nós, anárquicxs inimigxs de toda a forma de autoridade e ordem social, somos parte da continuidade histórica da rebelião emancipadora, nunca pacificada em nenhuma época ou lugar.

Somos os desejos de liberdade, armados de fogo e consciência, demonstrando uma vez mais que a rebelião e o ataque armado são tão possíveis quanto necessários num mundo dominado pelo poder e pelo dinheiro, buscando controlar e mercantilizar as nossas vidas e o planeta em que habitamos.

A nossa permanente rebelião mantém o fogo da libertação total, incendiando as ilusões da democracia, o reformismo e a via eleitoral, buscando agudizar a crise na ordem imperante, em vez de o salvar para lhe dar novos ares de Capitalismo Verde ou Estado Cidadão.

Cada atentado contra os responsáveis do domínio e os seus defensores demonstra sempre que se pode passar à ofensiva – com misturas incendiárias e explosivas que combinam a raiva, a cautela e a segurança no nosso modo de ação.

Enviamos uma saudação cúmplice a todxs xs companheirxs que ao longo do mundo enfrentam julgamentos, encarceramentos e clandestinidades – sobretudo a Juan, Nataly e Enrique no Chile, Fernando Bárcenas no México, a Alfredo Cospito, Nicola Gai, Davide Delogu e a todxs xs acusadxs na operação Scripta Manent em Itália, xs acusadxs na operação Fénix na República Checha, a Lisa na Alemaniha e membrxs da Conspiração de Células de Fogo na Grécia.

Enquadramos esta ação no «Projeto Nemésis» – proposta de companheirxs da Conspiração de Células de Fogo (Grécia) para atacar diretamente os centros de reunião, trabalho e local de habitação dxs responsáveis do domínio. Duas ações na Grécia e duas no Chile precederam o nosso ataque, por isso o denominados  «ATO V».

PORQUE A OFENSIVA ANÁRQUICA CONTINUA VIVA EM CADA ATENTADO PELA LIBERTAÇÃO TOTAL!
A MULTIPLICAR  OS ATAQUES CONTRA O PODER, OS SEUS CÚMPLICES E TODA A AUTORIDADE!

“Banda Ácrata por um Inverno de Fogo”- Federação Anarquista Informal/Frente Revolucionária Internacional.

PROJETO NEMÉSIS (traduções de Contra Info em português)

Sobre o projecto

ATO I (Grécia)

ATO II (Grécia/Alemanha)

ATO III (Chile):

ATO IV (Chile)

em espanhol

Prisões mexicanas: O compa Fernando Bárcenas sai do isolamento (26/07)

Segundo a atualização da CNA México, a 26 de Julho o compa foi transferido à área da população prisional, graças à pressão e mobilização de indivíduos e coletivos solidários. Segue-se a carta pública de Fernando com data de 25 de Julho:

Queridxs amigxs,

Escrevo-lhes para informar um pouco sobre a minha situação actual. Logo a seguir a ser conduzido ao módulo de máxima segurança onde me encontro por agora, esperando a reavaliação do conselho técnico inter-disciplinar para determinar a minha futura localização. Anteriormente me localizaram nesta área, argumentando com a minha segurança, ainda que na realidade se trate da segurança da instituição.

Agradeço os gestos de solidariedade dxs companheirxs que fizeram coisas para pôr fim à segregação que me foi imposta por não me submeter ao fim dos sonhos de liberdade  e por continuar com os projetos que até agora continuam de pé – tais como a biblioteca alternativa que companheirxs continuam a levantar no auditório da população geral e o periódico de combate anti-carcerário El Canero, o qual foi descoberto pelos carcereiros na revista aos meus pertences.

Queria mencionar a propósito que, ao ser conduzido de volta ao módulo (MMS), advertiram-me que me podiam matar tanto pelo que digo e que se detivera a edição do periódico – o qual desde logo não agradou nada ao pessoal da segurança.  Além disso, segue em processo a petição de benefício penitenciário que sob direito próprio tinha interposto, para reduzir a pena em prisão e poder extingui-la em “liberdade” – devo dizer aqui que não reconheço as ferramentas legais do estado, no entanto a minha situação tornou-se complicada aqui dentro e encontra-se em risco a minha integridade, por isso procuro alguma via para reaver a minha tranquilidade.

Por isso faço uma chamada a todxs xs companheirxs afins e solidárixs para pressionar por esta resolução, o que é da máxima importância para a minha segurança.

Também desejava fazer uma chamada para não se deixar as coisas de lado, a não atuar só quando algo de grave acontece, não devemos baixar a guarda, devemos permanecer sempre alerta pois na prisão o tempo corre de maneira diferente. A vida de um/a presx não se conta pelos anos, mas por horas, minutos, segundos…

Este é um grito aberto à reflexão sobre a solidariedade revolucionária que nestes dias está a fazer muita falta.

A continuidade desta guerra declarada contra todxs e cada um/a de nós deve passar por se assumir que a prisão está em toda a parte, que podemos assumir o risco de viver e sentir – ou perder, no decorrer diário de dias sem vida, sem liberdade e sem sentido. E por isso continuaremos em guerra, até que todxs sejamos livres.

25 Julho 2017

Fernando Bárcenas

em francês

Cidade do México: Ataque explosivo contra a Conferência do Episcopado Mexicano

Recebido a 26 de Julho

A 25 de Julho de 2017 colocamos um dispositivo explosivo – à base de dinamite, gás lp e butano – na Conferência do Episcopado Mexicano, situada na Calçada dos Mistérios 26, Tepeyac Insurgentes, CDMX.

Nem DEUS nem AMO!
Por cada tortura e assassinato em nome do seu Deus!Na tensão anárquica insurrecional!

Pelo Comando Feminista Informal de Ação Antiautoritária,

Coatlicue

em grego

Itália: Atualização sobre a Operação Scripta Manent (cartaz)

No cartaz podem ler-se os endereços dxs companheirxs presxs. Uma nova conta da Croce Nera Anarchica [CNA] para recolha de dinheiro para xs companheirxs detidxs, foi entretanto aberta:

IBAN: IT67 To76 0101 6000 0101 5950 221, endereçada a Omar Nio.

México: O companheiro Abraham Cortés sai em liberdade!

Hoje [26 de Julho] à tarde recebemos uma chamada telefónica do companheiro Abraham Cortés na qual nos anunciou que depois de mais de três anos de confinamento, finalmente pisou as ruas, mediante o trâmite de liberdade antecipada.

Estamos muito contentes por transmitir esta notícia, pois Abraham foi um preso insubmisso durante todo o seu tempo na prisão, um companheiro que sempre manteve uma postura de combate perante o confinamento.

Ainda restam companheirxs atrás dos muros das prisões….a luta continua até que todxs sejamos livres.

