Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

Nicósia, Chipre: Convite à solidariedade com os imigrantes em greve da fome

Desde segunda-feira, 24 de Outubro, 52 pessoas (de um total de 65 no seu bloco), todos eles imigrantes detidos, começaram uma greve de fome no bloco 10 da prisão central. O seu crime: residência ilegal em Chipre. A sua demanda: deixarem de ser privados dos seus direitos básicos que estão a ser postos em causa pelo Estado.

Essas pessoas estão a ser detidas, a fim de serem deportadas, não cometeram crimes pelos quais fossem condenados. Pelo contrário, o criminoso, neste caso, não é outro senão o Estado que, em muitos casos os mantém na prisão por períodos de tempo muito maiores do que os 6 meses que estão definidos como o período máximo da directiva 115/2008 (já que não existe lei nacional para definir as exceções a essa directiva no artigo n º 15 6). Além disso, em muitos casos, as garantias processuais não são observadas e sua detenção é ordenada sem sequer uma ordem de detenção.

Na quinta-feira, 20 de Outubro, em frente da câmara do bloco 10, um argelino de 46 anos de idade, fez uma tentativa de suicídio com navalhas. O vídeo da tentativa de suicídio está nas mãos da polícia. Este homem é casado e tem dois filhos, ele pediu várias vezes para retornar ao seu país, mas não o vão deixar. Durante mais de duas semanas, ele declarou que se recusava a aceitar comida, e no seu desespero pediu ao resto do seus companheiros de cela para iniciarem uma greve de fome também.

Na sexta-feira, 28 de Outubro, mais uma pessoa tentou o suicídio, fazendo um laço a partir de folhas e foi salvo no último minuto. Este homem, um sírio, foi detido há mais de um ano e também quer voltar para o seu país, mas não o vão deportar. Trata-se de um homem que foi detido há mais de um ano, contra todas as leis pertinentes, e nem o vão deportar nem o vão libertar.

O facto é que esta situação repugnante recebe atenção praticamente zero da media corporativa e reflete o quadro geral da nossa sociedade, que, conscientemente, permite que a questão dos residentes ilegais possa ser escondida debaixo do tapete. O Estado que se está a preparar para a presidência europeia oprime os direitos humanos, com toda a brutalidade, e os cidadãos europeizados assobiam indiferentemente perante à total humilhação da dignidade humana, enquanto defendem a sua imagem como humanistas.

Estamos em solidariedade com os grevistas da fome e também com todas as pessoas cujos direitos humanos estão a ser oprimidos pelos governos. Apelamos a quem ainda tem alguma humanidade a participar numa assembleia para decisão de ações a serem tomadas, na terça-feira (1/11) pelas 6h da tarde, na escada da Faneromeni School, em Nicósia.

Pessoas em solidariedade com os grevistas da fome

CLIQUE NA FOTO PARA MAIS INFORMAÇÕES

CLIQUE NA FOTO PARA MAIS INFORMAÇÕES

ATUALIZAÇÃO

Os prisioneiros migrantes decidiram parar a greve da fome, depois das “promessas” do Director-Geral do Ministério do Interior de Chipre …

A sua declaração aqui:

“Olá a todos

Esta carta representa todos os detidos que entraram em greve de fome, no bloco 10 da prisão central de Nicosia, a 24/10/11 até 3/11/11, que durou 12 dias. Temos a informação de quem falou com o diretor-geral do ministério do interior, Sr. Andreas Assiotis,de que que o Sr. Director Geral irá fazer o necessário para resolver os nossos problemas dentro de 7 dias.

Acreditamos que o governo e o Ministério do Interior de Chipre compreenderam a nossa situação real e este ato pacífico. A fim de mostrar a nossa boa vontade e confiança para com o Sr. Diretor-Geral e o governo de Chipre, decidimos interromper a greve de fome.

Esperamos ter algum bom resultado, para não ter de voltar a fazê-lo no futuro. Estivemos em greve da fome para chamar a atenção e obter assistência, não para atingir qualquer pessoa, instituição ou a nós mesmos.

Gostaríamos de expressar os nossos sinceros agradecimentos a todos aqueles que nos apoiaram, por sua vez, através do seu esforço e dos seus cuidados, todo esse tempo.

obrigado”

Fonte

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>