Atenas: Ocupada a Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos (GSEE)

gsee-patission“Diziam-nos: vencereis, quando vos submeterdes. Submetemo-nos e encontramos a cinza.” [Giorgos Seferis]

Hoje, 4 de Dezembro de 2014, ocupámos o edifício da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos, como mostra de solidariedade com o anarquista em greve de fome Nikos Romanos. O anarquista Nikos Romanos é um inimigo consciente do regime. Escolheu lutar ativamente contra o Estado e o Capital, dentro e fora das prisões.

Os que procuram a sua aniquilação ou a rendição forçada são:

O governo – fiel às ordens do Capital local e internacional – que impõe a aplicação do memorando e uma política dura de austeridade económica e desvalorização da nossa força laboral.

O Estado que impõe um regime de emergência para extorquir o consenso social e para que se estabeleça o medo. Os campos de concentração para imigrantes, as prisões de tipo C, as detenções e as humilhações de mulheres “seropositivas”, a repressão violenta de manifestantes, as torturas, a ocupação policial em Skouries assim como o ataque às mobilizações estudantis, formam a imagem de uma Grécia-fortaleza.

Hoje em dia, o ponto culminante da política repressiva é o caso do anarquista em greve de fome, Nikos Romanos. Através do seu extermínio, o Estado pretende a neutralização das projectualidades revolucionárias: a auto-organização, a resistência, a solidariedade.
Ou seja, daquelas projectualidades que fazem detonar a ofensiva social e de classe, a revolução.

A luta de Nikos Romanos não tem a ver só com a concessão de saídas educativas. É uma barricada contra as prisões de tipo C , as novas condições de detenção, a anulação de direitos para xs presxs que foram conquistadas com sangue. É uma barricada contra o avanço assassino do Estado e do Capital. São por estes motivos todos que nos posicionamos ao lado do nosso companheiro e nos mostramos solidárixs com a sua luta.

LUTA ATÉ Á VITÓRIA , OU LUTA ATÉ Á MORTE

Ocupação da GSEE