Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

Porto Alegre, Brasil: Balanço dos Encontros “SEM DEUSES SEM MESTRES”

Aconteceu em Porto Alegre!

SEM DEUSES SEM MESTRES.
História, Memória e Atualidade do Anarquismo

Alguns anarquistas convidaram a quatro encontros, entre 1 e 22 de setembro, para trocar idéias sobre história e atualidade do anarquismo, na okupação Pandorga.

No primeiro encontro, no meio da persistente chuva, 25 pessoas chegaram para a atividade,  juntos gritamos e aplaudimos o forte trovão que ressonou no inicio da projeção do capitulo 1 do documentário Sem deuses Sem mestres: 1840-1906: A Paixão pela Destruição.

As formas em que nos posicionamos em relação ao entorno, enquanto anarquistas, abriu o debate para lembrar que o anarquismo surge, e se repensa, a partir das inquietudes por responder à opressão social, econômica, política, moral, etc.. Desde a interação social, com preocupações sobre como abordar alguns temas no nosso cotidiano, até a necessidade de expandir nossas idéias na procura de afins, ressaltou nossa  impossibilidade de permanecer apáticos frente à dominação. Seja uma pessoa tirana, seja o conflito pela terra dos povos não civilizados, seja a luta contra a exploração daqueles que estão obrigados a trabalhar, seja a tirania democrática ou monárquica, ou algum evento que evidencia à dominação, ficou claro que a procura pela liberdade é ainda a grande propulsora dos anarquistas.

Conversamos e percebemos que a pesar de não procurar nenhuma uniformidade,  é importante falar de alguns “princípios” anarquistas, elementos que nos permitissem nos identificar e posicionar como tais. Para uns trata-se da procura pela vida livre e o rechaço à todo aquilo que atente contra ela, para outros trata-se da destruição do estado e do capitalismo, alguns manifestaram a necessidade de “militar” para se sentir anarquistas, entanto que outros questionaram o anarquismo como estilo de vida e de liberação só individual.  Longe de dar uma resposta, o debate evidenciou a diversidade das motivações e os porquês das proximidades com o anarquismo, mas sobretudo, insistimos em que ser anarquista vai muito além de simplesmente adotar esse nome, se tratando duma posição não autoritária, duma intolerância com o governo, o Estado, a autoridade, duma vontade por disseminar sementes de liberdade e da possibilidade, concreta, de não nos sentir oprimidos por ninguém, nem oprimir ser nenhum.

Outro dos pontos que debatemos, nesse primeiro encontro, foi o poder, a partir da referencia ao empoderamento e outras “formas” de poder. Alguns manifestaram uma aproximação ao termo poder a partir das noções de poder popular e empoderamento, alguns outros rechaçaram a idéia de poder, resgatando a herança anarquista que nunca propus o poder como fim nem como meio, esclarecendo que este tipo de propostas provêm da aproximação das propostas esquerdistas, sobretudo a partir dos anos 60.

No segundo encontro, assistimos o capitulo 2 do documentário Sem deuses Sem mestres, 1907 – 1921: Terra e Liberdade. Ainda que com menos gente, e tendo acalmado, em parte, a sede do primeiro encontro, debatemos sobre dois pontos amplos: a educação libertária, e o tema da terra. Este último, infelizmente, não teve um retorno muito acalorado no debate, porém, cabe salientar que se remarcou a importância da terra para qualquer projeção de vida livre. Já o tema da educação libertaria, foi mais abordado, e a partir dessas reflexões também se apontou para a necessidade de espalhar as idéias, e de ter caminhos para transmitir práticas e princípios.

No terceiro encontro, assistimos o terceiro episódio do documentário, 1922 – 1945, Em memória do derrotado, que aborda dois episódios importantes: o assassinato de Sacco e Vanzetti nos Estados Unidos e a Revolução Espanhola, ambos como experiências frustrantes tomando em conta seus resultados finais. No debate insistiu-se em que depois dessa experiência, os anarquistas ainda vibram e agem, nos inconformado com o título do capítulo. Alguns dos assistentes ficaram impressionados com a real possibilidade de uma vida autogestionada, como foram os primórdios das cidades liberadas pelas colunas anarquistas na Catalunha. Falou-se bastante dos impasses e dos ataques dos comunistas dentro da Revolução Espanhola, e consequentemente, lembramos que e União Soviética não só não ajudou os combatentes, sob uma mínima proposta em comum da luta contra o fascismo, mas que até sabotou essa luta.

No último encontro, proposto para estabelecer uma ponte entre o ultimo episódio do documentário e os espaços e tempos mais imediatos, nos sentamos numa roda, numa tarde agradavelmente quente, para conversar sobre nossa memória em relação ao anarquismo. Um companheiro anarquista, recuperando a importância da voz e a escuta,  compartilhou conmosco episódios, caminhadas, anedotas e experiências da ampla e insistente história dos antiautoritários na região. Desde a lembrança da Colônia Cecília, fomos ouvindo sobre como os anarquistas espalharam-se por vários estados e, junto com mais outros expulsos de terras distantes, e companheiros que brotaram nestas matas, se juntaram em espaços, colônias rurais, sindicatos e o afã de criar publicações, sabedores de que assim, conseguiam chegar até outros corações rebeldes e que para muitos compas esse era o mais apreciado contato com outros anarquistas da região e do mundo. Assim, fomos mergulhando na história dos compas e da imprensa anarquistas na região.