Cruz Negra Anarquista México

Santiago, Chile: Reivindicação de ataque incendiário contra o SAG e a DGAC

Na noite de 30 de Junho – no âmbito do mês de agitação anárquica pela libertação da terra – decidimos organizar a nossa raiva e levar a cabo um ataque incendiário ao Serviço Agrícola Pecuário e à Direcção Geral de Aeronáutica Civil.

As motivações para levar a cabo esta ação directa são muitas e variadas; em primeiro lugar procuramos combatera modo de actuar especicista do SAG  –  já que propõe uma suposta salvação e preservação da natureza através da cdestrutiva intervenção da praga humana, pensando que esta espécie maldita tem autoridade para decidir como vive um animal, onde vive e por quanto tempo ele vive…nunca fomos nem seremos salvadores da terra, pelo contrário, hoje em dia somos os seus maiores destruidores. Para evitar este fatal destino existem dois caminhos – ou nos eliminamos como espécie ou fazemos o esforço de voltar às nossas origens, essas mesmas que temos esquecido graças ao falso progresso do capitalismo e do antropocentrismo.

Outro motivo para a nossa ação é a morte recente dos weichafes [lutadores mapuche] Patricio Gonzáles e Luis Marileo, que morreram a lutar em nome da terra, essa mesma que nos dá a vida e que nós apunhalamos pelas costas. Com esta ação queremos afirmar que o espírito guerreiro destes dois combatentes está mais presente que nunca, tanto nas lamas empapadas de raiva, amor e rebeldia que calcinam o sujo cimento como na natureza viva e indomável que resiste firmemente frente às garras do sujo capitalismo – para o qual a natureza não é mais do que um recurso.

A terceira motivação prende-se com o facto de nos encontrarmos nas vésperas do início de um novo processo de eleições – para de novo ser entregue de bandeja a nossa autonomia e a deixarmos sucumbir às decisões de um ser humano investido com o mito da autoridade – e não acreditamos na democracia, pois não existe um ser capaz de representar outro, não acreditamos nem nas eleições, nem em partidos nem na suja política, nem tampouco nos partidos políticos que tanto têm êxito entre os cidadãos – já que não se procura um melhor futuro para o mundo mas replicar atitudes que não fazem outra coisa  que fortalecer o pior cataclismo que a humanidade já viveu, o capital. Perante isto apelamos a NÃO SE VOTAR, mas sim a se organizar e a se fortalecer os laços de solidariedade e de afinidade, já que  relacionarmos-nos de forma horizontal e pelo simples desejo de o fazer é como uma comunidade surge.

EXIGIMOS A COMPLETA PARALIZAÇÃO DOS DIVERSOS PROJETOS QUE COMPÕEM A IIRSA JÁ QUE ESTES NADA MAIS FAZEM DO QUE CONTINUAR A ASSASSINAR A JÁ MUITO FERIDA NATUREZA, PARA ALÉM DE SE CONTINUAR A EXPANDIR O NOJENTO IMPERIALISMO

EXIGIMOS A LIBERDADE IMEDIATA DXS PRESXS POLÍTICXS MAPUCHES QUE COM FORÇA E CORAGEM LEVANTARAM UMA GREVE DE FOME, ALÉM DA LIBERDADE DE TODXS XS PRESXS EM COMBATE, JÁ QUE ENFRENTAR DE FORMA SUBVERSIVA ESTE SISTEMA NÃO É TERRORISMO, APENAS SOBREVIVÊNCIA

A todo o ser que leia este texto, fazemos uma chamada para que enfrente de forma direta os abusos e injustiças próprias do sistema neoliberal e do poder, esperando que esta pequena ação seja como una chispa que incendeie as mentes e os corações de todxs xs animais que acreditam na liberdade e num mundo novo.

LUIS MARILEO E PATRICIO GONZALES, SEMPRE PRESENTES EM TODA A AÇÃO COMBATIVA!

PELA LIBERTAÇÃO TOTAL DA TERRA, LEVANTAMOS-NOS EM PÉ DE GUERRA!

NESTE CONTEXTO A ÚNICA SAÍDA É LUTAR, NÃO TE SERVE DE NADA IR VOTAR!

ABAIXO TODAS AS JAULAS DESTA SOCIEDADE!

Santiago, Chile: Material da atividade de 27/5 em memória de Mauricio Morales

Compilado de textos em pdf aqui.

em espanhol

Santiago, Chile: Confrontos a 19 de Maio na Juan Gómez Millas

“A anarquia não se desvanece na boca: prevalece nas mãos ativas”
Mauricio Morales, anarquista de ação

I.

Todos os dias a aparelhagem do Poder – através dos seus diversos aparelhos – pretende, sob uma série de estratégias repressivas e de comunicação, isolar surtos históricos contínuos de resistência e ofensiva autónoma impulsados por diversos colectivos e individualidades que – longe de toda a lógica conciliadora e legalista- têm dado vida ao combate contra a hegemonia capitalista em todas as suas sus formas.

Nós rompemos o cerco com o qual nos pretendem controlar, em consequência sentimos-nos e posicionamos-nos ao lado daquelxs indómitxs que, de maneira informal, horizontal e auto-organizada, decidiram escapar, conspirar e atacar a ordem existente, encarnando o combate contra a forma de vida imposta pelas estruturas sociais da dominação.

A força e a violência foram utilizadas historicamente por grupos antagónicos ao Poder, com todos os seus acertos e erros temos aprendido a carregar com ela. Levar à ação a violência das lutas nas ruas – planificada – e sair em busca de confronto com a polícia, para a atacar e provocar o maior dano possível é uma decisão una que alguns indivíduos assumem sem imposições, dirigentes, líderes ou vanguardas, conectando-nos com diversas  recordações e histórias, mas sempre sob o impulso de destruir este sistema de morte, levantado pelo Poder e a Autoridade.

II.

O contexto que se vive actualmente no Wallmapu é um exemplo concreto de que a guerra é real, refletindo-se nos ataques por parte do Estado – cuja motivação é a vingança perante a digna resistência das comunidades que lutam pela sua autonomia  e livre determinação. Neste caminho, aquelxs que se confrontaram com a usurpação e o despojo, receberam o mais sujo e miserável da omnipotência neo-colonial.

Como seres que negam e combatem toda a autoridade, não podemos ficar indiferentes perante o claro exemplo da dignidade que algumas comunidades mapuche deram. Demonstram-nos explicitamente que a autonomia não se negocia, pelo contrário consegue-se mediante a materialização de expressões concretas de luta e organização. É na confrontação em que nos encontramos que se vai ganhando, milímetro a milímetro, dignidade e valor. Como foi demonstrado a 19 de Abril do presente ano – quando diversas comunidades se negaram ao CENSO com barricadas, pedradas e confrontos, defendendo a sua autonomia, encerrando assim a possibilidade de diálogo com o inimigo, muito menos aceitar formar parte das suas estatísticas tecnocratas funcionais ao controlo e à opressão.

III.

