Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

Santiago, Chile: Sai o nº 22 do boletim “La Bomba”

EDITORIAL

A todxs xs nossxs queridxs leitorxs, em qualquer parte do mundo, assim como a presxs subversivxs do nosso território. Entregamos-vos um novo boletim recompilatório, desta vez corresponderá a Setembro.

Começámos esta recompilação pelas ações que se desenrolaram no mês de Agosto, como por exemplo as diversas manifestações estudantis, que culminaram em fortes confrontos em vários liceus da cidade e nas quais a propaganda anárquica e insurrecional se viu reflectida, longe dxs convocadorxs e do institucional. Os cortes de rua com barricadas, as bombas molotov contra a polícia e os panfletos pelos ares, apelavam ao caos e à solidariedade ativa com xs presxs.

No sul, entretanto – especificamente em Concepción – as manifestações contra o gasoduto – que se pretende instalar no mar – estão a tomar muita força. Existem já múltiplas expressões da rejeição a este projecto de devastação (onde xs companheirxs que dão origem ao conflito não recuam). Desta forma, as ruas da cidade são tomadas para expressar o descontentamento e a desordem também se torna uma arma. Assim, os confrontos com a bófia tornam-se a tónica junto às barricadas incendiárias. O fato que provocou agitação na imprensa foi a queima de um automóvel dentro da Universidade de Concepción, no contexto de um desses protestos.

Já a avançar para o mês que nos corresponde.. Setembro Negro… Tomam-se as consciências e as ruas… Pleno de propaganda e ação. Uma nova data, marcando o início da ditadura militar fundada por Augusto Pinochet, o 11 de Setembro de 1973. Início do terror nas ruas, dos desaparecimentos, da tortura e morte. Da criação de organismos dedicados à contra-revolta e à repressão. Claro que, depois desses factos, várias vontades deram lugar à ofensiva, desenvolvendo tácticas de guerrilha, com a firme ideia de derrubar o ditador, para se poder viver livres e felizes. Sob aquela perspectiva, foram várias as organizações a empreenderem aquele caminho de resistência armada e, após anos árduos de confronto, esses sonhos de liberdade foram truncados pelas balas inimigas. Já em tempos de transição à democracia, nos anos 90, os organismos do Estado continuaram a operar, mais balas para revolucionárixs ou a prisão eram o destino dos “extremistas”, tudo isso no governo de Patricio Aylwin. Enquanto essas organizações que lutaram contra a ditadura e a democracia eram desmanteladas, nesses anos, muitxs dxs seus membros não desistiram, continuando fortes na luta, optando por novos caminhos para a subversão.

Essa consciência para cada desaparecidx, muertx e /ou prisioneirx – com o objectivo de continuar a todo custo com a luta, também – é o que muitxs dxs companheirxs atualmente propagam nas ruas, com combates, antes e depois de 11 de setembro, tanto nas universidades, como nas ruas ou nas manifestações, enfrentando a polícia em várias cidades do país, realizando ataques armados, barricadas de fogo, saques, forte sabotagem às estruturas do estado e um contínuo de transbordamentos espontâneoo ou coordenados que marcam essas datas. Os anos podem passar, mas ninguém permanece indiferente à história, ninguém esquece, muito menos perdoa.

Após os factos enquadrados no “11” tudo continua, assim deixamos reivindicações provenientes de Santiago e valparaíso. Para além disso, ações coordenadas por parte das células da Frente de Libertação Animal e pela Frente de Libertação da Terra, em Santiago e na Provincia de Arauco, assim como outros gestos perpetuados no anonimato, em várias regiões do país.

Finalizamos desta maneira esta nova entrega – antecipada. Recordamos que esta iniciativa é publicada três vezes ao ano, ainda assim não teremos problemas em antecipá-la, sempre que existam mais ações e comunicados extensos – comunicados esses que com muito gosto os integramos no boletim, como forma de apoio aos grupos de ação a atuar no nosso território.

“La Bomba”, Pela expansão do Caos e da Anarquia.
Individualidades Anárquicas.
Setembro 2017, Chile.

Clica aqui para ler/descarregar a publicação.

em espanhol

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>