Arquivo de etiquetas: rádio livre 98fm

Atenas: Atos de solidariedade para o 11 de Junho

Liberdade para xs que estão nas celas da prisão & gaiolas. Solidariedade com Marie Mason e Eric McDavid
Solidariedade com Marie Mason & Eric McDavid, lutadorxs presxs por libertação animal-terra (ALF-ELF)

No contexto do 11 de Junho, dia internacional de solidariedade com Marie Mason e Eric McDavid, anarquistas presxs nos EUA, e todxs xs anarquistas presxs a longo termo, uma faixa foi pendurada na rua Patission; na Escola Politécnica de Atenas, foi pintado um graffiti de solidariedade. Falou-se também sobre o mesmo assunto no ar, através de Ondas de Rádio de Expressão Subversiva 98FM, estação de rádio auto-gerida, em Atenas.

Anarquistas em solidariedade

Atenas: Repressão contra Atenas Indymedia e 98fm

Ataque ao Atenas Indymedia e à rádio livre 98fm. Para hoje, sexta-feira, 12 de Abril, às 13.00 horas,  convocada concentração na praça central do Campus em Zografou.

Pedimos a máxima difusão desta convocatória.

Acesso por autocarro:
608 da praça Academias
242 da estação de metro Katechaki

fonte e mais informação: Indymedia.squat.gr

Zagreb, Croácia: Ação solidária com as Okupas e xs antifascistas

recik1recik2A 19 de Janeiro de 2013, na Praça das Vítimas do Fascismo em Zagreb, teve lugar um protesto internacional em solidariedad e com xs antifascistas na Grécia que nesse mesmo dia organizaram protestos contra o Amanhecer Dourado, o partido parlamentar de retórica xenófoba extremista e ação política violenta. Aproveitámos também para expressar o nosso apoio com algumas das Okupas e centros autónomos e as comunidades que têm sofrido recentemente ataques fascistas ou desalojos.

Um mundo, uma luta!

fonte

Atenas, rádio livre 98 FM: Queda da faixa em solidariedade com o Indymedia de Atenas

 

O Estado tem vindo a desencadear um ataque frontal à sociedade com todas as armas à sua disposição, impondo-se à sociedade pelo crescente empobrecimento e pela tentativa sistemática de integrar novos confrontos fabricados pelo poder.

Ao mesmo tempo, existe uma batalha em curso para reprimir e silenciar as vozes de todos aqueles/as que resistem e que se opõem a esta realidade. O assédio metódico e dirigida ao Indymedia Atenas, orquestrado por círculos fascistas  é, ainda, outra parte desta operação repressiva.

Solidarizamo-nos com o Indymedia Atenas,  uma vez que o apoiamos activamente assim como acreditamos na necessidade de uma comunicação livre e sem mediação.

OS QUE ODEIAM A LIBERDADE SUPRIMEM A SUA EXPRESSÂO
NÃO SE PODE SILENCIAR A CONTRA-INFORMAÇÃO  MÃOS FORA DO INDYMEDIA
MÃOS FORA DO INDYMEDIA

Ondas de rádio de expressão subversiva
98fm – 93.8fm
radio98fm.org

“Para além das fronteiras”: Programa da rádio livre 98 FM e da Contra Info – 9 de Junho 2012

No intuito de reforçar os laços de comunicação e solidariedade internacional, realizou-se uma emissão radiofónica da Contra Info no sábado, 9 de junho à tarde, em colaboração com a rádio livre 98FM. Tivemos a oportunidade de entrar num debate aberto com o compa anarquista José Rodríguez, de Madrid, que estava em Atenas.

Pode ouvir o programa de rádio clicando aqui.

“Para além das fronteiras”: programa da rádio livre 98 FM e da Contra Info – 27 de Junho

Mais uma emissão de rádio em direto “Para além das fronteiras” [Ektos synoron] teve lugar na segunda-feira, 27 de Junho, no âmbito da cooperação entre a rádio livre 98 FM de Atenas e a rede de traduções e de contra-informação Contra Info.

O dj questionmark da rádio pirata Free Radio Olympia 98.5 FM (Washington, DC) trocou algumas impressões com membros do Contra Info. No decorrer da conversa abordaram-se diversos temas de interesse para anarquistas e outros/as, mobilizados/as para as lutas sociais, assim como a construção de infra-estruturas revolucionárias, a oposição aos neo-nazis e ao nacionalismo, a solidariedade com os/as imigrantes, a solidariedade com os/as prisioneiros/as político-sociais, a insurreição de Dezembro de 2008, as greves gerais, as assembleias de moradores e muito mais. Também se falou do movimento anarquista e das lutas nas prisões nos EUA.

Pode ouvir o programa de rádio (clicando aqui para ouvir em grego/inglês, cerca de 4 horas), assim como a sua versão mais curta aqui (só em inglês, cerca de 2 horas).

Em breve os registos seleccionados estarão também disponíveis
em
www.freie-radios.net (Alemanha) para download.

Carta do preso C.K.

Carta de um homem de 22 anos que foi hospitalizado depois de ter sido violentamente detido pro um esquadrão de polícia ao deixar o concerto DIY da estação de rádio livre 98 FM na Politécnica de Atenas (Polytechnio) na sexta, 8 de Julho (depois da meia-noite).

