Arquivo de etiquetas: Aachen

Alemanha: Atualização sobre Lisa, anarquista que se encontra presa em Colónia

Liberdade para Lisa, liberdade para todos que estão atrás das grades!
Nada está esquecido, nada está perdoado!
Viena, CNA

Recusada a revisão da sentença

Em Dezembro de 2017 a BGH (Tribunal Federal de Justiça) recusou a revisão da sentença dada à nossa companheira Lisa. Assim, a sentença de 7 anos e meio torna-se definitiva. A determinação da compa é de ser extraditada a Espanha, o mais breve possível, para estar mais próxima do seu meio suporte. Por agora continua encarcerada na mesma prisão de Köln (Alemanha). E pode receber cartas.

Lisa, nº 2893/16/7
Justizvollzuganstanlt (JVA) Köln
Rochusstrasse 350
50827 Köln (Germany) – Alemanha

Por outro lado, soubemos que, no mesmo mês, o ministério público de Aachen retirou o recurso contra a absolvição da nossa companheira da Holanda, após quase um ano. Alegramos-nos muito por ela! (mais info em solidariteit.noblogs.org)

A solidariedade é a nossa melhor arma!

em espanhol, inglês, alemão

 

Berlim: Liberdade para Lisa, liberdade para todxs!

A 21.12.17 utilizámos à chamada do Dia Internacional de Solidariedade com a nossa companheira sequestrada em Colónia para visitar a Frauenknast em Neukölln  e usar a parede oposta para uma mensagem:

“Liberdade para todxs”
“Solidariedade com o assalto bancário”

Lutaremos até que todxs sejamos livres!
Nunca esqueceremos aquelxs que a repressão arranca das nossas vidas!
Rage, Love & Anarchy
[Raiva, Amor § Anarquia]

alemão

Atenas: Faixa em solidariedade com Lisa, presa em Colónia na Alemanha

Faixa colocada na Universidade Politécnica em solidariedade com Lisa, acusada de roubo de banco na Alemanha. Nela pode ser lido: “Liberdade para Lisa acusada de assalto a banco na Alemanha – Fogo a todas as prisões! Pela revolta social!

Hoje, 21 de Dezembro, respondendo à chamada internacional de solidariedade com a companheira Lisa – acusada de roubo de banco em Aachen, na Alemanha – decidimos suspender uma faixa na Universidade Politécnica, em Exarchia, Atenas.

No passado dia 7 de Junho, Lisa foi condenada a 7 anos e 6 meses de prisão tanto pelo juiz como pelo procurador de Aachen. Agora está à espera da resposta à apelação feita pelos seus advogados. Se o tribunal a aceitar, significa que terá um segundo julgamento.

O fato da nossa companheira estar na prisão torna-nos ainda mais irritados, mas sabemos que toda essa vingança do estado nos está a tornar mais fortes a cada dia, reafirmando as nossas ideias.

Vamos continuar a lutar, lembrando-nos de todxs xs nossxs companheirxs na prisão. Temos claro na mente quem são xs nossxs inimigxs. Esta é a nossa decisão, lutar contra os estados, polícia, juízes, ministério público e todxs aquelxs que fazem parte do sistema que está a tornar a vida das pessoas miserável. Não vamos parar, isto é sobre a nossa vida, isto é sobre as nossas lutas!

Este é um pequeno sinal de solidariedade com  a companheira, mas também uma reivindicação para  que se continue com a luta dentro das prisões tal como nas ruas. Nunca deixaremos nenhum/a companheiro/a sózinho/a nas mãos do estado.

Até que todxs sejamos livres, força, fogo, amor e luta!
Queremos-la livre, queremos-la nas ruas!

Pela Anarquia!

Para escrever a Lisa:

Lisa, nº 2893/16/7
Justizvollzuganstanlt (JVA) Köln
Rochusstrasse 350
50827 Köln (Germany)- Alemanha

em inglês

República Checa: Rede de células revolucionárias (SRB) – ‘Chamada para a luta: Saboteie as Atividades desses Bastardos!

Demos-nos conta que a campanha repressiva sobre o movimento anarquista não tem fim. Exemplos suficientes disso são: A operação Fénix,o caso na república checa, o caso do Warsaw 3, acusações do assalto a banco em Aachen, tribunais com rebeldes contra a Cimeira do G20 em Hamburgo e outros casos.

Polícias, juízes, acusadores do ministério público. Eles são assombrados, aprisionados, surripiados e manipulados. Isto constitui um desafio para todas as células revolucionárias e outros grupos e indivíduxs. Saboteie as atividades desses bastardos. Dê-lhes a volta no terreno, tecnologia e estruturas. Organize a resistência. Apoie os fugitivos e os seus entes queridos.

O que nos anda a destruir só se deterá através da luta.

O objetivo é claro= Liberdade, justiça, anarco-comunismo.

