Tudo e Nada (do caos e do amor)

O encontro inesperado.
Ventos violentos soprando.
Surpresa por assalto de sensações, incendiando por dentro.
Os músculos, os ossos, as nossas cabeças derramando ânsias.
Ensaiando momentos, um concreto instante.
Os olhares fugitivos.
Não digas nada.
Que já sei tudo.
De súbito um caos.
Que deixa ver cristalino o instante.
Dois cúmplices no meio desse caos.
Que explodiu numa só verdade.
Eles não são nada, mas o são tudo.
Destruíram as convenções.
Pois só se amam sob bombas de silêncio.

Farfalla Selvaggia

extraído da revista Revuelta Violenta, do Chile