Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

Kiev, Ucrânia: Caminhada de passagem de ano “Marusya Nikiforova”

Saí de casa quando as luzes estavam a arder em todas as janelas. Senti que as ruas estavam à minha espera. Os táxis estão a passar, mas não tenho nada para pagar, e não preciso deles, ando sózinho…Eu vi a madrugada caminhar toda a noite até manhã. Na véspera de Ano Novo de 2017 a 2018, em vez de me sentar numa cela de concreto e beber, decidi fazer uma caminhada num dos bairros de Kiev. Realmente queria andar nessas horas pelas ruas e becos escuros. Queria expressar a minha raiva e desejo de vingança.Tirei para fora uma pistola e munições que estavam escondidas. Limpei muito bem para que não deixassem marcas biológicas nas balas e cartuchos. Coloquei 12 balas no carregador. Uma bala foi imediatamente enviada para a câmara, por isso me acalmei. Com a pega de segurança na arma coloquei-a num coldre que foi fixado de forma fiável no meu cinto. Sob o meu casaco comprido, o coldre não sobressai. Para poder chegar rapidamente à arma, não apertei o casaco. Mas gosto de andar, bem como viver livremente. Sou assim desde a infância.Na verdade, raramente carrego uma arma. É muito perigoso e arriscado. Exige uma responsabilidade séria. É difícil decidir isso com quem não tenha experiência em usá-la em condições reais, com quem, sem uma autorização de armas, não ultrapasse esta proibição e tenha medo de possíveis punições do estado. Também é difícil para aquelxs que têm uma sequência de casos criminais iniciados pela autoridade. Portanto, no fundo eu respeito as pessoas que, para sua própria defesa e para alcançar a liberdade, nunca se separam das armas. A única excepção é a polícia e outros servos dos regimes estatais.

… Estou a caminhar pelo bairro de Svyatoshinsky. Não vejo a bófia à volta. Sei que devem haver mais nas ruas esta noite e que os faróis intermitentes não estarão a funcionar em carros de patrulha. Entro num beco. Há muitos graffiti anarquistas nas paredes. Fico satisfeito por os nossos irmãos terem pintado aqui. Mas esse prazer interrompe a visão de carros caros entre os mais simples. Existe pobreza no país. O meu vizinho – um homem trabalhador que vive com a mulher e filha, esgadanhou-se para comprar um Opel por 5 mil dólares. Eu sei o quão difícil foi para ele. E esses bastardos viajam em roadsters, carros desportivos e jipes. Eles também os estacionam nas calçadas. Vêem que há muitas pessoas pobres à volta. Sabem que isso não é normal. Mas ainda enfatizam mais o seu luxo e superioridade social, dominando a desigualdade e a pobreza, que é anti-humana. Portanto, à vista dos carros burgueses tenho a primeira ideia – punir, incendiá-los e se o proprietário se esgotar terá então uma lição. Mas agora não há gasolina. Estarei sem ela esta noite.

A hora é 00:05. Das janelas dos blocos de apartamentos com painéis cinza saem gritos e saudações, nalgum lugar a música toca alto. Residentes do bairro, sentados nos apartamentos, bebem, divirtem-se e enfartam as barrigas com vários alimentos. Não se importam mas depois será difícil para os seus corpos. Afinal, é interessante para a engorda. Isso funciona como distração. Muitas pessoas vivem assim durante muito tempo.

De repente, alguém começa a lançar fogo de artifício. Olho à volta. Das entradas, pouco a pouco, saem os fãs da pirotecnia, lançam-se fogos de artifício. As ruas ganham vida, as explosões expulsam o silêncio.

Os alarmes de carro uivam. Ninguém reage a isso. No ar há fumo, o cheiro de pólvora queimada. Tudo isso me excita muito. Por um momento, lembrei-me das Maidan e das barricadas de 2014. A paixão por armas e explosivos assombra toda a minha vida. No jardim de infância gostei de fósforos e me apaixonei pelas fogueiras. E agora empunho uma arma. Mudo a patilha de segurança para o modo “fogo”. Seguro o gatilho. A bala está na câmara há muito tempo. Olho à volta. O pátio da moradia Nikolskaya Borshchagovka sussurra-me – venha. Eu entro na pista e aponto para um carro fora da estrada vazio, provavelmente de um proprietário rico. Bam-bam-bam! As orelhas estão a zumbir nos meus ouvidos. O carro está danificado pelo chumbo. Mas o alarme por algum motivo não funcionou. Retiro a arma do coldre. Corro pelo pátio da escola. Irrompo noutro quarteirão e circulo em torno dos pátios.

Colocando no caminho uma bala, para outro carro caro, deixei Borshchagovka. Uma hora depois encontro-me numa área residencial de Svyatoshino. Havia muita gente na rua naquele momento. A cem metros de mim, um grupo de indivíduos lançou fogos de artifício poderosos. As explosões são tão fortes que o tiro da pistola simplesmente se dissolve no barulho. Dei com o Hyundai Sonata. Queria matá-lo já, mas notei que um homem vinha a correr na minha direção. Estava a perseguir o seu cão, o qual aparentemente estava assustado com os fogos de artifício. Logo que o homem desapareceu do meu campo de visão, comecei a realizar os meus planos. Escondi-me atrás de um canto de um edifício alto. Eu olhei em volta. Bam-bam! Duas balas perfuraram a janela lateral. O alarme disparou. Estou feliz na minha alma, vou a correr para outro quarteirão. Um pequeno nevoeiro ajuda-me a me embrenhar mais depressa na selva de concreto. Ainda há mais 6 balas …

Depois disso, atirei em mais dois carros. Voltei para casa ao início da manhã. Bebi leite e fui para a cama.
A minha vingança mais uma vez recaíu nos carros de luxo; pela primeira vez, as balas de chumbo foram usadas em vez do fogo. Ataquei um modo de vida e objetos que enfatizam o fosso entre pobres e ricos. Fiz isso porque queria e poderia.

Os mortos retornam para se vingar!
Burgueses e bófia não podem dormir descansados!

Grupo anarquista “Revenge of Marusya Nikiforova” / FAI
01/01/2018

(traduzido do texto em russo em Anarquia Hoje)

em inglês

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>