Network of Revolutionary Cells (SRB)

em inglês

Santander, Cantábria: Faixa em solidariedade com anarquistas presxs

ANARQUISTAS PRESXS PARA CASA

No contexto da semana internacional pelxs anarquistas presxs, realizamos [1 de Setembro] aqui em Santander, um pequeno gesto de solidariedade com todxs xs lutadorxs ácratas que se encontram presxs por todo o mundo. Com especial carinho para a compa Lisa, encarcerada en Köln (Alemanha), recentemente condenada a 7 anos e meio de prisão,por assalto en Acheen.

Via contramadriz

[Prisões alemãs] Carta da companheira Lisa – 06/17

Queridxs companheirxs,

Gostaria de agradecer novamente pela vossa solidariedade e pelo apoio que me têm expressado de diversas formas, desde o início e especialmente durante este julgamento, tanto no tribunal quanto à distância.

Foram tantos os momentos em que esses gestos me ofereceram energia e calor tal como, evidentemente, deram alento à minha convicção de que a luta continuará sempre, sob quaisquer condições e independentemente dos obstáculos que se atravessem no caminho.

Precisamente porque sei exactamente como a justiça funciona e da mania persecutória do Estado, e como neste julgamento o tribunal, a acusação, a bófia e a imprensa precisavam ter culpados, tenho imensa raiva. Raiva desse mundo miserável e totalmente desigual em que o direito dos poderosos nos é imposto. Raiva deste sistema de punição, opressão e confinamento para todxs aquelxs que não se enquadram nele. Raiva de toda a manipulação, farsa e mentira com que alimentam a opinião pública … e, claro, ainda mais raiva por tantas outras coisas.

Desta vez tocou-me a mim, mas outras vezes tocará a outrxs e talvez até a todxs nós, especialmente aquelxs que seguem o seu caminho com dignidade e força. Mas não deixaremos que o estado e seus sequazes nos dobrem.

A prisão nunca é o fim; estas condições agravadas nos encorajam ainda mais a continuar a defender a vida e os valores que representamos.

A luta continua – tanto aqui dentro como aí fora – até que se derrubem todas as prisões e todas as formas de dominação e autoridade fiquem destroçadas.

Muitíssima força e solidariedade a todxs xs companheirxs presxs e perseguidxs por todo o mundo!

Liberdade para todxs.

Lisa

Junho de 2017

N.T.
Para lhe escrever

Lisa, nº 2893/16/7
Justizvollzuganstanlt (JVA) Köln
Rochusstrasse 350
50827 Köln (Germany) – Alemanha

Atualizações em solidaritatrebel

Atenas: Faixas de solidariedade internacionalista, em Exarchia

Na manhã desta terça-feira, 11 Julho de 2017, membros da Okupa Themistokleous 58, juntamente com compas afins, levantaram algumas faixas em solidariedade com três casos diferentes.

TEMOS AS CHAVES DE TODAS AS PORTAS, SOLIDARIEDADE COM A OKUPA KIKE MUR EM SARAGOÇA, ESPANHA..

A partir da varanda da 58 pendurou-se uma faixa em apoio à C.S.O Kike Mur, em Saragoça, Estado espanhol, que está ameaçada de despejo pelas autoridades locais. No edifício (uma antiga prisão), ocupado há 7 anos, há espaço para atividades e expressões de solidariedade anarquista, como foi o caso da faixa gigante no âmbito da campanha internacional do Fevereiro Negro, em Fevereiro de 2013.


SOLIDARIEDADE COM XS INSURRECTXS DO NO-G20.

Nas grades da antiga faculdade de Química foi colocada uma faixa para apoiar todxs aquelxs que enfrentaram as forças repressivas nas ruas de Hamburgo nos últimos dias, contra a Cimeira dos 20 Estados mais poderosos do planeta. Agora é o momento de difundir a necessidade de apoiar xs reféns da G20.

ASS(A)LTA OS BANCOS ! LIBERDADE PARA LISA, ANARQUISTA PRESA NA AL€MANHA.

Das janelas do edifício Gini, na Politécnica, pendurou-se uma faixa em solidariedade com Lisa, anarquista condenada a 7,5 anos de prisão por assalto a banco em 2014, em Aachen, na Alemanha.Que não se deixe nenhum/a presx nas mãos do Poder: ATAQUE AO ESTADO/CAPITAL E À DOMINAÇÃO!

Okupa Themistokleous 58
e compas afins

em grego l inglês l alemão l espanhol

[Prisões alemãs] Envie uma carta a Lisa!

[2013 caso do assalto de banco em Aachen]
Em Dezembro de 2016 uma anarquista oriunda de Amsterdão foi absolvida da acusação de uma expropriação bancária ocorrida em Aachen em 2013.

[2014 caso do assalto de banco em Aachen]
Desde o início de 2017, dois companheirxs de Barcelona foram julgadxs por uma expropriação ao Pax-Bank que ocorreu em Aachen, em 2014:
Em 7 de junho de 2017, a companheira anarquista L
isa foi condenada a 7 anos e 6 meses de prisão, enquanto o outro companheiro (que recentemente escreveu uma nota de agradecimento) foi absolvido pelo tribunal de Aachen.

