Santiago: Reivindicação de dispositivo incendiário em Banco do Chile

O dispositivo incendiário era um bidão de 20 litros que continha 5 litros de benzina comprimida a 2 litros de Napalm. Encheu-se o resto do bidão com benzina a 93. Adicionámos 2 botijas de 190 gramas de gás butano, pólvora branca (Nitrato de potássio a 70%, enxofre a 14%, flor de acúcar a 16% misturados como goma) mistura a ser activada mediante um sistema de relojoaria iniciado por uma pequena mecha (conetor inflamador) feito à base de uma ampulheta de 12v. (Fósforo e cola inflamável) esta iam dentro de uma bolsa que continha a pólvora branca ligada ao bidão. O engenho artesanal foi colocado no interior de um Banco do Chile, situado na esquina das ruas Candelaria Goyenechea com General Jhon O’Brien, na endinheirada região de Vitacura, Santiago, Chile.

Ações realizadas entre as 00:00 hrs. do dia 11 de Maio, 4ª feira e a 01:00 hrs de 5ª feira, dia 12.

Por meio deste presente e único comunicado, reivindicamos uma série de ações realizadas por distintos grupos coordenados de maneira informal entre as 00:00 hrs. de 4ª feira, 11 de Maio às 01:00 hrs de 5ª feira, dia 12.

• Ataque com bombas molotov contra o Tribunal da Polícia Loca e o Registo Civil + grafitis alusivos ao “Caso Bombas” assim como ao companheiro Mauricio Morales na região de Peñalolén. (Anónimxs). (1)

• Colocação de um dispositivo incendiário no Banco do Chile, comuna de Vitacura. (Círculo Iconoclasta Michele Angiolillo, Núcleos Antagónicos da Nova Guerrilha Urbana). (2)

• Bombas de ruído contra o Centro Cultural Las Condes. (Anónimxs).

• Corte de estrada com barricadas incendiárias, Avenida Walter Martínez, a passos do Carrascal, região de Quinta Normal. (Anónimxs).

Através destas ações queremos transmitir que, apesar da repressão se ter ampliado e agudizado, a luta contra o Estado, o capital e toda a autoridade não se detém – sendo importante a coordenação informal entre distintos grupos através da ação.

Também queremos fazer chegar a nossa solidariedade revolucionária – com vista à destruição de todas as formas de dominação, prisão e confinamento – a todxs xs presxs rebeldes do mundo. No interior do Estado chileno saudamos os companheirxs processadxs no chamado “Caso Bombas” assim como os presos mapuches que comprirão em breve 60 dias em greve de fome.

Por fim e com a memória em atividade, dedicamos esta ação ao companheiro Mauricio Morales, ao cumprir-se daqui a dias 2 anos após a sua morte em combate a 22 de Maio de 2009.

AQUI NÃO EXISTE ORGANIZAÇÃO HIERÁRQUICA
APENAS A VONTADE DE LUTAR CONTRA TUDO O QUE IMPEDE A NOSSA LIBERDADE.

Informalmente Coordenadxs na Ação

(1) “Tribunal da polícia local sofre atentado com bombas molotov em Peñalolén”. La Nación, 12 de Maio 2011.

(2) “Dispositivo incendiário obriga a evacuar sucursal bancária em Vitacura”. Emol, 11 de Maio 2011.