Recordamos a partir do fogo da vida do guerreiro e companheiro Mauricio Morales, o qual há 8 anos morreu em ação, na madrugada de 22 de Maio de 2009. Irmanamos-nos com as ideias e práticas que o companheiro defendeu e propagou através de diversas ferramentas  e materiais, sempre a partir de uma visão multiforme do prisma anárquico, com as quais concebemos a luta.

Nas ruas, solidarizamos-nos com xs companheirxs Nataly Casanova, Enrique Guzman e Juan Flores, que estão a enfrentar desde Março o julgamento contra elxs, arriscando condenações que vão de 10 anos até prisão perpétua. Os compas têm enfrentado com dignidade todas as jogadas repressivas – que tanto a polícia como os gendarmes (guardas prisionais) abatem sobre elxs, decididxs a não hesitar nem mostrar arrependimento de quem decidiram ser.

Nataly, Juan, Enrique em liberdade!

Com todo um mundo por destruir, avançamos com xs nossxs mortxs em combate contra o Poder.

Chile: Compilado de textos do companheiro preso Marcelo Villarroel Sepúlveda


•   Palavras iniciais

“Não sou cidadão, não creio na democracia, não acredito no Estado, não creio em nenhuma das regulações impostas para se poder viver livres”.
– Palavras do compa, no final do julgamento pelo “caso security”. Junho de 2014.

Esta nova edição, tem o objectivo de multiplicar algumas palavras de resistência  – emitidas a partir da prisão de alta segurança neste território – do libertário Marcelo Villarroel Sepúlveda.

O compa Marcelo é um preso subversivo – atualmente a cumprir uma condenação de catorze anos pela expropriação de dois bancos, numa das quais foi abatido um polícia. Este caso mediático foi nomeado “caso security”. Além disso, cumpre uma condenação anterior, à volta de quarenta anos, por várias ações guerrilheiras – quando no passado combateu a ditadura militar e posterior transição à democracia, formando parte do então grupo armado Mapu-Láutaro.

Sem dúvida que a história de guerra do companheiro é digna de ser resgatada – já que aqui se manifesta uma clara experiência na base de valores, ideias e práticas contra esta sociedade indolente e a autoridade em todas as suas expressões, o poder político, o capitalismo, o Estado no seu conjunto. Sendo o amor, a solidariedade, o apoio mútuo e a ação direta, entre outros, os cimentos primordiais de uma práxis subversiva autónoma e libertária que resiste e continua, contra ventos e marés.

Para finalizar, desafiamos todas as mentes conscientes a tomar uma posição protagonista na solidariedade com xs companheirxs na prisão. Retro-alimentamos-nos entre afins, difundamos os seus textos, conheçamos as suas experiências de vida, recordações de combate, acertos e erros – já que estes são uma contribuição mais no conflito e luta contra tudo o que cheire a capital, poder e autoridade.

Ps: Esta 1ª publicação é a continuidade do antigo projecto editorial do Colectivo Luta Revolucionária (finalizado em Dezembro de 2016); hoje voltamos a sacar novos exemplares através da Feira Anarquista Lambros Foundas.

Xs editores.
Maio, Santiago 2017.

•   Breve cronologia

14 de Abril de 1973: Nasce o compa, em Santiago do Chile.

Novembro de 1987: É detido aos 14 anos, a seguir a uma propaganda armada do Mapu-Láutaro num liceu. Foi libertado 1 semana depois e esteve com liberdade vigiada até Outubro de 1989, momento em que voltou à prisão, por ações subversivas. Esteve 9 meses recolhido, sendo nessa altura o preso com menor idade do continente, segundo informações do Comité Internacional da Cruz Vermelha.

13 de Outubro de 1992: É detido quando tinha 19 anos, num operativo da inteligência policial realizado em Lo Prado – o compa opôs-se via confronto armado junto a dois compas mais, um deles faleceu algum tempo depois. Marcelo recebeu 3 balas e foi transferido, ferido, à Brigada de Homicídios de Investigações, onde foi torturado com electricidade e sofrendo vários golpes durante 15 dias.

Dezembro de 2003: O compa acede a benefícios intra-penitenciários, saindo da prisão. A condenação era até ao ano 2043 – acusado de ataque à embaixada de Espanha – por associação ilícita, expropriações, repartições de alimento em povoados, confronto armado com a escolta do intendente Luis Pareto e ataques armados a furgões policiais, em Cerro Navia e Conchalí.

18 de Outubro de 2007: É expropriado o Banco Security em Santiago Centro, durante a retirada os assaltantes abatem o polícia Luís Moyano. Depois destes factos, a imprensa e a polícia apontam-no como um dos assaltantes; o compa decide passar à clandestinidade. Desta maneira quebra o benefício intra-penitenciário.

15 de Março de 2008: O compa é detido, em San Martín de Los Andes, Argentina. Sendo acusado de porte de armas de guerra foi condenado a 3 anos e 6 meses de prisão. Quando já tinha cumprido metade da pena, é expulso a 16 de Dezembro de 2009  e é levado para a Prisão de Alta Segurança, em Santiago do Chile.

Julho de 2014: Após 4 anos de prisão preventiva, em diversos sectores da Prisão de Alta Segurança, após um longo julgamento, Marcelo é por fim condenado a 14 anos de prisão, pela expropriação de 2 bancos e para além disso deverá cumprir a condenação anterior, até ao ano 2043, pelas diversas acções, descritas anteriormente.

Clica aqui para leres/descarregares a publicação.

[Prisões mexicanas] Nova atualização da situação do anarquista Fernando Bárcenas

Resumo recebido a 25 de Julho

Como se tem vindo a informar por diversos meios desde 13 de Julho, o companheiro Fernando Bárcenas, preso no reclusório norte, encontra-se encerrado permanentemente numa cela da zona de isolamento – onde é mantido pela instituição desde Setembro de 2016; este encerramento ocorreu sob o pretexto de que Fernando se defendeu das agressões de um preso afim à administração carcerária. Por fim, após uma semana nesta situação, a 19 de Julho Fernando foi levado para uma área de máxima segurança e portanto de maior segregação, onde para além disso foi ameaçado pelo pessoal da custódia pela seu labor no jornal El Canero, ali mesmo lhe sendo revistada a correspondência e documentos pessoais; nesta nova zona mantêm o companheiro em encerramento total. No entanto, durante estes dias, Fernando também recebeu mostras de solidariedade, de gente que de diversas latitudes o reconhecem como companheiro e que repudiam não só as represálias contra Fernando por sustentar os seus projetos ainda que em condições de encerramento mas também o castigo que o aparelho carcerário representa.

As diversas iniciativas realizadas em solidariedade com Fernando Bárcenas ajudaram a amortizar as agressões contra si, esperando-se que nos próximos dias seja posto fora de toda a área de isolamento. No entanto isto não é suficiente, queremos a liberdade do nosso companheiro, pelo que apelamos a seguir atentamente o que sucede com ele mas, principalmente a exercer pressão sobre o governo da cidade do México no sentido de Fernando ser libertado.