Depois de ser sentenciada e enviada à prisão de Colónia, a companheira decidiu publicar o seu endereço de contato:

Lisa
Buchnummer: 2893/16/7
Justizvollzuganstanlt (JVA) Köln
Rochusstrasse 350
50827 Köln – Deutschland (Alemanha)

Lisa fala espanhol, alemão, inglês e italiano e ficará feliz ao receber as tuas cartas.

Que outras formas de solidariedade continuem a ser expressas com ela e todxs xs outros prisioneirxs. Que xs prisioneirxs contineam sempre a ser parte das lutas sociais e se encaixem em todas as ações da guerra social. Para a Anarquia.

Mais informações:

solidaritatrebel

em inglês l alemão  l italiano

[Cartaz] Caso Aachen: Obrigado!

Desde o coração, muito obrigado a todos e todas pelo apoio que recebi, assim como todo o calor e amor que senti, que muito contribuíram para reforçar a minha resiliência contra a opressão a que estava submetido.

Não estamos todxs faltam as pessoas presas!
Liberdade presxs!
Força a todxs xs que afrontam a opressão!
Prisão, demolição e reflorestação!

O sequestrado desde 21/06/2016 a 07/06/2017 do caso Aachen

barcelona.indymedia

em italiano

cartaz em pdf para impressão

Madrid: Dispositivo explosivo-incendiário em solidariedade com companheira condenada na Alemanha

Na noite de 7 de Junho colocou-se um dispositivo explosivo-incendiário numa sucursal do Bankia, situada na colónia Mirasierra de Madrid, perturbando a tranquilidade da classe média-alta que ali reside. Esta urbanização está povoada de chalés e equipada com vídeo-vigilância e patrulha de segurança privada, longe da miséria que cimenta o nível de vida dos seus habitantes.

Esta ação foi realizada depois de ser conhecida a sentença da nossa companheira, condenada por expropriações na Alemanha e à qual queremos enviar todo o calor do nosso incêndio. Enquadramos também a nossa ação na chamada contra a Cimeira do G20, em Hamburgo.

Também nesta noite explodiu a nossa raiva e revolta perante a impotência do quotidiano, como tentativa de sair da passividade e devolver alguma da violência em que vivemos. Fartxs da vida programada e da atividade política, também programada. Queremos abraçar, através deste acto, todxs xs que caíram na ação e lutar contra a morte, na qual a passividade nos mantém.

Que a solidariedade entre ácratas não seja só uma palavra escrita! Pela anarquia!

Aachen, Alemanha: Saíu a sentença do Caso Aachen

SE NÃO HÁ LIBERDADE PARA XS NOSSXS COMPANHEIRXS ENTÃO QUE NÃO HAJA TRANQUILIDADE PARA OS NOSSOS INIMIGOS

Hoje, 7 de Junho de 2017, foi proferida a sentença do caso contra xs companheirxs acusadxs ​​de atacar uma sucursal do PaxBank (Aachen) em 2014. Embora o companheiro (Barcelona) tenha saído em liberdade, a nossa irmã e companheira (Alemanha) foi condenada a sete anos e meio de prisão.

O que ficou claro após este julgamento e com esta sentença é que quiseram condenar não só os fatos, mas também as ideias; as nossas ideias anarquistas, a solidariedade e a atitude não colaboracionista com o Poder.

Apesar da intenção de atingirem e suprimirem as nossas ideias e práticas anarquistas, continuamos orgulhosxs de quem somos e convencidxs continuaremos do motivo pelo qual lutamos. Assim o demonstramos a ambxs com os nossos gritos de raiva e solidariedade na sala do tribunal – correspondendo à dignidade da nossa companheira – que nos saudou com a cabeça, levantando o braço de punho cerrado, enquanto a levavam.

Na sala do julgamento deixamos a nossa marca de desprezo por tudo o que isto significa: esperamos que esta tormenta de raiva, ira e amor pela nossa companheira sopre forte e se amplie por este maldito mundo.

Liberdade para xs nossxs companheirxs, guerra aos nossos inimigos!!

Alguns e algumas anarquistas solidárixs

N.T. Em Barcelona, estava marcada para este dia uma manifestação solidária, às 20h locais, fosse qual fosse a sentença proferida.

ATUALIZAÇÕES À MEDIDA QUE CHEGAREM

[Caso Aachen] 7 de Junho como data provável para a leitura da sentença

Atualização do Caso dxs anarquistas acusadxs de expropriar um banco em Aachen, Alemanha

Breve resumo da sessão de 22 de Maio.

A acusação pediu 9 anos para o companheiro e 8 anos e meio para a companheira em julgamento no denominado caso Aachen, na Alemanha.
Xs advogadxs da companheira pedem a sua liberdade tal como xs advogadxs do companheiro pedem a liberdade daquele. Provavelmente a sentença será lida no próximo dia 7 de Junho.

Atualizações constantes (espanhol) em solidaritatrebel

México: Ataque à bomba contra sucursal bancária em solidariedade com xs compas acusadxs de assalto em Aachen

Respondendo à chamada internacional de ações em solidariedade com xs companheirxs acusadxs de assalto a banco em Aachen, Alemanha, colocámos um dispositivo explosivo com cerca de um quilo de pólvora negra – às 2:30 da madrugada de 20 de Abril – numa sucursal do citibanamex, situada sobre o eixo 10.

