Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

Berlim: Notícias em primeira mão dos protestos dxs refugiadxs em Friedrichshain

No dia 28 de Agosto houve uma manif à noite a partir da estação do metro de Frankfurter Tor com cerca de 500 pessoas. A bófia tentou quebrá-la duas vezes. Espancaram pessoas e uma detenção foi confirmada. A manif estava a desmoronar-se após o grupo arab (grupo comunista anti-imperialista, que também organizou a “manif do 1º de Maio revolucionário”) anunciou que a bófia tentava invadir o telhado do albergue. Pessoas com bicicletas deixaram-na e correram para o cruzamento em Gürtelstraße. Isto causou alarme também no cruzamento, onde estavam os manifestantes, porque ninguém, além do grupo arab, tinha ouvido alguma coisa disso.

Por volta das 21:30, depois da manif chegar ao local de destino, como de costume discursos, palavras de ordem, grupos políticos marginalizados apresentando as suas faixas, etc, houve muita comida de graça, o que reteve as pessoas, mas logo a seguir começaram a ir-se embora novamente e por volta da meia-noite só algumas pessoas lá permaneciam. Um sinal de solidariedade foi expresso por um vizinho que fez uma espécie de espectáculo de laser, enfeixando o slogan “Nenhum ser humano é ilegal” na sua varanda. Mais tarde ele desceu quando viu que xs refugiadxs que tentavam dormir um pouco no cruzamento não tinham cobertores suficientes, atravessou as barreiras, dando-lhes dois dos mais grossos. Então, quando ele quis regressar através das barreiras, a bófia impediu-o e levou-o para mostrar a sua identificação, que ele não tinha. Eles fizeram uma grande confusão até que a sua esposa gritou: “Você podia deixar o meu marido entrar de novo…”, eles deixaram-no passar, mas foi forçado a ir a casa, obter o seu bilhete de identidade, descer novamente e mostrá-lo à bófia. Enquanto isso, xs refugiadxs no telhado começaram a bater continuamente (provavelmente em panelas), fizeram sinais de luz e também gritaram do telhado. Xs manifestantes responderam com palavras de ordem gritadas, apitando, e também com um megafone. Mas logo a seguir a bófia impediu isso.

Por outra parte, apareceram tambem alguns nazis por lá; companheirxs reconheceram pelo menos quatro. Três deles apareceram no meio da estrada na rua Scharnweber, pararam ali e gritaram um slogan nazi, enquanto um passava num carro, mas foram reconhecidxs demasiado tarde. Com certeza, foram muitxs mais xs nazis que não foram reconhecidxs (a concentração está situada directamente na fronteira do distrito Lichtenberg, onde os nazis são tradicionalmente fortes).

Durante 29 e 30 de Agosto, a situação manteve-se relativamente inalterada. As autoridades continuam a fazer passar fome os manifestantes refugiados no telhado do albergue em Gürtelstraße e o apoio de manifestantes ainda é pouco.

em ingles

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>