Santiago, Chile: Ação direta contra a sociedade carcerária (14/7)

A 14 de Julho voltamos a sair às ruas contra o genocídio do estado a cerca de 1.300 pessoas contidas nas suas celas para menores; temos desprezo da fixação cidadã no encarceramento (como forma de reinserção) daquelxs que atentam contra os seus esquemas e costumes, contra as suas leis e normas. São elxs mesmxs culpadxs, xs que clamam pela privação de liberdade destes indivíduos e que com o seu silêncio são cúmplices da sua dor e morte. A marginalização precoce de crianças e jovens é da responsabilidade de cada cidadão/ã que fomenta e trabalha para esta sociedade exploradora e que lava as mãos pedindo uma justiça inexistente (para reparar os problemas provocados pela sua própria forma de vida, a sua própria ordem, o seu próprio estado).

Agora, estos mesmxs cidadãos, num acto de “caridade” apelam a uma marcha pacífica pelas “nossas crianças” no próximo 5 de Agosto; não compreendemos como perante um milhar de assassinatos em democracia pode haver gente que continue a dar a outra face e a “expressar” o seu descontentamento e que com isto esteja tudo saldado……fazemos uma chamada para esta convocatória, mas com raiva, com o objetivo de ampliar o caos nas mentes e ruas desta sociedade das prisões, chamamos a que se propaguem as ações diretas contra toda a promoção do isolamento e da tortura…

contra toda a jaula desta sociedade, contra toda a prisão criada pelo poder e a autoridade…1313 pessoas assassinadas em democracia; 1313 motivos para continuar a combater; assassinadxs nas prisões para menores (sename) pelo delito de não serem servis a esta sociedade e a este sistema, por serem às vezes “perigosxs” para esta, anuladxs pelo adultocentrismo, cometeram o delito de serem exploradxs por normas, esquemas, regras e leis; cortaram-lhes as asas, sedaram-lhes as mentes, tiraram-lhes as suas vidas…atrocidades que ocorrem quotidianamente neste sistema de controlo; perante isto organizamos-nos, revelamos-nos e combatemos, não queremos já reformar as cadeias mas sim destruí-las…
Até que se destrua todas as prisões desta sociedade, até se queimar toda a bófia, guardas prisionais, presidentx, cidadãos que a defendam!

PELXS 1.313 ESMAGADXS POR ESTA SOCIEDADE, CONTINUAMOS EM PÉ DE GUERRA CONTRA A AUTORIDADE!

Buenos Aires, Argentina: Ataque incendiário contra igreja

Comunicado recebido a 20 de julho

Na madrugada de 11 de Julho deixamos uma “oferenda”incendiária à porta de uma igreja situada no cruzamento da rua Dorrego com a Av. Corrientes.

Levamos a cabo esta ação tendo em conta a proximidade da nojenta festa da pátria do dia 9 de Julho e a recente detenção de Facundo Jones Huala.

Não mais do que um pequeno gesto de solidariedade frente à crescente repressão e ao avanço tecnológico dos Estados, neste caso o chileno e o argentino.

Liberdade para Facundo Jones Huala!

Pela defesa da Terra!

Anarquistas contra toda a autoridade

N.T. Facundo Jones Huala é um lutador mapuche, perseguido pelo estado chileno, que se encontrava na Argentina, preso presentemente.

Kiev, Ucrânia: Carro de luxo incendiado pelo grupo anarquista “Vingança de Marusya Nikiforova” – FAI

Às 2 da manhã [16 de Julho de 2017] anarquistas incendiaram um luxuoso Range Rover Evoque de 3 portas da Land Rover. O carro estava no parque de estacionamento privado de um edifício residencial de 9 andares, na rua Olevskaya, nº 3 – B, na zona de Novobylici na cidade de Kiev. Como resultado da ignição o carro ficou completamente calcinado.

Assumimos a responsabilidade pelo fogo posto num carro caro nos arredores da cidade. Esta ação foi planeada e levada a cabo pois desprezamos esta próspera merda.
Percorrendo o distrito na área de Novobelichi encontra-se muitos sem abrigo e gente pobre, vivendo em prédios altos, degradados e que são baratos.  Os seus ganhos mensais ou pensões dão somente para se alimentarem e comprar as coisas básicas de sobrevivência. Com esses parcos rendimentos seria impossível economizar para comprar um carro de 10 mil dólares, ainda menos de forem 30 mil ou mais.

Mas, entre esta pobreza em massa distingue-se claramente a classe dos cidadãos indinheirados. Eles têm boas casas, rendimentos alto e chiques carros ligeiros de 3 portas. Para eles é nojento apanhar o metro e os autocarros da cidade colapsada não lhes são familiares. Orgulham-se da ostentação da riqueza e da sua suposta superioridade social. Não querem saber como vivem os seus vizinhos. Pensam que é a ordem natural das coisas e que sempre deveria ser assim.

Bem … Nós, por sua vez, também não nos preocupamos com essas pessoas ricas. Vamos queimar-lhes os bens e, se possível, expropriá-los. Não têm nada humano e entendemos isso perfeitamente.

A revolução em 2014 não trouxe mudanças fundamentais. Hoje, o presidente do país é o “oligarca do chocolate” Poroshenko. Trata-se do último bastardo demagógico, tal como o foi o Yanukovych derrubado. As autoridades ainda utilizam estratagemas para enganar as pessoas, ligando os problemas da guerra com os separatistas. E, ao mesmo tempo, em algumas áreas da capital há meses que não há água quente. Claro que este modo de vida não é familiar ao presidente tal como aos ministros e deputados.

Os/as anarquistas têm muito trabalho a fazer. À nossa frente, esperando-nos, uma luta perigosa e intransigente. Portanto: obter armas, resistir. O revolução social surgirá!

Aproveitando a oportunidade, expressamos calorosas palavras de solidariedade com xs companheirxs que recentemente incendiaram uma concessionária Porsche, em Hamburgo, queimaram uma carrinha diplomática e, no geral, tentaram pôr de pé o inferno durante a Cimeira do G20.

[Também algumas palavras sobre esse fogo posto]

O guarda do estacionamento acabou por se revelar uma pessoa comum. Em vez de ter dado um vigilância vigilante aos carros caros de cidadãos corruptos, tomou uma posição horizontal, ligou o laptop – simplesmente descansou.

O nosso louvor a tais guardas.

Para enviar este carro para o inferno, precisávamos apenas de 1,5 litros de uma mistura combustível (napalm). Foi despejado entre a tampa do motor e o pára-brisa. A mistura foi incendiada com um rifle de caça”.

No site oficial do “Serviço de Estado da Ucrânia para Emergências de situações em Kiev ” está escrito que a chamada chegou às 2:01, mas o fogo só se apagou às 2:50.