Repetimos a ação realizada pelxs companheirxs da Célula Incendiária Gatos/as Noturnos/as e Bruxos/as Malvados/as, há cerca de dois meses. Pelos vistos tinham recontruído a sua sucursal após o ataque dxs compas, decidimos pois ajudá-los a redecorá-la.

Será necessário explicar porque é que atacámos um banco? Estas merdas deixam a gente sem casa, dão financiamento a empresas da guerra, a empresas que destroem o meio ambiente, a exploradores enquanto milhões vivem reféns das dívidas e das suas falsas promessas…

São eles os terroristas, usam o medo com avisos de pagamento, de dívida,  ameaçam despejar-te ou deixar-te sem nada. E mesmo assim ainda se atrevem a dizer que nós é que somos xs delinquentxs, xs desalmadxs, xs asssassinxs…

À polícia: Bom trabalho esse, defendendo os interesses dos vossos donos, continuem assim…

Aos banqueiros: Por enquanto são as vossas sucursais, em breve serão os vossos lares.

Aos/às companheirxs insurretxs, em especial aos/às acusadxs de Aachen: mandamos-vos uma saudação e um abraço, continuemos a resistir, continuemos a  causar mossa.

Nenhum retrocesso indigno!
Fogo e pólvora ao assassino explorador!

Célula Insurreta Poucxs Mas Loucxs
F.A.I./F.R.I.

em grego

México: Atentado explosivo contra a petroleira EXXON, em solidariedade com xs anarquistas do caso Aachen

Comunicado recebido juntamente com as fotos a 17/04/2017

Depois da meia noite…

Atendendo à chamada de ação em solidariedade com xs anarquistas do caso Aachen – a 16 de Abril de 2017, aproximadamente à 1:30 horas – colocámos um dispositivo explosivo que detonou nas instalações da petroleira EXXON, na Cidade do México, situada na via norte 59, colónia Industrial Vallejo.

EXXON é uma corporação petroleira e química com sede no Texas, EUA, que conforma em si mesma um historial criminal completo – assassina, genocida e ecocida. O seu larguíssimo currículo de devastação não tem poupado no derramamento de sangre, morte, tortura e exploração, onde quer que cheguem os seus tentáculos. E a seguir, quando se calam os gritos dos massacres que provoca, cava ela mesma as tumbas das suas vítimas – fazendo exatamente o mesmo do que faz com as mesmas máquinas – quando suga o suor da terra e dos seres humanos.

Mas agora foi a vez dela. Toma aí a nossa oferta de ódio e raiva! … porque nada é intocável. Porque não nos intimida o pesado silêncio que impuseste – com base no me do e com violência – sobre os teus crimes, nem tampouco nos intimida a estreia do teu secretário de Estado…

Estás a festejar agora os teus três contratos de licenciamento de gigantescos blocos de hidrocarbonetos no leito marinho do Golfo do México? Nós festejaremos a sabotagem! Que cresça a ira! Não há ações pequenas! Viva o ataque frontal e o caos!

I. E continua a dar…

Por aqui vive-se um clima de angústia pela difusão do medo perante o facto de “o novo governo Trumpista «tinha começado» um pacote de medidas agressivas, racistas, violentas contra «o povo mexicano». Ah! Co-me-ça-do? Como se alguma vez tivesse existido a situação contrária! Há muito, mas muito tempo, que o que temos cá é um sistema de domínio colonial dos grandes mercadores e dos donos financeiros e militares do que chamam América do Norte às nossas costas!

Mas a manipulação mais importante  – a que está na base desta nova versão de difusão de temor- é o retorno ideológico aos nacionalismos que se encontra no seio das necessidades de reconfiguração atual do capital. Uma verdadeira representação teatral camaleónica fascista!

Mas a que chamam de ‘o povo do México’? Se o que há aqui é um prisma de diferentes faces brigando por território e poder, oprimindo-se entre si, em constante luta! Tiremos-lhes de uma vez o véu dos fetiches nacionais! A crença na nação só perpetua o racismo! Tiremos-lhes a cadeia idealógica da crença no “povo”! A crença no “povo” só limita o livre desenvolvimento e autoafirmação da vontade humana! Não são mais que fantasmas a cegar-nos!

Já não acreditamos em fantasmas …olhamos para os seres humanos reais e para os seus apetites.

II. Sobre o muro chamado estados criminosos

Vão colocar um muro? Agora é apresentado como uma novidade a tragédia da construção de um muro entre México e EUA. Mas se há tanto tempo que esse muro foi posto! Fisicamente numa terça parte da fronteira, mas historicamente pelas vias das intervenções militares, políticas e económicas que assassinam os migrantes na sua passagem pelo México, através de ambas as fronteiras, tanto a norte como a sul. Tudo isso em conjunto com os hipócritas funcionários do Estado mexicano. E aos olhos de todos…

E que o despojo sistemático que provocou um deslocamento forçado das populações? Aquele que o patrão exportador extrativo impõe na América Latina, para benefício das grandes corporações internacionais e de 1% da classe parasitária no poder (que administram violentamente os estados latinoamericanos mediante as leis e grupos paramilitares)? Esse deslocamento das populações despojadas de tudo em busca dos meios necessários para sobreviver? Mas que a cada passo só encontram racismo, violência, escravatura, morte?
Milhares de desaparecidos. Onde estão?

