Arquivo de etiquetas: confrontos

Atenas: Crónica da manif solidária com Nikos Romanos e do que se seguiu

2nd-dec-2014-athens
Bairro de Exarchia
koletti
Noite de luta no bairro de Exarchia

stournari

Segue-se a tradução da crónica da manifestação de ontem, 2 de Dezembro de 2014, em solidariedade com Nikos Romanos e que desembocou em fortes distúrbios. Todas as atualizações provêm diretamente de compas nas ruas (não de mass merda nem das chamadas redes sociais). Publicaremos, depois, o segundo comunicado da Assembleia de Ocupação da Politécnica e daremos mais informações sobre as mobilizações de hoje, 3 de Dezembro, e também sobre o estado dxs detidxs e feridxs

/ 02:00
Da Politécnica ocupada surge a informação de que 4 dxs detidxs da jornada foram já postos em liberdade, mas muitos ainda se encontram nos calabouços, várixs delxs feridxs, (pelo menos dois com lesões graves)

/ 01:45 (madrugada de quarta-feira, 3 de Novembro)
a ocupação da Politécnica mantém-se, consegue-se chegar lá com cuidado. A polícia retirou-se do lugar há algum tempo (antes da meia-noite)

montou-se um centro de contra-informação na Politécnica ocupada e, em breve, sairá um comunicado

ao mesmo tempo, sensivelmente, notava-se a presença de esquadrões de anti-motim na Praça de Omonoia

/ 23:50
um esquadrão MAT retira para a sede do PASOK, a partir da rua Valtetsiou, e outro  toma a mesma direção a partir da rua Arachovis

/ 23:15
dentro da Politécnica ocupada  encontram-se (barricadas) cerca de 500 pessoas, entre elas muitxs jovens

agora há assembleia, durante a qual um companheiro de Rémi Fraisse, manifestante assassinado em França, transmite uma mensagem de força e de  solidariedade com a luta de Nikos Romanos e dos demais anarquistas em greve de fome.

presente está também o pai de Nikos Romanos, que antes confirmou que a solicitação do compa em greve de fome pela concessão de saídas educativas da prisão foi recusada pelas autoridades

fora da Politécnica concentram-se por todos os lados forças repressivas
/ 22:30
esquadrões de anti-motins tomaram o controle da praça de Exarchia

a rua Patission está cortada, a partir do cruzamento com a rua Ioulianou, completamente cheia de forças MAT. Esquadrões de anti-motins alinharam também na Stournari.

a Politécnica está bloqueada

/ 21:30
confrontos de manifestantes com anti-motins na rua Solomou

cerca de 15 bastardos dos DELTA estão à espreita no cruzamento da Spyrou Trikoupi com a Solomou

a esquina da Stournari com a Patission está bloqueada pela polícia e pelos bombeiros

/ 21:20
continuam os confrontos com a bófia, sobretudo na rua Stournari, diante da Politécnica ocupada

arremesso de pedras, molotovs, etc. a zona está cheia de gases

o autocarro na rua Stournari está quase completamente queimado (foi incendiado há pouco)

/ 21:10
as pessoas correm da praça de Exarchia até à rua Tsamadou

/ 21:00
um esquadrão MAT move-se da rua Valtetsiou para a praça de Exarchia

/ 20:50
xs manifestantes trazem um autocarro na rua Stournari, na direção da Patision

contentores voltados no cruzamento das ruas Arachovis e Benaki, o mesmo na esquina da Themistokleous com a Tzavela

no meio da rua Koletti há carros incendiados e ao lado posicionou-se um esquadrão MAT

/ 20:45
Muita gente a reunir-se na Politécnica, que desde ontem à tarde está ocupada

contentores voltados na rua Benaki, contentores incendiados na esquina da Stoyrnari com a Bouboulinas, barricada montada com madeira e contentores na esquina da Stournari com a Zaimi, fogos na rua Zoodochou Pigis (próximo da rua Solonos)

/ 20:40
a marcha terminou há pouco nos Propileos

muita gente a dirigir-se para o bairro de Exarchia

voltaram-se carros no cruzamento das ruas Charilaou Trikoupi e Solonos, já se arrastaram contentores para fazer barricadas na rua Navarinou

a bófia  na rua Charilaou Trikoupi parece que estão prontos para intervir (alguns foram vistos com máscaras antigás)

a noite ainda não acabou

/ 20:00
xs solidárixs não se cansam de gritar

a parte dianteira da manifestação está na praça Syntagma, na esquina com Erou (a parte traseira, na rua Stadio, não se pode ver, devido ao tamanho da manifestação)

esquadrões MAT, visíveis na rua Vasileos Georgiou

/ 19:30
forças de MAT na praça Kotzia (onde esteve a concentração) ocupando ambos os lados da rua

a rua Athinas está repleta de gente

fizeram-se umas paragens no caminho, é costume a manif avançar mais depressa ao virar na praça Omonoia

se grita con fuerza: “la pasión por la libertad es más fuerte que todas las celdas”

