Contato

Para contribuir com traduções, edições-correções e/ou materiais originais para publicação tais como atualizações a partir das ruas, reportagens de ações, comunicados de reivindicação, textos dxs companheirxs presxs ou perseguidxs, chamadas, brochuras, artigos de opinião, etc.: contrainfo(at)espiv.net

[Cartaz] Por uma mobilização anárquica contra as drogas e seus facilitadores

O cartaz seguinte foi realizado com dois propósitos: por um lado pretende-se ampliar uma crítica anti-autoritária de modo a agir-se em conformidade, por outro lado deseja-se provocar tensão contra quem venda e facilite o uso de estupefacientes, tanto legais como ilegais – já que consideramos ser necessário o aprofundamento tanto de críticas como de auto-críticas contra o uso e a compra de drogas, dentro dos meios anárquicos.
O seu objectivo não é evitar a conflitualidade contra o poder e respectivos aparelhos de vigilância, antes sim reconhecer – como fazendo parte dele – todas as personalidades que geram ganância ao capital, por meio da venda destas substâncias sejam elas legais ou ilegais; alguns de nós consideram que tanto a luta a travar contra o narcotráfico como a luta insurrecional anárquica se fundem – já que é o próprio Estado a facilitar a mobilidade dessas substâncias.

Insurreição Anárquica contra as drogas do capital e do Estado!

Morte a toda a autoridade e aos seus polícias drogados!

No cartaz pode ler-se:

CONTRA O CAPITAL, ESTADO, DROGAS, NARCOTRÁFICO E TODA A AUTORIDADE

As drogas legais e ilegais têm sido sucessivamente empregues como método de desmantelamento da ação direta contra o poder – e seus aparelhos repressivos e de vigilância – a nível internacional. Tal aconteceu com a Frente da Libertação da Terra, os Panteras Negras e alguns grupos de ação direta nos anos 60 nos EUA.  Tal como o que afetou a maioria do movimento anárquico e anarcopunk no México. Ou seja, a facilidade em obter estupefacientes em lugares supostamente okupados ou libertados, e a abundância daqueles, converteu em fósseis alguns indivíduos – sendo apenas os patches e a música que ouvem o que os diferencia do cidadão drogado vulgar. É pois por este e outros motivos ainda que se insta à reflexão e ao auto-questionamento da função das drogas nos meios anti-autoritários – para que a crítica não se limite a considerarem-na uma absurda tendência de modas – e que incentive à ação contra quem as produza, venda ou facilite.

A partir do México, Chile e da Grécia, insurreição anárquica contra as drogas do capital e do estado

em espanhol

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>