E que existirão deportações em massa? Obama  bateu recordes de deportações também! Pensamos que a constante ameaça de deportação tem o efeito de manter o clima de medo necessário para se aceitar um recrudescimento da exploração, para manutenção da taxa de acumulação de capital. De modo que pensamos que esta política da deportação não passa de uma estratégia mais para a intensificação da fase de sobre-exploração laboral e de destruição da natureza de um lado e outro da fronteira. Destruamos os muros! Destruamos as mercadorias! Destruamos o trabalho!

Solidariedade com xs anarquistas do caso Aachen! Força companheirxs!
Solidariedade com xs companheirxs sequestradxs em Koridallos e com a companheira Pola Roupa! Força companheira!

Pela célula de difusão do Comando Feminista Informal de Ação Anti-autoritária
(COFIAA)

Espanha: Ataque incendiário contra carro de segurança privada em Madrid

Na madrugada da passada 2ª feira, 27 de Março, um carro da Securitas Direct  morreu entre chamas, na zona da Cidade Universitária, em Madrid. Cinco litros de gasolina foram mais que suficientes para acabar com a sua vida. Após isto, só esperamos que o nosso calor chegue às companheiras sequestradas nas prisões do Estado Alemão – enchendo-as de força – e que muitos outros carros das forças repressivas, públicas ou privadas, tenham este mesmo destino.

Desprezamos tanto esta realidade como todas aquelas estruturas e pessoas que a protegem e queremos que isto só  seja um pequeno aquecimento e um aviso, um entre tantos outros que já sucederam e sucederão, para a Cimeira do G20 que se celebrará em Hamburgo, neste verão.

Morte ao estado e viva a anarquia.

Célula incendiária pelo colapso

em grego

Barcelona: Seja qual for a sentença, estaremos nas ruas (caso Aachen)

Seja pela rejeição de todas as opressões que nos tentam esmagar ou por acreditar muito nos maravilhosos mundos que temos no coração – chocando continuamente com a asfixiante realidade em que vivemos – decidimos lutar contra o Estado e toda a forma de poder.

E sabemos bem que a nossa luta continua sem descanso – e o inimigo também – mesmo que limitada às vezes.

Por isso nos aprisionam – nos tentam calar com a intenção de reduzir a nossa vontade – sendo natural que isso impulsione a rebeldia.

Por isso continuamos de cabeça erguida – condenação após condenação, operação repressiva após operação repressiva – retomando todas as forças possíveis e voltando a atacar, enchendo as ruas do nosso ódio por minutos eternos de liberdade vividos juntxs.

Com a firme convição das nossas ideias e das nossas práticas – das nossas vivências e da nossa solidariedade – seguiremos conspirando, procurando e encontrando maneiras de enfrentarmos o Estado e os seus múltiplos cúmplices.

SEJA QUAL FOR A SENTENÇA, ESTAREMOS NAS RUAS
No cartaz, em catalão, pode ler-se:

Se não liberdade para xs nossxs companheirxs que não haja tranquilidade para os nossos inimigos
Solidariedade rebelde com xs anarquistas aprisionadxs na Alemanha pelo caso de Aachen
MANIFESTAÇÃO no mesmo dia que sair a sentença, às 20 h, em Barcelona.
ESTEJAM ATENTXS À CONVOCATÓRIA
solidaritat.noblogs.org
em catalão e castelhano em  solidaritatrebel

Espanha: Faixa solidária com as companheiras presas na Alemanha


Anarkia elkartasuna

Em solidariedade com as companheiras que estão a ser submetidas a julgamento na Alemanha  e respondendo à chamada internacional em solidariedade com elas, colocamos duas faixas na estrada nacional n.1 entre Irun e Madrid, à altura de Altsasu (Nafarroa). Nas faixas pode ler-se: Às companheiras anarquistas em julgamento na Alemanha, Solidariedade e cumplicidade. Companheiras presas na Alemanha; Elkartasuna (solidariedade). Ekintza (ação).

Queremos recordar também o companheiro recentemente assassinado pelas Instituições Penitenciárias do estado, Jose Angel Serrano Benitez, pelo total  desinteresse e desleixo sanitário no seu confronto. Não esquecemos nem perdoamos.

Solidarizamos-nos, também, com xs companheirxs presxs que estão a lutar nos diversos  cárceres do estado, tanto com jejuns a cada mês, como com outros meios ao seu alcance, para não serem engulidxs na trituradora carcerária e fazerem frente aos abusos de poder dos carcereiros e da Instituição. Não estão sózinhxs.

Presoak kalera !!

Hator hator anarkistak, hator kalera !!

em espanhol

Viena, Áustria: Ataque a um banco em solidariedade com as acusadas no caso Aachen

No fim de semana passado (15 e 16 Abril) em Viena, a agência do banco Bawag-PSK, no n°37 da rua Kuefsteingasse, foi atacada com um líquido negro malcheiroso e pegajoso.