Grupo anarquista “A vingança de Marusya Nikiforova” / FAI

N.T. Marusya Nikiforova é o nome popular de Maria Nikiforova (1885–1919) – Guerrilheira anarquista ucraniana (Exército Insurrecional Revolucionário da Ucrânia).

Letra da canção no vídeo:

Tudo o que explode, tudo o que queima,
Para nós no nosso caso vai ajudar.
Há tantas boas razões,
O mundo dos ricos para perturbar.

Um, mundo dividido em classes é impossível!
Dois, mundo dividido em classes!
Três, mundo dividido em classes!

Tudo o que roubaram de nós
não é possível recuperar sem luta.
Este é um dos motivos sérios,
Bater na burguesia!

via insurrectionnews

Itália: Novidades da operação Scripta Manent e algumas reflexões…

Pintura de Jean Léon Gerome “A Verdade saindo do poço”

Nos dias 11, 17, 18, 19 e 20 de Julho, haverão audiências preliminares referentes à investigação “Scripta Manent”. Relembro que, desde 3 de Julho, aos/às companheirxs já sob investigação foram adicionadxs outrxs – 5 companheirxs da Croce Nera Anarchica, eu por RadioAzione [site anarquista, em italiano, fechado pouco tempo depois] e a companheira que geria a RadioAzione Croácia, em relação à qual foi decidido, na audiência de 26 de Junho, que só estaria presente nas audiências seguintes.

Lançando um olhar ao dossier, tomamos conhecimento que uma investigação tinha sido aberta desde 2012, pelo ministério público de Nápoles, contra mim, um velho  companheiro, já indiciado na operação Marini [mega operação anti-anarquista conduzida em toda a Itália na segunda metade dos anos 90 pelos ROS, o serviço especial dos Carabinieri, sobre ordem do procurador de Roma] e outrxs companheirxs da região de Lazio, referente à  Federação Anarquista Informal.

Durante cinco anos sofremos um controlo total e isto levou a que outrxs companheirxs fossem colocados sob investigação, entre outrxs a companheira croata de RadioAzione.

Key logger instalado no computador, interseções telefónicas, vigilância ao longo de mais de 600km … do género: “Se eu me esqueci onde meti algo, posso perguntá-lo à Agente Elena (nome que deram ao software espião keylogger)”.

Após cinco anos de controle fictício, a 10 de Janeiro, o ministério público de Nápoles tinha solicitado a minha detenção, a da companheira de RadioAzione Croácia e a de dois companheiros gregos (um dos quais já aprisionado por C.C.F).

A partir desse momento passou tudo para as mãos do ministério públicio de Turim e  do  promotor Sparagna – visto o ministério público de Nápoles não ter competência para os tipos de delito de que nos haviam acusado.

De que é que somos acusadxs?

De ter feito contra-informação através de sites de internet e de jornais, de ter traduzido textos  de reivindicação de ações vindas do mundo inteiro, de ter apoiado, sustentado, de nos termos solidarizado e ter feito prova de cumplicidade com xs companheirxs anarquistas Alfredo e Nicola, de termos recolhido dinheiro para xs companheiros na prisão. De termos formado uma célula italiana, croata e grega da Federação Anarquista Informal.

Nalgumas passagens do processo o juiz de turno, tentando alimentar as distâncias existentes entre alguns/mas de nós e o resto do movimento anarquista, inventa do nada através de escutas (re)transcritas à sua maneira desacordos entre mim e certxs companheirxs da Croce Nera Anarchica – companheirxs com quem houve desde o princípio uma completa colaboração num jornal anarquista que reconhecemos ser o único que vale a pena ler e isto de tal forma que até sou acusado de organizar a apresentação deste projeto em Nápoles. Só falo nisto para refrear maledicências.

Se são estas as acusações, então:

Reivindico ter publicado no site RadioAzione tudo com o qual eu tinha afinidade.

Reivindico ter dado e continuar a oferecer solidariedade e cumplicidade para Alfredo, Nicola e todxs xs outrxs companheirxs-irmãos/ãs  que foram presxs em Setembro passado [na operação Scripta Manent].

Reivindico o facto de ter recolhido dinheiro para xs companheirxs detidxs.

Reivindico o facto de ter organizado o encontro da Croce Nera Anarchica em Nápoles. na esperança de organizar outros no futuro.

Reivindico o facto de ser anarquista, individualista e pela insurreição.

(agente Elena copiou tudo bem e fotografou? Agora relate aos seus chefes!)

Somma Gioacchino, Julho de 2017

fonte anarhija via attaque

México: Atualização da situação do preso anarquista Fernando Bárcenas

“SOLIDARIEDADE COM FERNANDO BÁRCENAS – NÃO ESTÁS  SÓZINHO” Faixa de solidariedade com o compa Fernando Bárcenas – Bloomington, Indiana (EUA) – Fev/2016.

Em Julho foi feita uma Chamada à solidariedade com o compa Fernando Bárcenas.

Desde sexta-feira, 14 de Julho, Fernando Bárcenas foi colocado em isolamento total na sua cela por ordem da instituição. Entretanto o assédio e a violência exercida contra ele por outros presos a soldo da administração penitenciária tem vindo a aumentar.

O compa enviou uma carta pública a 16 de Julho de 2017 sobre as condições de isolamento em que se encontrava, das agressões de que tem sido alvo por parte de reclusos a soldo da administração e do perigo que isso representa para a sua integridade física e emocional.

A mãe de Fernando Bárcenas Castillo enviou a 17 de Julho as seguintes informações:

“Até hoje, as autoridades prisionais mantêm Fernando na mesma área do seu agressor, apesar dos pedidos para mudança, solicitados repetidamente. Ele ainda apresenta traços de contusões e de mordedura na mão, sem ter recebido atenção médica e está em total isolamento,por ordem da instituição, Isto representa um risco para a sua integridade física.”

Hoje, 19 de Julho, a CNA México emitiu um comunicado no qual se refere ao papel dos grupos de máfia que operam no interior da prisão e que exercem um forte controlo para que nada perturbe a tranquilidade da prisão – sem protestos que serão maus para o seu negócio – e por outro lado esclarece os esforços do Fernando e de outros compas para estabelecer com outros presos um processo de construção de comunidade onde se compartilha problemas e necessidades e em que juntos, cooperando, os conseguem resolver, sem necessidade da autoridade.

Para lhe escrever – o compa encontra-se atualmente na zona 7 do CDUDT – Centro de diagnóstico, classificação e determinação de tratamento:

Fernando Bárcenas
Reclusorio Preventivo Varonil Norte
Calle Jaime Nuno no. 155, Colonia Guadalupe Chalma,
Cuautepec Barrio Bajo, C.P. 07210, Gustavo A. Madero,
Ciudad de México.