Ouvimos também  sobre os embates contra os rebeldes: as leis de expulsão dos indesejáveis, o confinamento de presos em Clevelândia, os embates que chegaram do populismo da Era Vargas, durante a qual os sindicatos foram incorporados ao Estado, perdendo sua autonomia. Neste período, também se vivenciou uma forte repressão contra anarquistas e dissidentes de todo tipo, o qual provocou uma considerável descida na agitação ácrata.

Mas os anarquistas são teimosos, aqui e agora, e fomos teimosos também nos contextos mais duros. Assim, ouvimos sobre a permanência de centros de cultura, sobre jornais que resistiram, ainda que trocando de nome, sobre editoriais e até estudos fotográficos que se mantiveram pelo menos durante uma parte do período ditatorial, sobre os estudantes do MEL, nesta difícil etapa, marcada, aliás, por uma clara distancia dos grupos da esquerda.

Transitamos também pelo retorno à democracia, momento em que aparece o jornal anarquista, o Inimigo do Rei, assim como os anarkopunks e as tendências mais organizacionais do anarquismo que, esta vez, e sob a influencia de organizações de terras vizinhas, começam a tender pontes com o esquerdismo. Esta proximidade, muda a linguagem ácrata na região até a atualidade com suas respectivas consequências.

Finalmente, e ainda que muito sucintamente, abordamos o tema dos confrontos nas ruas que foram se criando e cultivando há mais tempo do que o 2013 como uma das faces atuais que nos movem para as ruas e para um desrespeito à materialidade da dominação, fator que cultiva uma proposta de conflito e não passividade diante das múltiplas formas de opressão.

Em todos os encontros, a riqueza da historia do anarquismo, nos levou da mão por reflexões, inquietações e sensações muito abrangentes, dentre as quais sobressaiu uma inquietude sobre as várias formas de procurar a anarquia, não como uma preocupação ou problema a ser resolvido, mas como um cenário que  paradoxalmente nos afirma nas procuras particulares e nas formas de vivenciar anarquia.

A inquietação diante da dominação, ascendeu a chispa para debater, em cada encontro, sobre o fato de que todas as ações dos anarquistas, seja em ação individual, coletiva, de reivindicação, de manifestação coletiva, ou de arremetida violenta, são fruto dum contexto; resposta e proposta diante de alguma situação frente à qual poucos podemos ficar indiferentes.  E ainda que  nos posicionando num combate permanente e histórico contra as máquinas do predomínio, na procura pela liberação total sentimos também a necessidade da vida livre a cada passo, assim, debatemos também sobre as possibilidades de vida em autonomia, sempre como uma facada ao encurralamento da vida imposta pela “sociedade normalizada”. Consequentemente, entendemos as ações anarquistas como aquelas repelem o que agride, e neste simples gesto, elas combatem há séculos, o sistema de dominação, não respeitando jamais as agressões legitimas da violência dos que mandam.

Foram encontros muito especiais, num momento em que valorizamos com maior afinco as decisões assumidas na hora de nos posicionar anarquistas. Estes encontros propiciaram, além do mais, nos juntar a falar do que acontece nosso entorno, de nos conhecer e até nos criticar para nos fortalecer, observando nossas palavras, nossas respostas diante de situações com as quais não concordamos, nossos interagires com os desconhecidos. Somado a isso tudo, nos encontros também trocamos idéias, sobre o quotidiano, desde a estranha posição de quem não está pensando em quem votar, mas qual vai ser a cor da chibata contra qual vamos combater, ou seja, desde o estranho olhar de quem se desapega das correntes e gaiolas e não as deseja pra ser nenhum, e isso, esse tipo de encontro, fez que alguns dos assistentes saíssem com pelo menos uma preocupação no rosto e outros, saíssemos sempre com um sorriso, sabendo que não somos tão poucos, e que temos tanta vontade como para seguir na vigência da procura pela anarquia.

Porto Alegre, primavera de 2018.

Cartaz A em pdf  l Cartaz B em pdf

Nota de Contra Info

Recentemente foi disponibilizado o documentário “Sem Deuses, Sem Mestres: História do Anarquismo”, dirigido por Tancrède Ramonet, legendado em português. O documentário realizado em três partes – de 52 minutos cada – busca retomar os principais acontecimentos dos últimos 150 anos de História Social, resgatando as origens e ações realizadas em nome do ideal político que tem lutado contra deuses e mestres. A partir de materiais de arquivo, além de vasta documentação, a série reconta a história do movimento anarquista internacional, de Paris a Nova Iorque, e de Tóquio a Buenos Aires.

Os episódios estão disponíveis online :

1840-1906 – A paixão por destruição:

1907-1921 – Terra e Liberdade:

1922-1945 – Em memória do derrotado:

E para download (via torrent) em melhor qualidade no link: https://goo.gl/d3B576

Para download via torrent sugerimos a utilização do software qbittorrent, disponível para download em https://www.qbittorrent.org/

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>