Os bancos são uma parte importante do todo constituído pelo sistema capitalista de exploração. Por trás de cada história contam-nos por que deveríamos armazenar o dinheiro lá, descobriríamos que o único objetivo é o lucro. Eles também estão profundamente ligados ao bem-estar do Estado. Ambos dependem um do outro tal como as flores do sol. Se os bancos vão à falência, o Estado deve salvá-los e vice-versa. Não há espaço aqui, infelizmente, para uma análise profunda de todo este execrável sistema. Se os bancos se vêm atacados é porque isso constutui também um ataque indirecto contra o Estado!

Solidariedade com as anarquistas acusadas de assalto à mão armada em Aachen, na Alemanha!

Solidariedade com a Okupa no n°15 da rua Kienmayergasse que foi desalojada ontem (19 Abril de 2017)!

O que é assaltar um banco comparado com a sua fundação?

via linksunten em inglês l alemão l francês

[Lembrete] Chamada internacional de ações descentralizadas em solidariedade com as anarquistas acusadas no caso Aachen (17-23 Abril)

Uma semana de ações descentralizadas em solidariedade com as companheiras anarquistas acusadas de roubo num banco em Aachen (Alemanha), uma chamada para fortalecer os laços entre todxs xs rebeldes e oprimidxs, em qualquer lugar do mundo, em qualquer recanto. Usemos as nossas ferramentas para sabotar, atacar e destruir as suas estruturas de poder, usemos a nossa imaginação para continuar a demonstrar-lhes o nosso ódio, usemos a nossa paixão para continuar a caminhar, para continuar a lutar! Fazemos uma chamada de 17 a 23 de Abril de 2017!

Tudo continua, nada se acaba!

Livres elas, livres todxs!

Pela revolta, pela anarquia…

Espanha: Ações diretas em Madrid

Na passada noite de 16 de Março estávamos novamente cheios de raiva. Estamos cansadxs de palavras, de comodidade, de ler e falar, de ver como a repressão golpeia os nossos corpos e mentes.

Assim, nessa noite, decidimos agruparmos-nos entre afins e que essa raiva se unisse com a alegria de nos podermos encontrar e deixar fluir de forma espontânea esse momento. Para, de alguma forma, atacarmos e sabotarmos os símbolos que se encontravam a jeito.

Atacámos uma dezena de caixas automáticas de diferentes entidades bancárias, bloqueamos as fechaduras de estabelecimentos de beleza, companhias de telefone, talhos, lojas de animais e lugares de apostas desportivas – onde se utilizam alguns animais para entretimento humano, imobiliárias e a sede de um partido político. Também um Mercadona, supermercado que colabora com os nazis do Hogar Social, deixando que ponham os seus postos de recolhida de alimentos. Tudo isto acompanhado de pintadas que explicaram os porquês.

Parece-nos importante escrever estas palavras porque sabemos que o sistema tenta tapar aquilo que na noite se assinala e se suja. Também nos apetecia compartilhar essa divertida noite para que forneça um pouco de força e de motivação. Para que não seja só uma noite mas muitas, as noites que sintamos como nossas. Enquanto fazíamos isso, nas nossas cabeças e pensamentos estavam as companheiras de Aachen – aproveitando estas linhas, mandamos-lhes calor e força.

Contra o Estado, não esquecemos o hetero-patriarcado e todas as formas de autoridade.

As ruas e a noite também são nossas.
Viva a anarquia!

espanhol, grego

[17-23 Abril] Chamada internacional de ações descentralizadas em solidariedade e atualização do caso Aachen

Amamos a liberdade, odiamos o Estado!

Uma semana – de 17 a 23 de Abril de 2017 – de ações descentralizadas em solidariedade com as companheiras acusadas de roubo num banco em Aachen (Alemanha)

Uma companheira de Amsterdão foi detida no ano de 2013 sob a acusação de roubo de banco em Aachen; após estar meses na prisão e várias semanas de julgamento foi deixada em liberdade. Atualmente encontra-se à espera de um recurso de revisão do caso interposto por parte do ministério público dessa cidade.
Em Abril e Junho de 2016 duas companheiras de Barcelona foram detidas e encarceradas em Espanha, sendo efetuada a sua posterior extradição para a Alemanha onde continuam em prisão preventiva. Atualmente estas duas companheiras não só enfrentam uma situação de confinamento como desde Janeiro se encontram em fase de julgamento que se prevê finalizar a 22 de Maio de 2017, na cidade de Aachen.

Não nos surpreende que o poder persiga, castigue e ataque a quem luta, a quem combata a miséria deste sistema opressor. Não nos interessa usar o vocabulário do inimigo e falar assim de culpadxs ou inocentes, pois não obedecemos à lógica em que divide xs indivíduos e xs cataloga, até chegar ao ponto de poderem ser encarceradxs. Compartilhamos com as nossas companheiras o ódio a este sistema, o ódio às prisões que perpetuam a divisão entre o bom cidadão e aquele que merece ser castigado; odiamos todo o aparelho repressivo de qualquer estado, assim como a sua conexão com a Igreja e respectiva história opressora.