Chamamos para se estar atentx à situação do Fernando. Exigimos à Prisão Norte a sua imediata transferência à zona da população prisional em geral.

Se tocam a um/a tocam a todxs!

Liberdade para todxs!

[Prisões mexicanas] Carta pública do compa Fernando Bárcenas (16/7/2017)


CARTA PÚBLICA DO COMPANHEIRO FERNANDO BÁRCENAS

16 de Julho de 2017, a partir do Reclusorio Norte (Prisão Norte da Cidade do México)

Primeiro quero começar por sublinhar que a minha situação nos últimos meses tem vindo a tornar-se cada vez mais complicada – mais concretamente desde que fui condenado à zona 7 do C.O.C. da prisão (Centro de Observação e Classificação) – como castigo e repressão das ações de protesto e organização que tenho vindo a levar a cabo na prisão, juntamente com outros companheiros.

Desde esse momento, 28 de Setembro de 2016, tenho-me encontrado imerso numa dinâmica de vida asfixiante numa zona de castigo onde crescem os conflitos – após 9 meses de segregação por motivos de segurança institucional, devido às minhas ideias e à minha forma de ser e actuar – identificando isso como uma forma de violência da instituição contra mim, pois ao não ser possível me agredirem frontalmente através do seu pessoal, agora utilizam os presos para me intimidar e me agredir, uma táctica muito comum na prisão; esta situação já provocou vários confrontos na área onde me encontro, pelo que faço responsável a instituição e os encarregados de a administrar por qualquer coisa que suceda à minha integridade física e psicológica visto serem os responsáveis de me manterem nesta situação.

Fernando Bárcenas

Desde sexta-feira, 14 de Julho que Fernando Bárcenas se encontra em encerramento total na sua cela, por ordem da instituição, enquanto o assédio e a violência contra ele por parte de alguns reclusos afins à administração tem vindo a aumentar, pelo que é feita uma chamada urgente para se exigir que seja retirado da zona de castigo – pelo risco iminente que representa para a sua vida, bem como para que o companheiro sinta a nossa solidariedade de várias maneiras. Por favor difundir esta informação.

Aqui estão os dados da prisão (morada, telefones e nome do director) para quem deseje ligar, mandar faxes ou visitar o centro:

Reclusorio Preventivo Varonil Norte: Calle Jaime Nuno no. 155, Colonia Guadalupe Chalma, Cuautepec  Barrio Bajo, C.P. 07210, Gustavo A. Madero, Ciudad de México, Teléfonos: 5306 4540 / 5306 2540. Director: Enrique Serrano Flores

Nota dxs tradutorxs:
Fernando Bárcenas Castillo é um jovem anarquista [estudante e músico, trabalhador de uma fábrica de móveis] de 21 anos – com 18 anos de idade quando foi detido a 13 de Dezembro de 2013, na sequência dos protestos contra o aumento do preço dos bilhetes de metro na Cidade do México. Desde então em prisão preventiva, acusado de queimar a árvore de Natal da empresa Coca-Cola. Encontra-se novamente numa zona de segregação, desde Setembro de 2016, como resposta da instituição prisional à sua última greve de fome. Foi condenado a 5 anos e nove meses de prisão e ao pagamento de uma multa de cerca de 35,550 pesos (€ 1755) em Junho de 2017.

em espanhol l francês

Prisões mexicanas: Solidariedade com o compa anarquista Fernando Bárcenas!


ALERTA. DENÚNCIA PÚBLICA PELO ISOLAMENTO IMPOSTO A FERNANDO BÁRCENAS

Fernando é um companheiro anarquista, preso no reclusório norte da cidade do México desde 2013 e que se tem mantido ativo dentro da prisão em diversos projetos. Grande parte da sua vida dentro dos muros tem sido mantida em regime de isolamento. A partir da sua última greve de fome, juntamente com três companheiros mais, Miguel Peralta, Abraham Cortés e Luis Fernando Sotelo – como parte de uma jornada de luta empreendida a partir de diversos centros de reclusão, em Setembro de 2016 – foi transferido a uma área de isolamento no reclusório e nesta condição foi mantido mais nove meses como forma de castigo por ser rebelde e ser um companheiro que continua a contribuir com propostas e açõesa na luta pela liberdade total.

A zona onde Fernando se encontra está permeada de conflitos e tensão constantes – próprias do isolamento mas que se agravam no seu caso, pois o assédio sobre ele é constante – tudo isso gerou danos na saúde do nosso companheiro, pondo em risco crescente a sua integridade física e emocional; a situação terá piorado nas últimas semanas, pelo que esta chamada urgente é tanto para exigir o fim imediato do isolamento de Fernando Bárcenas como para exteriorizar a nossa solidariedade até ele; pedimos também para estarem atentxs e dar difusão a esta informação e o se vá gerar nos próximos dias.

Queremos Fernando Bárcenas em liberdade!

Até que todxs sejamos livres
Julho, 2017

Reclusório Preventivo Varonil Norte: Calle Jaime Nuno no. 155, Colonia Guadalupe Chalma,  Cuautepec Barrio Bajo, C.P. 07210, Gustavo A. Madero, Ciudad de México, Teléfonos: 5306 4540 / 5306 2540

em espanhol 

[20 a 27 de julho] Semana internacional de solidariedade com xs arguidxs de 20 de Janeiro (EUA)

A semana está a ser realizada para que se aumente a consciência sobre o caso de 215 companheirxs nos Estados Unidos que foram detidxs durante manifestações na inauguração de Donald Trump. Todxs elxs enfrentam acusações muito graves e várias décadas na prisão.

O 20 de julho marca seis meses após as ações iniciais e prisões durante a inauguração de Donald Trump e, em 27 de julho, uma moção para rejeitar penalizações será discutida em tribunal. Com a data do tribunal a aproximar-se e os casos em curso, este é um momento crucial para uma segunda Semana de Solidariedade.

Envie relatos, fotografias e perguntas aos/às detidxs para:
J20solidarity@protonmail.com

Chamada em inglês  l alemão

[Após o G20 em Hamburgo] Chamada de solidariedade

Na altura de caça aberta da bófia, media e “público” aos/às manifestantes anti-G20 (incluíndo-se as demandas de um linchamento que circula na internet), é essencial lembrar quem ficou feridx durante os protestos contra a Cimeira do G20 em Hamburgo e as dezenas que ainda estão sob investigação, enjauladxs pelo Estado alemão.

Nenhuma consideração, no entanto, para uma grande parte da sociedade que – juntamente com as autoridades públicas e os media – não só aceita o estado policial, que se testemunhou em Hamburgo, como ainda o deseja ver reforçado.

Agora é hora de grupos e/ou indivíduos organizarem eventos de solidariedade, reforçarem as doações e expressarem todo o tipo de apoio com xs presxs, p. ex. escrita de cartas, assim que os endereços de contato sejam conhecidos.

