Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

Istambul: DAF e outros grupos saúdam o companheiro Nikos Romanos

“Liberdade para Romanos – Viva o anarquismo – Ação Revolucionária Anarquista (DAF)”

police-in-front-of-greek-consulate

Polícia defronte do consulado da Grécia

police-standing-for-protecting-greek-consulate

DAF-clash-with-police

Hoje, estamos nas ruas por Alexis, que foi assassinado pelo Estado grego, e por Nikos Romanos que está em greve de fome há 26 dias contra a repressão do mesmo Estado.

Hoje, estamos nas ruas pelos nossos irmãos e irmãs que foram assassinadxs
enquanto resistiam na Grécia, em Ferguson, no México, em Kobanê.

Hoje, estamos nas ruas por Berkin, Ali İsmail, Ethem, Arin, Kader, Suphi Nejat. Enquanto os estados estão a matar os nossos irmãos e irmãs em todo o mundo, nós, anarquistas revolucionários, estamos nas ruas com a nossa raiva contra os estados, capitalistas, empresas e assassinos.

Até mesmo a polícia que nos seguiu e nos atacou com as suas balas de plástico, bombas de gás e bastões não nos poude alcançar para suprimir a nossa raiva. Resistimos com as nossas bandeiras negras enquanto cresciam de tom as nossas palavras de ordem.

Esta paixão pela liberdade está a crescer hoje; a cólera pelxs que foram assassinadxs pelo estado inflama o nosso motim.

A Ação Revolucionária Anarquista saúda o companheiro Nikos Romanos’ e a sua resistência

Comunicado

Hoje, com toda a raiva de que a vida se apodera contra os poderes, com a convicção num mundo livre, as bandeiras negras são desfraldadas em todo o mundo. Contra as empresas que exploram o nosso trabalho para lucrar mais; contra os Estados que assassinam muitos de nós em nome das fronteiras que forjaram; contra todos os poderes que enchem os seus bolsos com as nossas vidas por eles destruídas, tornando-nos mais pobres e fazendo os ricos ainda mais ricos; a rebelião está viva na raiva do anarquismo. A raiva contra os patrões, empresas, assassinos e estados, está-se a propagar em pleno dilúvio através das bandeiras negras. O ressentimento de ser negligenciadx, desaparecidx e assassinadx está-se a transformar em raiva e as ruas estão a arder por toda a parte.

Há exatamente seis anos no bairro Exarchia de Atenas, Alexandros Grigoropoulos foi morto aos 16 anos, porque era um anarquista. Morto por um bófia, pela  bala da sua arma, porque tinha transformado a sua cólera em rebelião e saído para a rua a apelar à vingança pelas vidas que tinham sido tomadas, porque não obedeceu aos poderes e resistiu a todo o custo, pela liberdade. No dia 6 de Dezembro de 2008, a bala que atingiu Alexis foi transformada no fogo da rebelião nas ruas.

Embora os assassinos tivessem continuado os seus ataques, a raiva contra aqueles que silenciaram um coração que batia pela liberdade incendiou as ruas de Atenas, Tessalónica, Istambul e em todo o lado.

Nikos Romanos, que estava com Alexis no dia em que aquele foi morto e compartilhava com ele a convicção de um mundo livre, está agora em cativeiro, porque é um anarquista. Romanos está cativo, porque não permaneceu em silêncio contra a injustiça, porque não desistiu, apesar da opressão do Estado, porque com a mesma convicção que a de seu companheiro assassinado continuou a sua luta contra os poderes. Aqueles que pensavam que podiam parar essa luta, matando Alexis, agora capturaram Nikos, esperando com isso parar mais um daqueles corações que batem para o anarquismo. Tal como em 2008, as ruas estão cheias de raiva contra o Estado, que continua a atacar Romanos através do isolamento, opressão e tortura. Enquanto Romanos mantém uma greve de fome desde 10 de Novembro, outros companheiros anarquistas ne prisão também iniciaram uma greve de fome de solidariedade; e a mesma voz ecoou nas ruas ardentes e nas celas dos prisioneiros resistentes: “Enquanto respirarmos e vivermos, que viva a anarquia!”

Os poderes que assassinaram Alexis em 2008 e que mantêm em cativeiro Nikos hoje, pensam que podem ignorar a crescente raiva contra a injustiça no mundo. Continuam a aprisionar, atacar e matar com base nessa ilusão.

No México, 43 estudantes que resistiram à política dos poderes que suprimem o seu futuro, desapareceram às mãos do Estado. Os seus corpos foram encontrados em valas comuns, vários dias depois. Apenas por serem negras, as pessoas são visadas pela repressão fascista de poder e tornam-se alvos das balas da polícia; e aquelxs que resistem à prisão são estranguladxs e assassinadxs pela polícia. Muitos de nossos irmãos, como Berkin, Ethem Ali, Ahmet resistiram pelas suas vidas e foram mortos pelo Estado policial. Enquanto aquelas e aqueles que resistem em Kobanê, para criar uma nova vida, como Arin, como Suphi Nejat, como Kader, são mortos pelos bandos, militares e soldados do Estado, aqueles e aquelas que estão nas ruas, em todos os cantos da região, abraçando a resistência de Kobanê, como Hakan, como Mahsun são alvejadxs pela polícia assassina do mesmo Estado…

Onde quer que se encontrem aquelxs que lutam contra a injustiça, que resistem para retomar as suas vidas, que lutam pela sua liberdade, estando nas ruas, há luta contra a opressão, tortura e morte. Os opressores pensam que podem desencorajar aquelxs que não obedeçam, encerrando-xs, removendo-xs ou matando-xs; um grito de liberdade nalgum lugar encontra eco em todas as direções. Das celas de Atenas ao México, das ruas de Ferguson a Istambul e às terras livres de Kobanê, o desejo de um mundo novo espalha-se como uma inundação. Agora, esta paixão pela liberdade está a crescer; a raiva contra os assassinatos alimenta o fogo da revolta nos corações

Esta revolta é dirigida contra o poder que rouba as nossas vidas, que procura destruir a nossa liberdade, que nos mata. Esta revolta é dirigida contra o capitalismo e do Estado. Esta revolta é dirigida contra todas as formas de cativeiro.

Com esta revolta pela liberdade nos nossos corações, o anarquismo está a crescer em toda a parte do mundo. E a nossa luta está a aumentar, de um canto ao outro do mundo, transportada pelas ondas de bandeiras negras.

Viva a Revolução, viva a anarquia!

Ação Revolucionária Anarquista(DAF)
Ação Anarquista dos Liceus (LAF)
Juventude Anarquista
Mulheres Anarquistas
MAKI
TAÇANKA

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>