Com passos gigantes a repressão adopta um papel cada vez mais quotidiano nas nossas vidas.  As novas tecnologias, o desenvolvimento de técnicas para a obtenção de ADN, análises biométricas, câmaras, controlo social…todo um aparato destinado ao estudo, análise e controlo, dentro do qual nos posicionamos totalmente à ofensiva, entendendo – de agora em diante – toda esta estrutura como parte dos nossos habituais inimigos. A coordenação entre Polícias de diferentes Estados, juízes, investigadores, todos formam parte das não tão velhas assim, as rejuvenescidas ferramentas desta Europa, a que se encaminha mais clara e rapidamente até ao capitalismo mais puro, mais subtil mas feroz.

Recuperaremos o espaço nas nossas ruas e sairemos fortes dos golpes repressivos, com as veias carregadas de raiva, força e coragem, para estar ao lado das nossas companheiras, para lhes mostrar a nossa solidariedade, a paixão que temos para continuar a lutar e para destruir este sistema – que não queremos nem dele necessitamos.

Esta é uma chamada internacional em solidariedade com as companheiras acusadas de roubo de banco em Aachen, uma chamada para fortalecer os laços entre todxs xs rebeldes e oprimidxs, em qualquer lugar do mundo, em qualquer recanto. Usemos as nossas ferramentas para sabotar, atacar e destruir as suas estruturas de poder, usemos a nossa imaginação para continuar a demonstrar-lhes o nosso ódio, usemos a nossa paixão para continuar a caminhar, para continuar a lutar! Fazemos uma chamada de  17 a 23 de Abril!

Tudo continua, nada se acaba! Até que todxs sejamos livres!
Solidariedade com as companheiras anarquistas acusadas de roubo de banco em Aachen. Livres elas, livres todxs!
Pela revolta, pela anarquia…

Fevereiro de 2017, em algum lugar do mundo

Atualização do caso Aachen

– Resumo das sessões de julgamento já realizadas
1 l 2 l 3 l 4 l 5

Carta da companheira processada pelo caso Aachen

– Mais informações e atualizações

inglês: solidariteit.noblogs.org | espanhol: solidaritatrebel.noblogs.org

Cidade do México: Ataque explosivo-incendiário em solidariedade com as presas de Aachen

Razões para lutar temos de sobra. Por termos considerado a necessidade de agirmos directamente contra o Capital, cada vez mais encontramos mais motivos para continuar a lutar. Há algumas semanas, por exemplo, algumas companheiras foram acusadas de roubo em Aachen, Alemanha – e entendendo o respectivo processo burocrático da “justiça legítima” da burguesia, privaram-nas de liberdade. Não devemos esquecer o quanto já foi mencionado nestes espaços de difusão, que a expropriação é uma ação justa, direta e parte da história de todo o movimento revolucionário. Enfatizando a palavra de ordem: “Que crime é expropriar ou incendiar um banco, em comparação com fundá-lo?”

A raiva e fúria tornaram-nos mais fortes. Não nos podemos mais dar ao luxo de permanecer na passividade e no conforto condicional que nos aprisiona numa “realidade” imposta por um grupo de assassinos.

Na madrugada de 2 de Fevereiro do ano em curso, concentrámos a nossa discordância dentro de um bidão com 8 litros de material altamente inflamável, em combinação com material explosivo e um detonador dos mais simples. Colocamos-lo precisamente no meio de dois caixas automáticos, na sucursal de banco CitiBanamex situada na rua Eje, 10 esquina com a rua Xocoyoacán – causando a danificação total a ambos os caixas e respetivos billetes, agora calcinados. A sucursal ao que parece permanecerá encerrada algumas semanas.

O Citigroup é a maior representação do asqueroso imperialismo. Os bancos, os santuários do Capital. E nós, a consequência do seu asqueroso sistema. Cada dia mais conscientes e afins à luta pela liberdade.

Desta forma, solidarizamos-nos com as companheiras presas na Alemanha. Assim como com os companheiros [presos no México] Luis Fernando Sotelo e Fernando Bársenas.

Nem culpadxs, nem inocentes!
Liberdade para xs Presxs em guerra!
Que ardam os muros das prisões!

Contra o Estado, o Capital e toda a forma de autoridade.

F.A.I. F.R.I.
Célula Incendiária Gatxs Noturnxs e Bruxxs Malvadxs.

em espanhol l grego

Leuven, Bélgica: Solidariedade com as acusadas de Aachen

Recebido via email

Em Leuven, Bélgica, na fria noite de 17 de Janeiro, 50 parquímetros foram cobertos de tinta e as fechaduras de diferentes bancos foram enchidas de cola. Num dos bancos (e noutros lugares da cidade) foi escrita a frase: “Solidariedade com as acusadas de Aachen! (A)”.

Uma pequena ação de resistência… para demonstrar às acusadas que não estão sózinhas.