Vamos agir em solidariedade com todxs os represaliadxs durante o G20 e atualizar sobre a sua situação, através de redes de informação. Certifique-se de que elxs não ficam sózinhxs.

Quanto mais ações, mais pressão sobre as autoridades, os media e o seu mundo. Pela anarquia!

alemão l inglês l italiano l espanhol

Oaxaca, México: Reivindicação de ataque explosivo contra caixa de Banorte

Comunicado recebido a 13/07/2017 juntamente com as fotos:
Negamos-nos a deixar que a tranquilidade domine, optaremos por subverter a paz social, decidimos-nos pela confrontação.
Não esperaremos por conjunturas, provocaremos conflitos e devolveremos os agressões, assumimos a guerra no dia a dia, nunca mais seremos escravxs. Continuarão a ressoar explosões, cada vez mais contundentes e diretas.
O que se passou esta noite foi apenas um teste, afiaremos melhor as facas.
Reivindicamos a colocação do dispositivo explosivo num caixa automático do Banorte, situado no centro da podre capital oaxaquenha..

Connosco não se negocia.
Nunca pediremos justiça, procuraremos vinganças!!
Complicidade com xs clandestinxs que uivam e mostram as presas.
Saudações a todxs xs compas que combatem dentro das jaulas!!

Viva a Anarquia!!!

em grego

Atenas: Faixas de solidariedade internacionalista, em Exarchia

Na manhã desta terça-feira, 11 Julho de 2017, membros da Okupa Themistokleous 58, juntamente com compas afins, levantaram algumas faixas em solidariedade com três casos diferentes.

TEMOS AS CHAVES DE TODAS AS PORTAS, SOLIDARIEDADE COM A OKUPA KIKE MUR EM SARAGOÇA, ESPANHA..

A partir da varanda da 58 pendurou-se uma faixa em apoio à C.S.O Kike Mur, em Saragoça, Estado espanhol, que está ameaçada de despejo pelas autoridades locais. No edifício (uma antiga prisão), ocupado há 7 anos, há espaço para atividades e expressões de solidariedade anarquista, como foi o caso da faixa gigante no âmbito da campanha internacional do Fevereiro Negro, em Fevereiro de 2013.


SOLIDARIEDADE COM XS INSURRECTXS DO NO-G20.

Nas grades da antiga faculdade de Química foi colocada uma faixa para apoiar todxs aquelxs que enfrentaram as forças repressivas nas ruas de Hamburgo nos últimos dias, contra a Cimeira dos 20 Estados mais poderosos do planeta. Agora é o momento de difundir a necessidade de apoiar xs reféns da G20.

ASS(A)LTA OS BANCOS ! LIBERDADE PARA LISA, ANARQUISTA PRESA NA AL€MANHA.

Das janelas do edifício Gini, na Politécnica, pendurou-se uma faixa em solidariedade com Lisa, anarquista condenada a 7,5 anos de prisão por assalto a banco em 2014, em Aachen, na Alemanha.Que não se deixe nenhum/a presx nas mãos do Poder: ATAQUE AO ESTADO/CAPITAL E À DOMINAÇÃO!

Okupa Themistokleous 58
e compas afins

em grego l inglês l alemão l espanhol

Besançon, França: Ação de solidariedade com xs insurretxs em Hamburgo no âmbito da Cimeira do G20

Alguns/mas em Besançon, durante a Cimeira do G20, em Hamburgo, grafitaram vários slogans. Já outros slogans que foram graffitados a spray, tais como: “Welcome to Hell G20” [Bem-vindo ao Inferno, G20], “Contre le G20 et son monde” [Contra a Cimeira do G20 e o seu mundo] ou “Sauvez la nature, détruisez la civilisation” [Perseva a natureza, destrói a civilização] (A) infelizmente já não poderiam ser fotografados, porque rapidamente foram removidos pelos Serviços de limpeza municipais.

ESMAGA G20

HAMBURGO ESTÁ A QUEIMAR (A)

ABAIXO O CAPITAL! NO G20 (A)

SOLIDARIEDADE COM A REVOLTA EM HAMBURGO – NO G20

“Hamburgo incontrolável! Nog20” (graffiti deixado na fachada dos escritórios da SDF – a companhia de segurança que instala entre outros, o sistema de alarme e vigilância em supermercados).

NEM LEI NEM PATRÃO

NEM LEI NEM MACRON SOLIDARIEDADE COM XS IMIGRANTES

ABAIXO A DITADURA DO CAPITAL

HABITAÇÃO PARA TODXS, PROPRIEDADE DE NINGUÉM (A)

em alemão

Hamburgo: Bem vindo ao infernal inferno dum estado policial

Até 7 de Julho de 2017
A polícia atacou como se tornava previsível já – nos dias anteriores à manif do Welcome to Hell da noite de quinta-feira – de forma brutal e quase sem aviso. Pessoas subiram os muros laterais, em pânico, canhões de água extremamente perto e virados até para as pessoas que se encontravam nos telhados circundantes a observar a paisagem. O ataque foi executado simultaneamente em vários locais, um ataque frontal, lateral e pela retaguarda de extrema violência. A assembleia com mais de 10 000 manifestantes, no mercado de peixe de Hamburgo, foi dissolvida cerca das 20 horas. A raiva reprimida irrompeu; após a derrota da manif, cerca de 4000 pessoas participaram noutra manif espontânea e foram feitas várias ações diretas nas ruas de Hamburgo durante o resto da noite e que se prolongaram até ao dia seguinte.

7 de Julho de 2017 e madrugada de 8 de Julho
Num bloqueio, na sexta-feira de manhã, na Schnackenburgallee  cruzamento com a Rondenbarg, foram relatadas dezenas de pessoas presas, muitxs delxs feridxs. Para escapar da violência da polícia, os manifestantes tentaram ultrapassar uma cerca de quatro metros de altura, o qual entrou em colapso sob o peso de pessoas. A polícia provocou nesse momento uma situação de pânico sem ter em conta as consequências. O resultado: 14 feridxs foram hospitalizadxs, dos quais 11 gravemente feridxs.

Após o dia da abertura da cimeira do G20, na noite de 6ª feira para sábado, a polícia perdeu completamente o controlo de zonas de Hamburgo. Nem os 15.000 polícias – além dos solicitados a outros estados e que já foram aprovados – nem os mais de 20 canhões de água ainda a ser utilizados, nem a massa pulverizada de gás lacrimogéneo nem a cassete nem os punhos conseguiram colocar a situação sob controlo. Por último, na cidade hanseática, assistiu-se à utilização de unidades especiais fortemente armadas anti-motim a serem utilizadas contra a sua própria população.
Depois da meia-noite, uma força especial armada com metralhadoras invadiu uma casa dos Demónios Verdes, onde xs paramédicxs da manif tratavam xs feridxs. Uma pessoa ficou ferida e tão mal que xs Demónixs queriam levá-la a um hospital. Demónixs foram interpeladxs e chamadxs com uma metralhadora em riste: “Mãos ao alto!” E isso significa claramente que de outra forma isso seria feito pelos tiroteios. Em seguida, xs paramédicxs da manif foram levadxs individualmente para dentro de casa, entretanto estão todxs livres, novamente. A pessoa ferida foi colocada nos serviços de emergência, após negociações com a polícia.

