Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

Santiago do Chile: Sai o nº 26 do boletim “La Bomba”

Distintos contextos agitam o começo do ano no território chileno, destacando-se os ataques no território central e sul no âmbito da visita papal – cuja ênfase se encontra na polémica dos bastardos do clero e as denúncias de abusos destes – bem como a tão ansiada visita à “zona vermelha do conflito mapuche” por parte do Papa.

Mais de 10 mil milhões de pesos são disponibilizados para tornar a visita possível, a imprensa gere o seu respectivo espetáculo e os lacaixs preparam a festa. Assim, a zona centro e sul também reage à visita, recebendo o bastardo com múltiplos ataques contra igrejas, enquanto a polícia se encontra em alerta e a imprensa mostra as ameaças deixadas nos diversos atentados.

Contudo, os ataques contra instituições eclesiásticas de laias diferentes são uma constante, tanto na história recente como na distante. A título de exemplo, até Outubro de 2017 foram 27 as igrejas incendiadas na Araucanía, entre elas algumas católicas e evangélicas, e os ataques registados na última década – oriundos de uma práxis anti-autoritária / anárquica – foram múltiplos, tal como na história anarquista desde os inícios do século XX.

Existiram razões de sobra para isso. A implantação violenta do catolicismo na América Latina deixou os seus resíduos até à atualidade – dito doutro modo, a opinião da igreja ainda continua a ser respeitada nos estados laicos, espargindo o seu poder, sem interrogações, assimilando e transformando todos os resíduos culturais e sociais que existissem até à sua chegada, para aumentar o seu império. No caso da igreja evangélica, e no seu pranto eterno por ser relegada, encontramos a sua missão mais ambiciosa na intervenção dos espaços “excluídos” da sociedade lá nas cidades, semeando o arrependimento e a culpa tal como a homofobia e o “entorpecimento mental”. Sendo esta uma opinião superficial e breve, seria possível esgrimir milhares de outras razões.

Ao exposto anteriormente, junta-se o espaço da violência política e das ruas, que pode ser amplo, diversificado e se manifestar em múltiplas oportunidades. Diversos grupos e individualidades confluem sob diferentes circunstâncias, tal como o que aconteceu em reacções espontâneas ou vontades enraizadas, transbordando a passividade, tendo como factor comum a subversão factor comum a subversão nas ruas.

Durante este período, uma semana de agitação foi realizada em memória de um pequeno subversivo que tombou. Um espaço é dedicado a Javier Recabarren – desta vez para comemorar os três anos passados sobre a morte desse companheiro anarquista – cuja vida transcorreu entre a amplitude da insurreição nas ruas,fazendo eco dos seus pensamentos e convicções.

No contexto desta nova chamada à sua memória, resgatamos as diversas ações desenvolvidas e que deixaram reflectidas nesses lugares as ideias que motivaram e acompanharam a vida e luta do companheiro. Luta que além disso continua presente, continuando a expandir-se aqui e agora e seguramente para sempre, apesar das lamentáveis perdas de valiosxs companheirxs.

As ações que se agruparam nesta ocasião, tal como o ocorrido em edições anteriores, mostram como se concentram motivações e convocatórias heterogéneas numa mesma escala temporal, dando luzes da presença subversiva/insurrecional/anti-autoritária no território dominado pelo Estado chileno. Esperamos, também, que as expressões dos distintos grupos sejam de utilidade para estimular a discussão e retro-alimentação, impulsionando novas iniciativas.

Editorxs do Boletim “La Bomba”.
Março 2018, Chile.

Clica aqui para ler/descarregar a publicação.

em espanhol

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>