Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

Itália: Concentração junto à prisão de Ferrara – 25/01

Contra a prisão como instituição repressiva e modelo social.
Solidariedade a todxs xs companheirxs presxs.

A prisão sempre foi um verdadeiro laboratório para o Poder construir e experimentar modelos de controlo social. O paradigma arquitectónico e disciplinar das Escolas, fábricas e hospitais passa pelas prisões. A intenção sempre foi a de acumular corpos, prerrogativa indispensável à de acumular capital. Isto implica um controlo e uma repressão exercidos continuamente a diversos níveis e que evoluíram com o tempo. Entre as últimas evoluções da tecnologia coerciva podemos recordar a reforma da diferenciação prisional – da qual a região de Emilia Romaña é promotora – e a extensão do 41bis (delito associativo, antes só para mafiosos) também a presxs políticxs. Por um lado, constrói-se uma perigosa “zoologia do delinquente”, onde se encerra a parte da população que não é compatível com a “norma”, considerada mais importante que o indivíduo. Por outro lado, trata-se de uma intensificação da repressão sobre todas as forças reais de mudança social- a lutar contra a exploração do homem pelo homem- e sobre o planeta. Se antes a prisão criminalizava a luta política, agora converte-a em terrorismo. Ser etiquetadx como terrorista nunca foi tão fácil.

A “prisão dura” de Ferrara, onde se encontram encerrados compas anarquistas sob o regime de Alta Segurança2, representa um dos emblemas desta lógica repressiva e punitiva. Consideramos necessário assinalar e denunciar a máquina do Estado, reguladora e opressora. Também consideramos necessário expressar a nossa mais calorosa solidariedade com os companheiros Michele Fabiani, Adriano Antonacci, Francesco Sala, Graziano Mazzareli, Lucio Alberti, Nicola Gai e Alfredo Cospito. Tem sentido mencionar aqui que precisamente nestes dias, os compas lutaram (e ganharam) contra as novas restrições à hora de pátio e à sociabilidade, decididas pelos carcereiros de Ferrara.

A nossa solidariedade vai também para xs compas processadxs – relacionando-xs às sabotagens de Dezembro na linha de alta velocidade – em Bolonha. Lutamos também contra todas as formas de denúncia e infâmia, inevitáveis acompanhantes da repressão do Poder.

25 de Janeiro, às 15:30 horas: concentração junto à prisão de Ferrara (estrada Arginone).

fonte informa-azione

espanhol

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>