Contra os bancos e o seu mundo!

em italiano | holandês | inglês | grego | alemão | espanhol

Madrid: Fotos da manif em solidariedade com xs anarquistas acusadxs de assalto em Aachen

Que delito é roubar um banco quando comparado com fundá-lo?
Nem culpadxs nem inocentes!

Solidariedade rebelde
Presxs anarquistas para casa
Nem domesticadas nem amordaçadas

Liberdade imediata para as presas acusadas de expropriar bancos na Alemanha

A manif de sábado [21/1/2017],em Madrid – em solidariedade com as detidas acusadas de roubar bancos na Alemanha – terminou com dezenas de identificadxs, não havendo detidxs.

em espanhol, alemão

Espanha: Chamada à solidariedade com as companheiras presas na Alemanha – 21/01

12 de Janeiro, Barcelona *

Chamada à solidariedade!
As companheiras anarquistas acusadas de participar numa expropriação a uma sucursal bancária de Aachen, em Novembro de 2014, continuam encarceradas na Alemanha à espera do começo do julgamento, marcado para 23 de Janeiro de 2017. A companheira holandesa, processada também por expropriações a sucursais bancárias no mesmo território, encontra-se em liberdade atualmente, ainda que o ministério público tenha apresentado um recurso após a sua absolvição. (+ info: aqui)

A partir da Solidaritat Rebel queremos que sintam a solidariedade trespassar fronteiras, barrotes e muros, enviando-lhes toda a nossa força e cumplicidade.

Propomos desmascarar e apontar três actores importantes no sequestro das nossas companheiras:

1) A acusação: Pax Bank e os seus sócios

As sucursais bancárias onde se perpetuaram as expropriações pertencem às entidades Pax Bank e Aachener Bank. O Pax Bank é um banco ligado à Igreja Católica – desde que foi fundado por sacerdotes em Colónia, durante a Primeira Guerra Mundial – recentemente vinculada ao mercado de armas. Embora prediquem humildade, ética e moral, enchem os bolsos vendendo armas em guerras para, em seguida, pedirem orações pelas vítimas. Mais uma amostra da aliança indessolúvel entre Igreja e Capital. (+ info: aqui)

2) Os cúmplices e servos do Estado: colaboração entre Estados e seus corpos policiais

Da Polícia Criminal e do Departamento Estatal de Investigação Criminal (LKA) alemães saíram as ordens, dirigidas aos outros Estados, de recompilação de informação: por exemplo, foram os Mossos d’Esquadra (polícia da Catalunha) que recompilaram dados para identificação e localização dxs nossxs amigxs. Para além disso, a Europol emitiu o mandado de busca e captura que terminou com a extraditação dxs nossxs amigxs para prisões alemãs (trazidxs da Bulgária e da região de Barcelona). As fronteiras, mais uma vez, são apenas reais para os pobres, os rebeldes, os imigrantes …; nunca para os ricos, forças repressivas ou Capital.

3) Tecnologia de controlo social e repressão: novas (e as que não são tão novas já) técnicas

Uma das evidências-chave para a acusação era a amostra de ADN recolhida pela Polícia da Catalunha, sem o conhecimento das acusadas. Outra das provas foi o estudo biométrico das imagens gravadas pelas câmaras das sucursais e das suas redondezas: forma da cabeça, da mandíbula, da maneira de andar…toda a informação foi extraída dessa maneira, dia após dia, quando andávamos pelas ruas vídeo-vigiadas.

Isso sem deixar de lado o nosso ódio e rejeição às prisões, como centros de punição para a dissidência; o nosso ódio a todos os e-bancos, media burguesa, Igreja e restantes aliados do Estado e do Capital. Apesar dos sucessivos golpes repressivos, é a continuação da luta o que impedirá que as nossas ideias e práticas rebeldes sejam atingidas.

Não cairemos nos seus jogos de inocente ou culpado, isso não nos importa. Não são vítimas, são lutadorxs – no próximo dia 23 de Janeiro começa o julgamento – assim reafirmamos-lo uma vez mais, recusando essa categorias, tecendo laços de solidariedade e rebeldia. Por isso mesmo incentivamos todxs a solidarizarem-se com elas no sábado, dia 21 de Janeiro, nas ruas das vossas cidades, bairros, vilas ou aldeias de forma a tornar visível o caso que mantém sequestradas as nossas companheiras. (+material: aqui)

Manteremos o blog atualizado com toda a informação que formos entretanto obtendo dos inimigos das nossas companheiras (que também são nossos).

AS ANARQUISTAS PRESAS NA ALEMANHA NÃO ESTÃO SOZINHAS.
QUEREMOS-LAS LIVRES.
QUEREMOS-LAS PRÓXIMO.

 espanhol

*Nota dxs tradutorxs: A 12 de Janeiro, 19.30h, cerca de 30 compas, à porta do hotel Imperial na Gran Vía, em Barcelona – onde se celebrava um aperitivo exclusivo da Câmara de Comércio Alemão para Espanha – bloquearam a entrada com uma faixa, leram um comunicado e lançaram centenas de flyers em solidariedade com xs companheirxs acusadxs de um assalto em Aachen.