No 14 de Julho uma juíza investigativo visitou o hospital Erithros Stavros [Cruz Vermelha] onde C.K. tem estado hospitalizado desde que foi espancado por policiais na sexta, do lado de fora da Politécnica. Ajuíza investigativa disse que C.K. é “perigoso à segurança pública”e emitiu uma decisão para seu encarceramente pré-julgamento. Quando viu os ferimentos graves de C.K., ela teve a audácia de dizer que “policiais não faziam tais coisas” e não se importou em perguntar nada mais sobre o incidente.

C.K. está enfrentando acusações de crimes graves como resultado do testemunho de um policial contra ele. Chamamos a todxs presentes durante a hora de seu espancamento para ajudar como testemunhas neste caso.

“No amanhecer do sábado, 9 de julho, enquanto estava saindo de um concerto na Politécnica (Atenas) indo em direção à rua Bouboulinas, fui repentinamente atacado por um esquadrão da polícia que estava numa ruela próxima. Cerca de 10 homens da unidade anti-distúrbio (MAT) me atacaram, me espancando violentamente com seus cassetetes, mas também com chutes e socos. Me batiam principalmente na cabeça e costelas com muita fúria; muitos deles usavam seus cassetetes virados ao contrário me atingindo com a ponta metálica, praguejando e dizendo coisas indescritíveis.

Poucos minutos depois, enquanto eu estava sangrando e em condição semi-consciente, eles me arrastaram para uma van de patrulha próxima e me lavaram com água, álcool etílico e qualquer líquido que tivessem em mãos.

Por volta de 03:45am, fui transferido para o QG da polícia. Apesar da minha situação ser péssima, ninguém deu atenção. Eu pedia por um médico dizendo que estava em agonia e eles negaram, dizendo que antes deveriam passar pelos procedimentos. Deixaram-me sangrando num corredor, indiferentes [à minha situação médica crítica] até mesmo quando perdi meus sentidos.

Na manhã seguinte anunciaram que eu tinha sido preso e acusado de… ter jogado um coquetel molotov contra o esquadrão de polícia.

Apesar de eu ter um traumatismo profundo de alguns centímetros de profundidade no meio do meu crânio e hemorragias em várias partes do meu corpo, não fui transferido a um hospital; disseram que antes eu deveria me apresentar frente ao promotor. Depois de me trasnferirem para a corte onde eu fui formalmente acusado de dois crimes graves e dois médios (explosão, posseção de material explosivo, distúrbio do espaço público e insultos). Então fui transferido a um hospital.

Do meu primeiro encontro com as forças de “segurança”, tirando a parte das acusações e o risco imediato de ser detido temporariamente, levei “de graça” uma série de ferimentos físicos. Mais particularmente, sofri uma fratura craniana, corte profundo na cabeça que necessitou de 9 pontos, um dente quebrado, cortes na pele na face e orelhas, fraturas no cotovelo e ombro, ferimento profundo na perna que também precisou de 10 pontos, deslocamento de joelho, ferimentos múltiplos e de alta intensidade de cassetetes nas costelas e nas costas, o que me causou insuficiência renal.

Estou hospitalizado guardado por policiais que tentam fazer minha estada aqui ainda mais difícil. Eles chegaram ao ponto até de proibir de desligarem as luzes da enfermaria, exigindo que eu e outros pacientes dormíssemos com as luzes acesas.

O mais ultrajante é que o documento legal que foi emitido, apesar das acusações falsas contra mim, não se referem a parte nenhuma sobre o abuso que venho sofrendo. Há apenas o depoimento de um policial (nenhum dos outros policiais do esquadrão se meteram a testemunhar, ou por que não notaram nada ou pelo medo de tomar responsabilidades de suas ações). A única coisa que este policial notou foi eu jogando um molotov e então sendo preso (tudo dentro da lei).

Ainda não sei se há algum dano permanete causado a minha saúde. O que eu sei é que eles quiseram me matar.

Aqui algumas fotos da saída do meu encontro com a polícia; chamoa a todxs que testemunharam o ataque contra mim ou que tenham material fotográfico, contatem-me através deste email: solidarity_xk@yahoo.gr.

C.K.”

fonte: athens.indymedia
traduzido pelo FogoGrego

Atenas: Concerto DIY organizado pela estação de rádio livre 98 FM, na Escola Politécnica

A estação de rádio livre 98 FM de Atenas organiza um concerto na sexta-feira, 8 de julho, às 22h00 (GMT+2), no pátio da Escola Politécnica (Polytechnio, Rua Patission – entrada a partir da Rua Stournari). Os grupos ACHAIREFTOI, METHISMENA XOTIKA, INDICO, WAXING GIBBOUS vão tocar ao vivo.
Também serão recolhidas contribuições para financiar o equipamento da estação para a atualização do seu sinal de rádio.

www.radio98fm.org

“Para além das fronteiras”: programa da rádio livre 98fm e da Contra Info

Escuta o programa de radio (em espanhol e em grego)  de segunda-feira, 13 de Junho de 2011, uma colaboração da rádio livre 98fm e da rede tradutora de contra-informação, Contra Info.

Companheiros espanhóis falam sobre:
– notícias do mundo
– uma breve retrospectiva histórica do anarquismo
e das lutas sociais em Espanha
– o movimento 15-M
– a situação actual em Atenas, Grécia

A gravação, com o título grego “Ektos synoron”, aquí

Gravações anteriores: a / b / c / d / e