Mas não é só nas ruas, a polícia vai usar a força contra todxs xs que se opõem a eles. No centro de detenção na Schlachthofstrasse, em Hamburg-Harburg, um advogado foi maltratado por três policias durante a madrugada de 8 de Julho. O advogado insistiu que o seu cliente não iria partir, o que levou a bófia a agarrar-lo e a agredi-lo no rosto, torcerem-lhe o braço e a arrastarem-no depois para fora do centro de detenção.

Dias 8 e 9 de Julho
Após o dia da ação contra a cimeira do G20 a 7 de Julho e da evacuação da polícia do bairro Schanzenviertel, a LKA (autoridade policial do estado federal) invadiu o centro internacional B5 na Brigittenstrasse em St.Pauli. Às 10:45 da manhã, uma unidade de captura de provas invadiu a casa do clube e agrediu as pessoas presentes, assim como dois apartamentos particulares no mesmo edifício foram pesquisados. Durante as incursões, duas pessoas ficaram feridas e foi lhes negado atendimento médico.

Em 8 de Julho, ocorreu uma manifestação massiva com o lema “Solidariedade sem fronteiras em vez de G20. Durante a manif houve várias operações policiais contra os manifestantes. Os manifestantes de Hamburgo foram particularmente alvo de uma unidade de captura de provas.

Em toda a cidade, a polícia de Hamburgo procurava ativistas internacionais em albergues e em estações de trem. Alegadamente, as autoridades estavam especialmente à procura de manifestantes italianos e franceses enquanto procuravam bandeiras curdas. Já durante a grande manifestação, cerca de 15 italianos foram presos. Ordens de prisão foram emitidas contra 15 pessoas, 28 permanecem em prisão preventiva. Alguns dos detidos foram transferidos para prisões em Billwerder e Hanöversand. As celas do centro de detenção em Harburg foram lotadas sem necessidade. Certas células foram ocupadas por oito em vez de cinco reclusos. A temperatura nas celas chegou aos 35 °C, não lhes tendo sido fornecidas celas com climatização. Alguns dos presos relataram que só receberam duas fatias de pão, no decorrer de 24 horas.

Para domingo, foi anunciada uma manifestação no centro de detenção de Harburg para exigir a libertação de todxs xs presxs. Segundo o comunicado emitido “Vamos continuar a demonstrar a nossa solidariedade com xs detidxs e a raiva contra os órgãos de repressão nas ruas, exigindo a sua libertação e contra a repressão e prisões“.
A manif começa na Praça Harburg Town Hall (S-Bahn-Harburg Rathaus), passando pelo centro de detenção e terminando no centro de Harburg.

Por uma vida sem prisões e repressão 

Mais informação: g20ea.blackblogs.org/

[Brasil] Conheça seus inimigxs: Contra a Monsanto e tudo o que a faz possível

Rio Grande do Sul, 8 de Julho de 2017

O agro-negócio implica todos os processos que englobam a produção, processamento e comercialização de bens de origem agrícola e pecuário. É uma indústria que vai da produção de matéria prima até aos produtos manufacturados na gôndola do supermercado, englobando também os diferentes processos de transporte e distribuição assim como o referente ao pessoal associado à produção e às instituições públicas e privadas encarregadas de fomentar este processo.

Em nosso território (Rio Grande do Sul) é talvez o negócio mais importante e empresas como AGROESTE e AGROCERES estão na lista das principais empresas exportadoras. E neste entorno é onde capitaneiam empresas e holdings transnacionais como MONSANTO ¹, NIDERA², SYNGENTA³, CARGILL4  e  BAYER 5 . Entretanto sua presença aqui não seria possível sem o serviço de fatores locais como AGROESTE 6 , AGROCERES 7 , MONSOY 8 , DEKALB 9 ,   ROUNDUP 10  e  SEMINIS 11 entre outros que importam armazenam e distribuem seus produtos em todo o território. Empresas de maquinaria industrial como JOHN DEERE 12 , MARISPAN 13 e LS TRACTOR14 também se encarregam de importar maquinaria  – pulverizadores ou fertilizadores  – fundamentais para estes processos. Estes burgueses do campo – latifundiários donos de milhares de hectares, que plantam com monocultivos contaminantes – se reúnem em instituições para defender seus interesses como a FARSUL15 e FEPAGRO 16.

Uma vez mais, toda a devastação e extração realizada não seria possível se não fosse pela já habitual cumplicidade do estado através da FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA 17 e do MINISTÉRIO do DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO 18:

1- Rua Padre Chagas, 415, sala 302,304, Porto Alegre – RS; 
2- Rua Dona Laura, 320, Rio Branco, Porto Alegre –RS;
3- Rua Ernesto da Fontoura,1479,São Geraldo, Porto Alegre-RS; 
4- Rua dos Andradas,1121, Edifício Rua da Praia, Centro, Porto Alegre-RS;
5- Avenida São Pedro,1605, São Geraldo, Porto Alegre-RS; 
6- Rua Jorge Malchow , 421, Piratini, Panambi-RS;
7- Tritec (Lajeado), Rodovia BR386, km 344, 3500, Lajeado-RS;
8- Avenida das Nações Unidas, 1291, Torre Norte,  7° andar, São Paulo-SP;
9- Rua Paulo J. Schlabitz, 130, Montanha, Lajeado-RS;
10- Rua Marquês de Olinda, 89, Três Vendas, Pelotas-RS;
11-  Agropiá, Rua Frederico Michaelsen, 129, Centro, Nova Petróplis-RS;
12- Plantare, Est Mauricio Cardoso, 3425, Bairro Olaria, Montenegro-RS;
13- Reis Tratores, Est Mauricio Cardoso, 2303, Bairro Olaria, Montenegro-RS;
14- Rua Vereador Klaus Lennertz, 2130, Palmital, Garuva-SC;
15- Praça Prof. Saint Pastous, 125, Cidade Baixa, Porto Alegre-RS;
16- Rua Gonçalves Dias, 570, Bairro Menino Deus, Porto Alegre-RS;
17- SHIS QL10 Conjunto 8, Casa 6, Lago Azul, Brasilia-DF; 18- Avenida Loureiro da Silva, 515, sala 312, Centro Porto Alegre-RS;
“PRATICAR A DISSIDÊNCIA E A RAIVA ATRAVÉS DA AÇÃO DIRETA INSURRECIONAL. É FÁCIL, DIVERTIDO, PERTINENTE E NECESSÁRIO.“

Em pdf,  clica aqui

em alemão