/ 19:05
começa a marcha, com palavras de ordem gritadas fortemente

há pelo menos 4.000 pessoas (juntamente com blocos esquerdistas)

no momento não se descortinam esquadrõess anti-motim MAT

Numa das faixas anarquistas pode ler-se: “Respirar fundo, até à morte do Estado e do Capital”

/ 18:30
cerca de 1.500 manifestantes até ao momento, segundo a primeira estimativa

unidades de policía motorizada DELTA a los alrededores

/ 18:20 (2 de Novembro)
muitxs manifestantes na rua de Monastiraki e continua a reunir-se mais pessoas

na rua Eolou (uma das principais vias de acesso à manifestação) não havia polícia, embora se tivessem posicionado forças repressivas na rua Sofokleous

espanhol  mais (inglês)

[México] Ação – Reação: Sobre os confrontos no Palácio Nacional

11a4a10a1aCidade do México, 21 de Novembro de 2014

Ontem à noite, terminada a concentração pelos normalistas desaparecidos de Ayotzinapa, Guerrero, realizada no zócalo capitalino, alguns grupúsculos de Reacción Salvaje (RS) decidiram sublevar-se, quebrando a linha divisória da paz e dos bons modelos,  imposta pelos líderes e participantes dos movimentos sociais durante as suas marchas – servindo isso para nos camuflar e desestabilizar a coexistência cidadã e o desfile – marcha daquelxs que detestam todas as luzes da confrontação directa. Foi assim que contribuímos para os tumultos desatados que ocorreram frente ao Palácio Nacional, símbolo e bastião dos que decidem sobre o indivíduo e permitem a devastação da natureza selvagem perpetuada pelas indústrias, verdadeiros donos deste país.

Os motins que ocorreram, contra o emblemático Palácio Nacional, não foram um incidente isolado antes sim um ato que mostra claramente as dimensões da crise económica, social e política no país. O evento pôs a tremer o governo federal, que desde ontem, tem utilizado os meios de comunicação massiva para espalhar a sua mensagem prostituída de “estatuto de tolerância”- para colocar a sociedade contra  a situação e para que rejeite tais atos, em consequência.

Para nós esses confrontos, em tais condições, são totalmente úteis para aumentar as tensões que levam ao enfraquecimento das esferas do poder.

Provocar tensões violentas para que as unidades anti-motim carreguem contra os cidadãos – e que, por sua vez, estes decidam defender-se no momento, aumentando o conflito – é um dos nossos objectivos no caminho da desestabilização.

Os nocivos membros do gabinete de segurança e das bocas da imprensa, tinham propagado em Setembro o rumor de que nós tínhamos “pensado” efectuar algum tipo de atentado, durante a comemoração da independência ou durante a marcha de 2 de Outubro. A sua previsão equivocada foi apenas uma visão paranóica da nossa próxima ação – derivada da sua preocupação pela emissão da nossa primeira declaração, em 14 de Agosto. É claro que todos sabiam muito bem (e não é nada de novo) que as organizações guerrilheiras anarquistas estiveram presentes no seio das mobilizações ocorridas após o desaparecimento dos referidos estudantes, que terminaram em distúrbios e danos à propriedade. Este fato mostra que os grupúsculos terroristas RS também lá se encontram. Porque, quando a crise se aprofunda, é melhor empurrar para pior…

Como já escrevemos antes, RS não é um grupo que “entenda” ou que “respeite” as massas, não participamos nas suas manifestações para nos “solidarizarmos”, nem para clamar por “paz” e “justiça” – os grupúsculos de RS querem impulsionar a situação para que vejam este sistema e esta civilização a arder e a tombar, devido às problemáticas dos seus integrantes..

E com esse objectivo, temos de nos infiltrar nas recentes manifestações com paus, explosivos, fogo, armas de fogo inclusive, que fique claro que o faremos.

Pela desestabilização do podre sistema tecno-industrial!

Reacção selvagem

Grupúsculos:
“A sangue e fogo”
“Dança de Guerra”

                                                                                                                                                    espanhol